AventureBoxExplore
Create your account
Trekking Santa Cruz

Trekking Santa Cruz

Trekking de 4 dias cortando uma das quebradas mais bonitas da Cordilheira Blanca.

Trekking Mountaineering Camping

Desde que voltamos do trekking de Huayhuash em 2009, já tínhamos a certeza de que voltaríamos a Huaraz para conhecer outras belezas dessa linda região. E bem mais rápido do que imaginávamos, decidimos que voltaríamos em 2010.
Quando da nossa primeira visita, ficamos sabendo sobre o trekking de Santa Cruz através do Scheler, dono da agência Artizon, e também pelo Luis Giffoni, nosso companheiro em Huayhuash.

Foto por: Rafael Guerra

A idéia de um trekking mais curto agradava, até porque teríamos mais tempo para buscar outros atrativos. E assim, formatamos nossa expedição: trekking de Santa Cruz e escaladas na Cordilheira Blanca. Definimos também que a aventura aconteceria em julho de 2010. Dessa vez, um velho amigo de caminhadas, o Evandro, também nos acompanharia.
O trekking de Santa Cruz talvez seja a trilha mais famosa e frequentada da região, em parte pela trilha bem marcada e também pelo incrível visual dos inúmeros nevados da Cordilheira Blanca. Diferentemente de Huayhuash, é muito comum você encontrar aventureiros fazendo essa caminhada de forma "autônoma", sem a contratação de agências.
Existem muitas variações desse trekking. Muitas pessoas optam por fazer o trekking no sentido contrário, de Vaqueria até Cashapampa. Nesse caso, o trekking é feito em 5 dias, com a divisão do trecho entre Vaqueria e o passo de Punta Unión. Outras variações fazem todo o trekking "normal" e acrescentam ao final caminhadas próximas como a Laguna 69 e Yuraccorral.
Optamos por fazer o roteiro "tradicional", em 4 dias, e vou tentar relatar os nossos dias nesse incrível trekking.

Dia 1

Depois de duas belas caminhadas de aclimatação (para o Rafael e o Evandro, foram cinco caminhadas), estávamos prontos para o trekking. Bem cedo, Scheler, o guia Alberto e o cozinheiro Frael foram nos buscar com uma van no hotel Olaza's. A adrenalina era muita, e como sempre, nosso grupo estava de alto astral.
Saimos de Huaraz com destino a Caraz, onde fizemos uma rápida pausa, e de lá pegamos uma estrada de terra até o povoado de Cashapampa, localizada a 2970m de altitude. Nesse local, depois de uma última conferida nas mochilas, tivemos que nos dirigir até o posto de controle do Parque Nacional Huascarán para comprar os tickets de entrada, que tem validade para 30 dias. Rafael e Evandro precisaram apenas apresentar os tickets que eles já haviam comprado antes. O preço do ticket é de 65 soles (alto em torno de US$ 25).
Resolvidos esses trâmites, por volta das 11h30 estávamos colocando os pés na trilha. Esse primeiro trecho, diferente do que já havíamos visto na região, estava repleto de mosquitos. Eu e Gilmar havíamos optado por caminhar de bermudas, já que o sol estava forte, mas tivemos que desistir da idéia diante da mosquitada...
O objetivo desse primeiro dia era chegar ao acampamento de Llamacorral, localizado a 3760m de altitude, numa caminhada que dura entre 5 e 6 horas. Durante todo o tempo caminhamos ao lado de um bonito rio, avançando cada vez mais pela Quebrada Santa Cruz.

Por volta das 16h30, chegamos ao acampamento e pudemos descansar um pouco. A animação de todos mostrava que estávamos com saudade da rotina desses acampamentos, onde sempre sobrava tempo para uma conversa animada, em volta da mesa de refeições. Enquanto aguardávamos o jantar, conseguimos tomar uma cervejinha em uma venda "improvisada" de aldeões locais.
Às 19h em ponto, o jantar foi servido. Como já havíamos constatado antes, come-se melhor nas trilhas do que em Huaraz. A comida estava excelente!!! Ficamos um bom tempo jogando conversa fora, antes que o cansaço batesse e forçasse a nos recolher nas barracas. Não demorou muito, e já estava apagado.

