AventureBoxExplore
Create your account

Lendas Cananeia

Toda segunda no @elasoutdoorsp uma lenda diferente sobre algum lugar incrível.

Lendas Cananeia


Primeira cidade do Brasil

Fundada em 12 de agosto de 1531 por Martim Afonso de Souza, Cananeia é a primeira cidade do Brasil.

Existe uma polêmica sobre qual seria a cidade mais antiga do Brasil, título “disputado” entre Cananeia e São Vicente.

Nessa região passava a linha imaginária do Tratado de Tordesilhas que dividia o mundo entre Portugal e Espanha.

Cananeia foi tombada pela Unesco como patrimônio natural da humanidade.

O município é formado por diversas ilhas, como Cardoso, Bom Abrigo, Filhote, Cambriú, Castilho, Figueira, Casca e Pai do Mato.

Sambaquis

Paraíso ecológico, histórico e cultural, além de ser recheada de muitas lendas de piratas, tesouros enterrados e batalhas.

Possui inúmeros sítios arqueológicos, os sambaquis, datados entre seis e quatro mil anos.

Sambaquis são montes de conchas que foram acumuladas por muitos anos, não pela natureza, mas por antigos habitantes do local; provavelmente grupo de nômades.

Índia Caniné

No ano de 1531 uma expedição veio de Portugal sob o comando de Martim Afonso à, então chamada, Maratayama (atual Cananeia)

Maratayama significa lugar onde a terra encontra o mar ou terra do mar (Mara= mar e Tayama= terra).

Já o nome Cananeia, tem origem em uma lenda antiga da região sobre a índia a índia Caniné, filha do Cacique Ariró e esposa do bacharel Mestre Cosme Fernandez.

Segundo a lenda, quando o bacharel chegou a Maratayama (atual Cananeia), a índia Caniné se apaixonou por ele e o cacique Ariró permitiu o casamento deles e uma festa estrondosa se realizou.

Dois anos depois, o bacharel foi para Guaiaó (atual São Vicente), para conquistar terras e prometeu à Canine que voltaria.

Entretanto, o bacharel fez aliança com o cacique de Guaiaó e casou-se com sua filha.

Todos os dias Caniné subia no alto de uma árvore à espera de enxergar as velas do navio que traria seu marido de volta.

Um tempo depois ela descobriu o casamento do bacharel, muito triste ela vê o mar pela última vez.

Seu pai, o cacique Ariró, enviou índios à procura de sua filha, mas os índios não a encontram.

No alto de um penhasco, encontram uma bela arara com penas azuis e vermelhas.

Depois de 20 anos, o Bacharel voltou expulso de Guaiaó e lhe mostraram a linda arara e seus caçadores portugueses desavisados mataram a arara que deu nome a ilha.


A Figueira

Ela está ali, bem próxima aos transeuntes que cruza o centro da cidade.

Mas a Figueira guarda um mistério.

Dizem que seu coração é pedra, pois germinou em meio a ruínas.

Porém, há muitos e muitos anos uma mulher que vestia sete saias de veludo morava no local da árvore.

Essa mulher tinha poderes mágicos e seu destino era proteger um tesouro.

Quando morreu continuou em sua sina. Abraçou a ruína protegendo o tesouro da ganância humana.


Sereia Encantada

No século XVIII, alguns pescadores e humildes dos sítios contam que na baía Trapandé, em uma noite de luar, uma linda Sereia de cabelos longos e loiros foi vista no costão do Morro do São João, na Baía Trapandé por um pescador que havia ido pescar sozinho.

Para espanto do pescador a “Sereia Encantada” fez dois pedidos a ele: que trouxesse um pente e uma fita da Vila. E assim o fez. O pescador foi para a Vila na casa de um amigo e contou-lhe o ocorrido.

Resoluto, seu amigo o aconselhou ofereceu uma espingarda para matar a Sereia, pois a mesma é feita de ouro e o pescador iria ficar podre de rico.

Dito isso, juntos, voltaram ao costão. Para desconcerto do pescador a bela figura não estava mais lá. Então, os dois resolveram esperar. Não demorou muito e a Sereia, de dentro do mar surgiu toda brilhando em ouro com reflexos do luar da madrugada e perguntou se o pente e a fita estavam com eles.

Capciosos, os dois disseram que sim. De imediato um deles pegou a espingarda e atirou em direção a moça. Esta levantou os braços e gritou a maldição: Cananeia acabou! E sumiu misteriosamente nas águas do mar.

Desencantados com a fuga da Sereia, os dois amigos contaram o acontecido aos demais e até hoje essa fantástica figura continua aparecendo no costão do Morro do São João.

O Pau da Onça

Era o ano de 1795, uma época em que animais de grande porte eram abundantes e uma grande catástrofe aconteceu: o Dilúvio do Mandira.

Com a fúria das águas da chuva arrasando o povoado, veio na enxurrada uma grande árvore descendo com a correnteza do rio.

Agarrada a ela uma onça pintava tentava fervorosamente não se afogar, porém quis o destino que esta se afogasse no encontro do mar…

Elas Outdoor Sp

Elas Outdoor Sp

São Paulo

Rox
1059

Relatos e dicas de mulheres apaixonadas pelo esporte outdoor ♀️⛰🏕🏄🏽‍♀🧗🏻‍♀🚴🏾‍♀🚣🏿‍♀ Instagram: @elasoutdoorsp 🔰 Desde 03/2020

Adventures Map
linktr.ee/elasoutdoosp

43 Posts

See More

111 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Peter Tofte, Bruna Fávaro and 385 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Peter Tofte, Renan Cavichi and 142 others support the Together page.