AventureBoxExplore
Create your account
Pedal das Águas Janeiro de 2017, Guaíra - Foz, Cancelado

Pedal das Águas Janeiro de 2017, Guaíra - Foz, Cancelado

O porque te ter sido cancelado, e o que aprendi com uma viagem que não aconteceu, viagem que terminou antes mesmo de começar. Leia até o fim

------------Neste local onde estou ficavam os SETE QUEDAS, se fosse a pouco mais de 30 anos atras era isso aí que vc veria, coisa mais linda, não tive o prazer de conhecer, conversando com um nativo e ele me disse que ali atrás de mim ficavam algumas das sete quedas------------------------------------------------------

Era pra ser um passeido de bicicleta partindo de Guaíra PR até Foz do Iguaçu PR, indo por dentro do Paraguay. Bom, como talvez você que esteja lendo não seja aconstumado com esse troço de cicloturismo, vou explicar rapidamente o motivo principal da viagem, pois sem motivos viagem alguma faria sentido na nossa cabeça. A razão da viagem era rever um lugar onde estive por uns 3 meses com meu pai, muito tempo atras, no Paraguay, numa cidadezinha chamada Puente Kihá. Na época lá viviam ele e meu irmão a beira de um lindo rio chamado Carapá onde pesquei muito lambari, bagres, cheguei a pegar um Piau, e cacei de estilingue! Além disso tomei muito banho no rio, aprendi a nadar lá nesta localidade, a proprietária se chamava Dona Eva, com certeza eu iria perguntar pelos antigos moradores. Após rever este que foi um lugar inesquecível pra mim eu iria dar a primeira parada que seria Em Katuetè, lá eu daria umas oficinas de músicas para um pessoal da igreja Paraguay para Cristo, colocaria em prática um projeto meu chamado ARTE NA ESTRADA, estava tudo certo e eu seria recebido lá pelo pastor e sua família. Por fim o plano era descer para a cidade de Foz do Iguaçu, conhecendo e intereagindo com as pessoas e chegar até a CASA DO CICLISTA que fica lá em Foz, local onde qualquer viajante em bicleta será bem vindo, visitaria a Itaipú Binacional, as Cataratas do Iguaçu, talvez rever alguns amidos de infância daqueles de trocar gibi, tocar violão e tal.... e voltaria pra minha cidade terminar minha faculdade Licenciatura em Artes, e chegar a tempo de preparar a papelada para a documentação minha junto ao processo seletivo pss do Estado do Paraná, uma vez que a convocação sairia em janeiro de 2017.

Fui de ônibus com a empressa Expresso Maringá, com a bike devidamente guardada no meu malabike, não tive nenhum problema pra transporta-lá, aliás, os motoristas estão de parabéns, foram muito gentis tanto na ida como na volta, muito educados o tempo todo! Cheguei em Guaíra por volta das 13 horas do dia 08/01/2017. Ao desembarcar levei um susto parecia que eu estava entrando num forninho de tão quente que esava fora do ônibus. Com a bagagem em mãos, a bicicleta pendurada no ombro ainda dentro da malabike, cheguei a ficar meio zonzo, e por fim comecei a perguntar, pedir algumas informações, e ver algum hotel para descançar e partir na segunda de manhã.

O PORQUE DE TER DESISTIDO DA VIAGEM: Comecei a sentir dores o que seria até normal, mas aí começou aumentar, ainda preciso consultar e tratar o problema, mas provavelmente é o Nervo ciático, com dores não dava pra seguir, ainda mais que corria mesmo o risco de eu realmente ter que ir até o MS, com a bagagem toda, e de lá montar a bike e seguir pro Paraguay.