Dia 2

Esse é um dos dias mais esperados do trekking por todos nós, pois a trilha passa por um mirante com uma vista espetacular do Alpamayo, que foi eleita em um concurso na Alemanha em 1966, a montanha mais bonita do mundo.

O Alberto já havia nos avisado que a caminhada seria bem mais tranquila que a do dia anterior, pois teria muitos trechos planos. A trilha vai contornando as lagunas de Ichiccocha e Jatuncocha e temos a possibilidade de ver os nevados de Santa Cruz (6241m), Quitaraju (6036m), Alpamayo (5947m), Artesonraju (6025m), Paron (5670m), entre outros. Muitos afirmam que o Artesonraju é a montanha que aparece na abertura dos filmes da Paramount Pictures. É uma das pirâmides de gelo e neve mais bonitas da Cordilheira Blanca.
Por volta das 8h15, já alimentados, iniciamos nossa jornada em direção ao acampamento de Taullipampa, localizado a 4250m de altitude. A previsão era vencer esse trecho caminhando cerca de 5 horas.

O Rafael, possivelmente por conta de algo que ele comeu no dia anterior, não estava se sentindo bem. Independente disso, o seu ritmo estava bom.
Como o Alberto já havia comentado, andamos por cerca de 2 horas até chegamos nas lagunas. O terreno era bastante plano, com pouquíssimas subidas. Logo depois de deixarmos as lagunas para trás, o tempo começou a piorar bastante, o que nos deixou bastante apreensivos.
Por volta de meio-dia, chegamos em um ponto onde a trilha bifurca: se pegarmos o caminho da esquerda, subindo, vamos para o mirante com a vista para o Alpamayo. Para a direita seguimos direto para o acampamento, com um aclive menos acentuado. Aproveitamos para almoçar e discutir o que fazer.

Nesse ponto, o Rafael continuava passando mal e optou por seguir pelo caminho mais fácil. Porém, como o tempo estava horrível, chegamos a conclusão que o ideal seria acompanhar o Rafael, pois iríamos nos desgastar muito para subir até o mirante e nos frustrar totalmente com a falta de visibilidade.
Assim que voltamos a caminhar, descobrimos que a nossa decisão foi acertada. Com cerca de 15 minutos de trilha, começou a chover. E assim ficou até a nossa chegada ao acampamento, por volta das 13h15 da tarde.

Durante toda a tarde, descansamos com o barulho da chuva. A temperatura ia baixando conforme a noite chegava. Por volta das 19h fomos para a barraca refeitório esperar pelo jantar. Como sempre, boa comida e muita diversão!!!
Quando voltamos para as barracas, o frio era muito forte. Me despedi rapidamente da turma e voltei para o conforto do saco de dormir.

Dia 3


O dia amanheceu sem chuva, mas ainda bastante nublado. Como sempre acontece quando estou fora de casa, acabei acordando mais cedo que o restante do pessoal, e rapidamente deixei todos os meus equipamentos arrumados.
Aproveitei a "folga" no tempo, e caminhei um pouco ao redor do acampamento, retornando uns 700m pela trilha para tentar tirar algumas fotografias do Alpamayo. Embora a luz não estivesse boa, consegui tirar algumas fotos, mesmo com toda a dificuldade para tirar as luvas, pois o frio não cessava! Resignado com as fotos que eu tirei, retornei para o acampamento, que começava a dar sinais de vida.
Assim que todos terminaram de se arrumar, tomamos um café da manhã bastante reforçado, pois esse seria o dia mais puxado de todo o trekking, chegando a 4750m de altitude, ao atravessar o passo de Punta Unión.

