AventureBoxExplore
Create your account
CRER 2018 - Etapa 05

CRER 2018 - Etapa 05

Sábado: São João del Rey a Carrancas Domingo: Carrancas a Cruzilha

Fala Gente Linda!!! A Penúltima etapa do CRER 2018 começou na sexta feira 29 de junho bem cedinho... as 20hs em ponto a Simone abriu o boteco no ponto de encontro ainda em Belo Horizonte. O Povo é organizado e tinha mesa, cadeiras, taças e garrafas de vinho, caixa com cerveja, licor, queijos e petiscos. Assim fica mais fácil esperar que todos cheguem!Às 21:30 a Van do Renato rompeu com destino a São João Del Rei. Nossas viagens na VAN são um espetáculo à parte. Ninguém dorme e a van quase se transforma em uma excursão de crianças... na verdade quase não. Ela se transforma nisso mesmo!!Chegando em SJDR formos dormir no Hostel Del Mondo (44 por pessoa), mas antes encomendamos umas 7 pizzas na Pizzaria Ponte do Rosário que já nos aguardavam. Comemos, dormimos, acordamos e tomamos um café da manhã lá no Hostel antes de sair.

De São João o caminho é em direção a Itutinga pelo asfalto. Na saída da cidade, logo na primeira descida, pega-se uma entrada à direita que não está sinalizada. Nessa entrada começa um trecho de terra que não é uma estrada, é uma trilhazinha que mais à frente se transforma em uma trilha clássica de MTB com barrancos respeitáveis para descer. Depois dos Barrancos há um rio a cruzar e depois desse rio e da lama pega-se a estrada real mais tranquila. Essa parte está muito bem conservada e tinham passado o patrol recentemente. Nesse trecho também há um rio, mas que dá para atravessar pedalando. Se estiver carregado demais, recomendo ir pelo Asfalto até Santo Antônio do Rio das Mortes. Mas que fique bem claro que vai perder um trecho superdivertido!!!Em Rio das Mortes, que tem esse nome sinistro por causa do Rio, o carimbo está no Supermercado RDM.

Carimbos feitos, seguimos na direção de São Sebastião do Vitória. Nesse trecho já é possível avistar o mar de Serras que temos aqui em Minas Gerais. O sol estava forte porque nessa época do ano não há muitas nuvens. O trecho não é difícil e passa sem que você perceba. A Estrada Real vai terminar em um asfalto e nele você chegará em São Sebastião do Vitória indo para a direita. O Carimbo do Crer está na Padaria Ponto Real. Lugar bom de tomar um cafezinho e onde vimos o final do Jogo de despedida da Argentina da Copa do Mundo.De Sebastião do Vitória continue seguindo pelo mesmo asfalto na mesma direção até a Lanchonete Du Rei que estará à sua esquerda. Atravesse a rodovia com cuidado e após a lanchonete inicie mais um trecho de terra pela Estrada Real.Esse pedaço, que também é de médio para leve é espetacular!!! Cenários magníficos e a Serra de Carrancas láaaaaaaaa no fim. Campos de trigo gigantescos formam um visual muito bacana até que você chega em um verdadeiro oásis chamado Caquende.

Situada na beira da represa de Camargos, Caquende tem aquela carinha de vila de pescadores. Bem pequena com árvores enormes na praça em frente a igreja de onde se avista o lago. Muito bacana! Lá o carimbo é no Bar Casa Mineira. O Próximo destino é do outro lado da represa. Então é necessário combinar a travessia com os barqueiros do local. Normalmente há uma balsa que atravessa até carros, mas esse transporte está aguardando o fim da má vontade da Capitania dos Portos em arrumar uma agenda para fazer a vistoria afim de comprovar se as melhorias exigidas foram implementadas.Pegamos as canoas com motor de popa e atravessamos de forma divertidíssima o Lago. E vocês não tem ideia de quanto a Paty gritou de medo no caminho!!!Em Capela do Saco... Capela do Saco?

