AventureBoxExplore
Create your account

Lenda do Corcovado (Ubatuba)

Pedra no alto da Serra do Mar localizada na região sul de Ubatuba (SP). De um lado vista para o litoral norte Paulista, e do lado oposto para o Vale do Paraíba.

O Corcovado com seus 1.150 metros, é um pico misterioso e imponente que se sobressai na paisagem de Ubatuba, causando fascínio e curiosidades.

➡️ O Preto do Corcovado

Em Ubatuba, quando o céu estiver estrelado e com lua, desvie sua vista para o Pico do Corcovado. Sentado no “cocoruto” do morro, costuma aparecer o perfil enorme de um preto velho, com um “pito” na boca, e um cajado nas mãos.

Os caiçaras contam que na época da colonização, apareceu na cidade um português enriquecido com o tráfico de escravos, acompanhado de sua bela filha e vários negros para serví-lo. Um dia apareceu um forasteiro, moço belo, forte, que percorria nossos sertões na busca de aventuras e se enamorou de sua filha. Apesar do amor de ambos, fosse o mais puro, o português foi contra o namoro e para afastá-los decidiu trancá-la em casa.

Ela por intermédio de Thiago, velho escravo, que a vira nascer e que lhe era guarda fiel, aceitou ajudá-la na fuga com seu amado. E numa madrugada, os jovens partiram serra acima, em busca da felicidade, e para isso a jovem tratou de reunir todas suas jóias, encarregando Thiago de partir na frente, com o precioso tesouro para o Corcovado.

Mas a fuga foi descoberta, o fidalgo assassinado e o português voltou para sua terra com a filha, desfeita em lágrimas. Entretanto, o “preto velho” permanece até hoje no alto do Corcovado, a espera de sinhá moça, de cajado em punho na defesa do tesouro que um dia ela lhe confiou, soltando fumaça de fogo de seu cachimbo imenso.

É por isso, que em noites de lua, em especial cheia, a figura sombria do “Preto do Corcovado”, aparece assustando.

➡️ A Mina de Ouro do Corcovado

Conta a lenda que um Capitão chamado Manoel Fernandes Corrêa era proprietário de uma fazenda na praia Dura. Alice, filha do maldoso capitão, desapareceu em um passeio pela mata.

Desesperado, o pai pede a seus escravos que a busquem no Pico do Corcovado, com a promessa de ter a liberdade imediata como prêmio.

Pedro, um escravo forte, achou Alice esfarrapada por entre arbustos espinhosos no alto do Corcovado. Chegando à escadaria da Casa Grande, Pedro não foi recompensado com liberdade e também sofreu castigos no tronco. O escravo foi açoitado por não trabalhar devido ao cansaço, pelo esforço despendido na procura de Alice.

A menina, revoltada pela atitude do pai, fez com que saísse em defesa do escravo e obrigasse seu pai a cumprir sua palavra e libertar o escravo.

Vendo-se liberto, Pedro beijou as mãos da moça Alice e partiu sem destino para os lados do Corcovado,

se instalou e fez uma choça ao lado de uma cascata, próxima à escarpa misteriosa do Corcovado. Pedro vinha sempre à Vila trocar canudos de taquaruçu cheios de grãos de ouro, por fumo, cachaça, gêneros etc.

Tempos depois, Alice, que já havia morrido, apareceu em seu reduto e revelou-lhe uma mina de ouro, mas avisou que este segredo jamais poderia ser revelado, pois as conseqüências seriam terríveis.

Sabendo disso, o ex-escravo sobreviveu durante anos pagando suas compras com pepitas de ouro. Tal fato despertou a curiosidade popular. E também de seu antigo algoz, que o capturou e torturou, com o objetivo de saber de onde vinha aquele ouro.

E, quando já estava totalmente sem forças para resistir as chicotadas e prestes a contar tudo sobre a mina, o aviso de Alice se materializou, culminando na morte de Pedro.

"Negro maldito, onde está o tesouro?" gritou o capitão:

"Sinhô, preto num pode contá..."

"Sinhô... Tá lá para a banda do..." E o ruído do baque de um corpo encheu a sala da casa grande. Pedro caíra morto, fulminado antes de revelar o segredo do tesouro.

➡️ Histórias sem explicação

Antes da chegado do Frei Bartolomeu a Ubatuba, dois jovens, Pablo e Juan, filhos de um fidalgo espanhol, resolveram chegar ao topo do Corcovado. E, infelizmente, desapareceram na primeira curva do caminho ao amanhecer. Para achá-los, entregaram a busca a um escravo que foi acompanhado por mais cinco homens. Porém, ao começar a subida, o escravo nunca mais foi visto.

Passados sessenta anos, em 1697, o frei Bartolomeu, da Ordem de Francisco, saiu de São Vicente para Ubatuba com a finalidade de oficiar uma missa em homenagem ao padre Anchieta, e ali, em contato com os moradores do lugar, tomou conhecimento do que acontecera no passado e quis provar que não havia nenhuma coisa maligna no local. Disse que subiria ao alto do morro para provar! E ainda colocaria lá em cima uma grande bandeira vermelha. E foi o que fez.

Todos ficaram esperando o retorno do religioso. O frei se arrastava pedra abaixo com extrema dificuldade. Quando se expôs completamente ao luar, nenhum dos homens deixou de perceber a palidez fantasmagórica estampada em sua face triste, os olhos sem brilho, a boca murcha. Mesmo assim, eles correram para abraçá-lo, mas o frei desapareceu da vista de todos.

Dizem que ainda hoje, quem se atrever a ficar no sopé do morro do Corcovado poderá ver frei Bartolomeu descendo devagar pela rocha.

Elas Outdoor Sp

Elas Outdoor Sp

São Paulo

Rox
1064

Relatos e dicas de mulheres apaixonadas pelo esporte outdoor ♀️⛰🏕🏄🏽‍♀🧗🏻‍♀🚴🏾‍♀🚣🏿‍♀ Instagram: @elasoutdoorsp 🔰 Desde 03/2020

Adventures Map
linktr.ee/elasoutdoosp

43 Posts

See More

111 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Fabio Fliess, Renan Cavichi and 396 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Renan Cavichi, Fabio Fliess and 150 others support the Together page.