A opção pra quem vai pro Paraguay a partir de Guaíra é fazer uso da balsa que faz a travessia pelo rio Paraná, ou ir pela ponte Ayrton sena, que liga o Paraná ao Mato Grosso do Sul e de lá cruzar para o Paraguay por terra. Mesmo tendo a viagem acabado antes mesmo de começar, pude aprender algumas coisas, as quais servirão pra quem for viajar por ali, ou em qualquer outro lugar do mundo. Uma delas é: Quando te derem muitas informações variadas sobre algum detalhe inportante, e você ver que cada um fala uma coisa diferente, vá você mesmo e confira. Me disseram que a balsa só passava quando tivesse caminhão pra atravessar, outros ja gente já estavam me obrigando a ir pela ponte que liga o Paraná ao Mato grosso do Sul. Uns diziam que eu podia ir pedalando pela ponte ( o que seria loucura, não iria mesmo.) Ou que eu devia ir de ônibus até Mundo novo no MS, e de lá ir pro Py. Me puseram na cabeça que a balsa não passava.....e eu já acreditando, resultado foi que, como eu não ia mais realizar a viagem, resolvi descer lá de táxi pra rever o porto onde passei com meu pai a muito tempo atras e a balsa passou NORMALMENTE, e o mais engraçado, partiu deixando os caminhões para trás. Outra coisa que estou aprendendo, é que talvez em alguns momentos ter uma barraca é melhor que certos hotéis baratos, as vezes existe desconfortos, um deles é subir escadas com a bike e a bagagem, ou ter que deixar em um outro lugar embaixo fora do seu alcance visual, ou um banheiro coletivo, lençol que não para no lugar por ser pequeno, infelizmente por oferecerem um preço popular eles acreditam que não devam oferecer o básico, aprender usar uma barraca pode ser bom.

Dois meses antes de eu tentar fazer essa aventura, eu já tinha sentido um pouco dor, andei mancando por alguns dias, mesmo tomando algum remédio, e isso só aumentou meu medo desta fez, com medo de que aquilo se agravasse estando eu já dentro do país vizinho, me dei conta de que não conseguiria fazer meu passeio e DESISTI... Tomei a decisão certa, tive que ir numa farmácia, tomar remédio, gelol e fiquei mancando por um bom tempo. Fato engraçado: conheci um cara do MT no hotel e fomos juntos fazer um lanche a noite, ele mancando do joelho esquerdo e eu da perna direita rsrsrsrs, ou seja, um mancando dum lado e o outro do outro! E lá fomos nós. Aproveitei então para descansar um dia em Guaíra e fui rever o porto onde a balsa faz a travessia para o Paraguay, andei um pouco pela cidade, conheci várias pessoas, e até troquei umas palavras em espanhol com uma paraguaia em viagem. Na rodoviária de guaíra tem uma geladeira inutilizada que agora serve como biblioteca, então peguei um livro pra devolver na próxima ida para lá, "Inocência" da literatura nacional, to chegando na metade! ----- Vista da janela do hotel, eu chegaria no Paraguay numa linda tarde!!!! ------

Tive que voltar, mas em breve estarei indo novamente, mais preparado, inclusive emocionalmente, este foi o meu primeiro fracasso no cicloturismo, e te digo que a sensação é a de amor não correspondido, é a mesma coisa! Não deu, fica pra uma próxima! Uma coisa agradável que aconteceu após eu voltar pra casa foi um convite do Elias Luiz do PORTAL EXTREMOS para a gravação de um podcast quando eu conseguir realizar a viagem, pelo menos o meu perrengue sensibilizou as pessoas certas, e assim recebi mensagens carinhosas de vários cicloturistas mais experientes, os quais eu já venho acompanhando a algum tempo, tais como: Olinto e Rafaela, Ada Cordeiro e Juliana Hirata ( me sinto uma formiguinha perto destes rsrsrsrs ) fico agradecido e feliz com isto. Viagem de bike sem perrengue não existe, desta vez a natureza falou mais alto, o perrengue foi maior, foi como se alguém apertasse um botãozinho e me dissesse, hey....sou eu quem mando ok ? Mas lição aprendida, fica o aprendizado para sempre, foi um momento de parar e repensar um monte de coisa que tenho deixado de lado, ou desistido de conquistar por achar que tudo isso me prende a um sistema caro e entediante.

Abraço a todos!! Em breve eu volto pra Guaíra e aí fazer o meu passeio pelo Paraguay, tenho fé de que na próxima será menos tumultuado, quente ou triste como foi desta vez...Mas estou bem, já montei a bike agora de manhã e a tarde dou uma volta em algum parque da cidade! Valeuuuu mesmo pela força de cada um, obrigado mais uma vez a quem, antes ou depois, me deu palavras de apoio.

Elair Clement
Elair Clement

Published on 01/15/2017 15:32

Performed from 01/08/2017 to 01/09/2017

Views

3103

Elair Clement

Elair Clement

Maringá - PR

Rox
41

Cicloturista, motociclista, Professor de Artes, Violão, Teclado. Faça hoje mesmo um Curso On line de alta qualidade, mais de 20 anos de experiência, Agende um Atendimento.

Adventures Map
www.facebook.com/elair.clem

83 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Peter Tofte, Bruna Fávaro and 385 others support the Minimum Impact Manifest