Foto por: Gilmar Oliveira

Do acampamento de Taullipampa até o passo, caminha-se entre 3 e 4 horas. Durante todo desse trecho, temos a visão de vários nevados, como o Taulliraju (5830m), Rinrijirca (5810m) e Pucajircas (6046m), e de uma bonita laguna de água turquesa.
O grupo todo caminhou bem, e no tempo mínimo estipulado pelo nosso guia chegamos a Punta Unión. Deixamos nossos equipos no passo e subimos mais um pouco para poder apreciar o visual e tirar algumas fotos. Do alto do passo, tivemos uma impressionante vista da Cordilheira Blanca.

Do alto do passo, o nosso guia indicou onde seria a nossa próxima parada: uma pequena e bonita lagoa aos pés da montanha. A descida no início era bastante íngrime e exigia bastante dos joelhos. Rapidamente chegamos a lagoa e pudemos descansar um pouco e almoçar. Pastando próximos da lagoa, estavam vários bois e vacas, e volta e meia, saía alguma "briga" por território ou por alguma fêmea. Sinistro!
Mais uma vez, o tempo começou a nos pregar uma peça. Aos poucos, o tempo foi fechando e achamos melhor abreviar nossa parada para lanche, e voltamos a caminhar. Ainda faltavam alguns quilômetros até o acampamento. Depois de cerca de 45 minutos de caminhada, São Pedro resolveu mandar um pouco de chuva. Não tínhamos como nos abrigar, então sacamos anoraks e capas de chuva para as mochilas. Nem devíamos ter nos dado esse trabalho, pois cerca de 5 minutos depois, a chuva parou.
Continuamos descendo rumo ao acampamento e por volta das 14h15, paramos para um rápido descanso de 15 minutos. Já estávamos bem próximos da entrada da Quebrada Paria, que leva a um nevado de mesmo nome!!! Depois dessa pausa, seguimos caminhando, agora atravessando uma pequena floresta de quenuais (árvore local), que rendeu belas fotos.

Mais uma hora de trilha, e chegamos ao acampamento de Cachinapampa, localizado a 3710m de altitude. Como comentado pelo Alberto, a trilha desse dia é bastante longa e levamos quase 8 horas para completá-la.
Aproveitamos o restante da tarde livre, para jogar conversa fora e tirar muitas fotos. O trekking já estava entrando na reta final e a parte mais difícil já havia sido vencida. Algumas aldeãs vendiam cervejas, e compramos algumas para bebermos no jantar.
Durante o jantar, o clima era excelente. Todos no grupo estávamos com um excelente humor, a integração com o guia era excelente e já começávamos a imaginar como seriam as escaladas na Cordilheira Blanca.

Foto por: Rafael Guerra

Dormir não foi difícil, com o cansaço do corpo e a cerveja na cabeça!! Amanhã estaríamos de volta a Huaraz e poderíamos curtir uma merecida "folga".

Dia 4

Foto por: Alessandra Hambrick

O último dia de trekking seria bastante tranquilo, mas nos reservaria surpresas inesquecíveis.
Depois do café da manhã e com os equipamentos devidamente arrumados, seguimos em direção ao povoado de Huaripampa. A maior parte do trajeto é uma descida bastante suave, tendo várias casas ao lado da trilha. Um pouco antes de chegar ao povoado, depois de uma subida mais forte, paramos para tomar fôlego e a visão que tivemos quase minou o que restava dele: uma visão fantástica do nevado Chacraraju.

