AventureBoxExplore
Create your account
Pedra do Sino + Garrafão

Pedra do Sino + Garrafão

Uma trilha completa, cheia de belezas e aventuras.

Climb Trekking Mountaineering

Sábado, dia 04 de maio, o Sino.

Nos encontramos no Rio as 6h30 para seguir para Teresópolis, onde entraríamos na Sede do Parnaso e subiríamos a trilha até o abrigo do Sino.

A grande maioria dos montanhistas conhecem essa trilha. Para montanhistas é considerada uma trilha fácil por não ser muito íngreme e ser muito bem marcada, sem possibilidade de se perder. O ganho de elevação é suave e a trilha quase toda em zig zag, com cerca de 10km da Barragem até o Abrigo 4. Também é a parte final da Travessia Petrópolis x Teresópolis.

Éramos um grupo de 12 pessoas, alguns com ritmos bem diferentes. Acabamos nos dividindo em grupos e subimos o Sino sem grandes coisas que precisem ser relatadas.

O tempo estava ótimo, aberto, não tão quente, vista bonita. Chegamos ao Abrigo 4, no Sino, montamos acampamento, almoçamos, batemos papo, e já quando o sol ia se pondo, alguns de nós subimos até o cume do Sino e ficamos lá admirando a cidade iluminada a noite.

Vista da subida do Sino.

A noite, antes de dormir, agora junto ao guia Thiago Telles (um dos melhores guias que já conheci) e ao seu auxiliar, Matheus Fernandes, separamos os equipamentos que íriamos usar para ir ao Garrafão. A maioria de nós já tínhamos o equipamento e só fizemos um check list para verificar se havia algo que poderia estar faltando. Baudrier, capacete, fitas, cordeletes, freio e mosquetões separados.

Domingo, dia 05 de maio, o Garrafão.

Acordamos as 4h30 para tomar café e fazer os últimos preparativos para sair do acampamento. As 5h30 começamos a subida até o cume do Sino.

No horizonte já se via o vermelho do sol nascendo, alguns tapetes de nuvens, uma vista surrealmente linda, que é ímpar, mesmo para quem já foi várias vezes ao Sino.

Chegamos ao cume, vimos o sol terminar de nascer, foto pra cá, foto pra lá.

Do Sino a gente já avista o Garrafão, ele fica quase em frente, um pouco mais baixo. As 7h seguimos a trilha descendo pela frente do Sino. Algumas pessoas ficaram, para retonar ao acampamento, e seguimos em 9 do grupo, mais o 2 guias, para o Garrafão. O caminho é quase todo em pedra, tem alguns poucos totens e algumas marcações com fita em galhos de um guia que fez o reconhecimento da trilha há pouco tempo.

Garrafão visto da Pedra do Sino

Descida da trilha para o Garrafão

Maior parte da trilha em pedra

Vista durante a trilha

A trilha leva até bem a frente do Garrafão, até aí é um caminho bastante tranquilo. A partir desse ponto, vestimos nossas cadeirinhas e capacetes para seguir por uma caverninha onde temos que descer em rapel. É uma descida pequena, cerca de 4m de altura. Mas logo após ela, vem uma descida de um paredão de cerca de 40m. Eu fiz o curso básico de montanhismo tem uns 7 anos, mas desde esse tempo não escalo nem faço rapel, e mesmo sendo montanhista, adiquiri um certo medo de altura. O Thiago montou o rapel pra mim com nó prussik para ficar mais seguro, mas a pedra estava molhada e barrenta. Conforme fui descendo, a água e barro criaram um atrito na corda que impediram meu prussik de descer, mesmo o afrouxando e tentando descer novamente, ele não corria na corda. Enfim tirei o prussik e desci no rapel normal, usando apenas o freio. A descida foi tranquila e seguimos a trilha até algumas pedras acima, onde esperamos o restante do grupo e ficamos admirando a vista.

Da subida do Garrafão, de um lado se avista um pedaço do caminho da Travessia, um vale lindo e do outro lado se vê a Agulha do diabo, o Cara de Cão, o Dedo de Deus, o Santo Antônio, ao fundo os Três Picos de Friburgo. É uma vista deslumbrante.

Todos desceram, seguimos o caminho até uma fenda onde subimos apenas clipados na corda por segurança, e após esse lance, chegamos ao tão querido Cume do Garrafão.

Que lugar! Que vista! De um lado se via o Açu, o caminho da Travessia, o lado oposto aos Portais de Hércules, com a Coroa do Frade, um vale adornado com pequenos tapetes de nuvens.

Na nossa frente um magnífico tapete de nuvens...

Do outro lado se via o Escalavrado, Dedo de Nossa Senhora, Dedo de Deus, Cabeça de Peixe e outras montanhas que já havia citado.

Amigos queridos, e o guia Thiago Telles.

Chegamos lá cerca de 10h30 e lá ficamos por quase 1h. Assinamos o livro do cume, tiramos muitas fotos, admiramos muito aquele lugar e agradecemos por poder estar alí, e junto de algumas pessoas tão queridas.

Cerca de 11h30 iniciamos os preparativos para a descida. Minha maior emoção da trilha toda. Rsrs! Nesse lance que subimos clipados na corda, havia 2 opções de descida, descer apenas clipado ou de rapel, eu desci de rapel, mas era uma parede um pouco diagonal e no último passo eu pendulei para o meio da pedra e tive alguns momentos de desespero. Rsrs! Fui parar no meio do paredão há uns 3m de altura. Na verdade não foi algo muito assustador pra quem faz isso muitas vezes, mas pra mim foi. Eu travei na parede e não soltava mais o rapel, porque conforme eu soltava parecia que eu pendulava mais. Então o Thiago, muito paciente, desceu e, após alguma insistência pra eu soltar a corda, me desceu. Foi um bom sustinho pra deixar o passeio mais emocionante. Na verdade eu gosto de uns perrenguinhos, acho que a gente aprende muitas lições com eles.

Continuamos a descida do Garrafão. Como o grupo era um pouco grande, todas essas etapas demoravam um tempo. E a próxima etapa seria a mais demorada, agora subir o paredão de 40m em ascensão com nó prussik. A técnica não é tão díficil e, mesmo após o susto do pêndulo, me senti muito segura fazendo, mas é bastante cansativa.

A ascensão com prussik

Fui uma das primeiras a subir, depois subi os 4m da caverninha também da mesma forma. E chegamos a parte da trilha em pedra. Lá ficamos aguardando um bom tempo até todos subirem os 2 lances. Alguns tiveram bastante dificuldade em subir e demoraram muito, então nos adiantamos e, com o consenso do guia, seguimos a trilha de volta ao Sino e depois de volta ao acampamento, sem mais surpresas. Chegamos no acampamento as 16h, desmontamos tudo e descemos a trilha bem rápido do Abrido até a Barragem.

Voltamos para o Rio muito felizes, com mais um cume conquistado e já desejando o próximo.

Josye Villela
Josye Villela

Published on 05/08/2019 15:19

Performed from 05/04/2019 to 05/05/2019

1 Participant

Henrique Protázio

Views

1630

3
Fabio Fliess
Fabio Fliess 05/10/2019 17:42

Que show Josye!!! Parabéns pelo cume e pelas belas imagens.

Josye Villela
Josye Villela 05/12/2019 00:38

Obrigada Fabio! :)

Bruno Negreiros
Bruno Negreiros 05/12/2019 08:30

Ótimo relato com ótimas fotos.