AventureBoxExplore
Create your account
Um mergulho no mar de Itapoã.

Um mergulho no mar de Itapoã.

Mergulho técnico a 67 m na Parede do 4 Rodas (Itapoã), local lindo, com muita vida marinha.

Diving

Eu e László Mocsári já havíamos tentado mergulhar neste ponto a cerca de um mês atrás, mas entrou um vento forte que tornou a navegação difícil. Neste tipo de mergulho fundo, as ondas tornam penosa a descompressão, o cabo da âncora ao qual ficamos agarrados sacoleja muito. Além do risco da âncora do barco começar a arrastar no fundo (não unhar). Uma pena, a água estava roxa na ocasião. Abortamos e fizemos o Galeão Sacramento (vide relato aqui no Aventure Box).

O litoral baiano, especiamente em Salvador, é um dos mais próximos da beira da plataforma continental do Brasil. Para se fazer mergulhos a 200 metros de profundidade não é necessária muita navegação. A Parede do 4 Rodas fica a 5 milhas náuticas em frente ao antigo Hotel 4 Rodas, único prédio que se destaca ao norte do farol de Itapoã. Lá começa um dos degraus desta plataforma.

A MPB consagrou a beleza do mar de Itapoã. Há trinta anos o soteropolitano veraneava lá, local distante de Salvador. Hoje é mais um dos bairros da cidade.

...............

Voltamos e tivemos melhor sorte desta vez.

Partida da lancha da Bahia Marina. László na faina de preparar os equipamentos. Na foto ajustando o rig de um cilindro de bailout.

László e eu na saída da Baía de Todos os Santos. Ao fundo o farol da Barra.

Após 40 a 50 minutos de navegação a partir da Baía de Todos os Santos, o László passou a observar a ecosonda e ordenou lançar âncora quando o display mostrou um empedrado no fundo.

Não havia praticamente ondas, mas uma correnteza forte. Segui a sugestão do László e além do rebreather clipei os dois cilindros de bailout ainda a bordo (caso falhe o equipamento principal, pulamos para o circuito aberto, usando os cilindros de bailout). László, veterano mergulhador técnico com muito mais experiência que eu, clipou seus 3 cilindros na água (trabalho complicado com muita correnteza).

A corrente tornou a descida cansativa, a quantidade de equipamento causa muito arrasto, impossível vencer a nado e sim puxando com as mãos o cabo da âncora. Fiquei ofegante em alguns momentos. Aos 20 metros de profundidade uma mágica! A correnteza quase desapareceu por completo. As 35-40 metros de profundidade já conseguíamos avistar o fundo a 65-67 metros. Visibilidade excelente.

No fundo amarramos o cabo da carretilha na corrente da âncora. Observamos que a âncora, do tipo fateixa, já vinha sendo arrastada. Um longo risco na areia mostrava que ela já havia percorrido dezenas de metros entre o momento que tocou o fundo e aquele em que chegamos ali. O fundo é um lajeado coberto por fina camada de areia que não permitiu a âncora firmar. Começamos a nadar em direção ao empedrado, que justamente ficava apontado na direção do risco na areia. Perdemos 10 a 15 minutos nadando até chegarmos lá.

Empedrado espetacular, muita vida marinha. Olhetes, ciobas, barracudas e muitos peixes menores, multicoloridos. Uma moréia verde graúda foi filmada pelo László. Encontramos uma poita. Parece que colocaram um atrator lá. Um atrator é um cabo fixado ao fundo e a uma bóia perto da superfície (mas não flutuando). Neste cabo se prendem tiras de tecido sintético que parecem bandeirolas compridas. Isto atrai muitos peixes. O vídeo dá uma pequena idéia da beleza do lugar.

Após cerca de 45 minutos de fundo decidimos voltar. Já tínhamos ali pelo menos 2 horas de descompressão (deco) antes de retornar para a superfície. A descompressão evita que nosso sangue borbulhe como uma garrafa de Coca-Cola quente ao ser agitada e aberta.

Comecei a enrolar o cabo da carretilha. Ela é que assegura a volta ao cabo da âncora. A última coisa que desejamos é fazer deco a deriva com aquela correnteza. Iríamos parar na pqp. Antes de podermos subir a superfície, devido a obrigação de fazer a deco, pararíamos quilômetros distantes da lancha com aquela correnteza se não estivermos agarrados ao cabo da âncora.

Chegando perto da âncora, descobrimos que a fateixa continuou sendo arrastada enquanto mergulhávamos no empedrado. Uma fina nuvem de "poeira" indicava o arrasto. O cabo da carretilha poderia ter se partido neste processo.

Perfil do mergulho. Observem a longa descompressão.

Após mais de duas horas de deco estávamos de volta a superfície, cansados mas felizes por mais um mergulho fundo nas belezas do mar da Bahia.

O vídeo com as imagens subaquáticas são do László Mocsári.

Bons mergulhos!

Peter Tofte
Peter Tofte

Published on 01/02/2018 09:52

Performed on 12/28/2017

Views

2638

2
Guiomar Vieira
Guiomar Vieira 01/08/2018 12:56

Um aquario, mas muita coragem, adrenalina e emoção. Lindo mergulho

Peter Tofte
Peter Tofte 01/26/2018 08:30

Valeu Guiomar!

Peter Tofte

Peter Tofte

Salvador, Bahia

Rox
2136

Carioca, baiano de criação, gosto de atividades ao ar livre, montanhismo e mergulho. A Chapada Diamantina, a Patagônia e o mar da Bahia são os meus destinos mais frequentes.

Adventures Map

3 Posts


373 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Bruno Negreiros, Bruna Fávaro and 385 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Renan Cavichi, Peter Tofte and 142 others support the Together page.