Ao chegar em Huaripampa, tomamos uma estrada à nossa direita, descendo em direção a uma ponte. A partir dali, a trilha subia forte em direção a Vaqueria, que está localizada a 3850m de altitude.
No trecho final a trilha realmente fica íngreme, pois ao invés de caminharmos pela estrada de terra, pegamos vários atalhos. Depois de 2h30, chegamos a Vaqueria. No povoado, você vai precisar de um transporte para levá-lo de volta a Huaraz. No nosso caso, já tínhamos deixado tudo acertado com a agência. Por volta das 12h, uma van veio nos buscar. Depois de todas as tralhas colocadas dentro da van, começamos nosso longo trajeto de volta a civilização, sacolejando estrada acima.
A estrada vai subindo até cruzar o passo de Portachuelo, a 4770m de altitude. Do alto desse passo, você terá uma das mais impressionantes vistas da Cordilheira Blanca. É de tirar o fôlego de qualquer um!!!
Do seu lado esquerdo, você verá o imponente Huascarán (6664 no cume norte e 6768m no cume sul) e o Chopicalqui (6354m), e do seu lado direito, estão os quatro cumes do Huandoy (o maior deles com 6395m), o Pisco (5752m) e o Chacraraju (6112m). Impossível não parar para tirar muitas fotos.

Foto por: Rafael Guerra

A estrada vai serpenteando morro abaixo, passando por outros miradores até chegar nas lagunas da Quebrada Llanganuco. Durante esse caminho, passamos pela entrada de Cebollapampa, onde tem início o trekking para a Laguna 69 e também para o campo base do Pisco.

Praticamente sem paradas, descemos até a cidade de Yungay, e daí voltamos para Huaraz, já pensando nas escaladas na Cordilheira Blanca.

Fabio Fliess
Fabio Fliess

Published on 12/04/2016 12:27

Performed from 07/13/2010 to 07/16/2010

Views

5018

11
Fabio Fliess
Fabio Fliess 12/08/2016 15:16

Opa Alessandro! O lugar é realmente incrível... Valeu meu amigo!

Eduardo Chaves
Eduardo Chaves 12/13/2016 10:12

Irado!

Fabio Fliess
Fabio Fliess 12/13/2016 15:23

Valeu mesmo Eduardo!

César Zamparo
César Zamparo 12/26/2016 14:53

mto bom!!

Fabio Fliess
Fabio Fliess 12/26/2016 23:13

Valeu César! Muito obrigado...

Carla Nogueira
Carla Nogueira 12/29/2016 16:28

Oi Fabio! Linda aventura! Na realidade eu 'conheci' e entrei em contato com você por causa dessa aventura em 2010. Desde então, começamos a visitar e amar o Peru (e a equipe do Scheler). Agradeço imensamente seu relato e acredite, você me incentivou a amar esse lindo pedaço da América do Sul! Que incentive outros mochileiros! ;) Obrigada por tudo!

Fabio Fliess
Fabio Fliess 12/30/2016 10:06

Oi Carla!!! Que legal ler isso!!! Fico imensamente feliz em ter incentivado vocês a irem conhecer essa terra sensacional... E mais feliz ainda em saber que vocês incentivam muita gente também!!!! Inclusive a mim, quando vejo tanto lugar bonito por onde você e Elio já pisaram!!!! Eu e Letícia admiramos muito vocês! Agradeço imensamente... E desejo um Feliz 2017 pra vcs, com muita viagem, aventura, montanha, trilha e tudo que vocês gostam!!! Abraços.

Vitor C.
Vitor C. 01/03/2020 19:58

Fiz esse trekking em Outubro de 2019. Uma experiência incrível, essa região próxima a Huaraz no Peru é realmente muito linda e o melhor - barata!! Nosso bolso agradece. O lugar é muito visitado por europeus, no meu grupo só eu e um amigo brasileiros, o resto todos do velho continente. Fico triste em ver no Brasil alguns passeios de meio período por 150, 200, 250 reais enquanto esse passeio de 4 dias e com todas as refeições sai por pouco mais de 400 reais, isto indo por agência...

Fabio Fliess

Fabio Fliess

Petrópolis - RJ

Rox
3276

Take it easy e bora pras montanhas! Instagram: @fliess

Adventures Map

1 Posts


6559 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Bruno Negreiros, Peter Tofte and 385 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Bruna Fávaro, Peter Tofte and 140 others support the Together page.