Sim, o nome é esse mesmo. Antes de ter a represa, havia um rio que passava por ali. Antes de chegar em Caquende você chega por cima de uma serra e de lá podia-se avistar o rio que fazia um contorno em formato de saco. Como lá era o porto, ficou o nome.Em Capela do Saco encontramos o Farley que é ciclista do grupo Lobos de carrancas. Ele ficou conosco durante o almoço na Pousada Reis (21 por pessoa) e pedalamos juntos até Carrancas.

As estradas para Carrancas são leves, com exceção do último trecho. Todas as estradas estão superlisas e limpas do cascalho graças à Rede Globo que como de costume está fazendo filmagens de suas novelas por lá. Trecho muito bem sinalizado, sem problema algum. Para chegar em Carrancas há de se cruzar a Serra. Uma subida de não mais que 4KM, com alguns pontos de forte angulação. Lá de cima não preciso nem dizer o quanto é bonito, sobretudo à noite. De lá de cima é descer até Carrancas. Atenção: Nesse trecho há incontáveis mata-burros na vertical (Na mesma direção dos pneus). Muitos deles são após descidas e curvas. Muuuuito cuidado!!! Em Carrancas fomos recebidos pelo Marcelo (Tio do Farley) na pousada Senna. Uma pousada simples e aconchegante, quase no centro da cidade. Lá a irmã dele preparou um churrasco e montamos o boteco da Simone novamente. O preço da diária foi de 70 reais por pessoa e o churrasco foi 25 sem bebida. A Pousada tem wi-fi e um café da manhã muito bem servido.

Já no domingo saímos da pousada e paramos em uma “venda” para comprar comida e água. O Trecho de Carrancas a Cruzilha não oferece muitos pontos de abastecimento então é bom ir preparado. Saindo de Carrancas, pega-se a estrada real no sentido da cachoeira da Fumaça com destino ao vilarejo de Estação de Carrancas. A estrada é uma delícia com grandes descidas no meio de fazendas de eucaliptos. Na estação de Carrancas (por causa da Estação Ferroviária) o carimbo fica na casa da Dona Zélia. Uma senhora super simpática daquelas que você abraça e ela diz “vai com Deus meu filho!!”. Na estação há alguns bares, uns 2. Bom de abastecer porque o próximo trecho é longo.

Saindo de Estação de carrancas o caminho é novamente a estrada Real sem maiores problemas tanto com o terreno quanto com a sinalização. Enquanto pedalávamos sob o sol, surgiu não mais que de repente um barzinho no meio do nada. Nesse bar havia cerveja, sinuca e coxinha de frango frita. Óbvio que ali ficamos por uma hora. Lá vimos a Rússia mandar a Espanha para casa por uma pequena TV. Continuando aquele famoso sobe e desce pela estrada, o destaque desse caminho é a fazenda Traituba que segundo me disseram é a fazenda construída para a criação de Manga Larga do Imperador, que não estava curtindo viajar léguas e léguas nos cavalinhos normais. A presença de cavalos e gado é forte na região. E por lá aprendi que Manga-Larga e Manga Larga Machador são animais diferentes.

Pedalando pelas fazendas seguimos pela estrada Real até o Asfalto. Nesse ponto entra-se à direita, morro abaixo e depois de 3KM você já estará em Cruzilha. No Hotel Central tomamos o nosso banho (12 por pessoa) e carregamos as bikes na Van do Renato que nos levou a salvo para casa.

Nenhum B.O. de Bike, só pneus furados do Tio Willian (Vários!) B.O. de Gente só a Heidi e eu com gripes e a Paty com o joelho de maratonista.

Nessa etapa tivemos o prazer de encontrar com a turma que esta fazendo a Estrada Real com o nosso amigo Valdinei.

Participaram dessa etapa Tio Willian, Alexandre e Paty, Pedro Bispo e Nayara, Maurício Burro e Cláudia Heidi, Simone, Marcos Guilherme, Geordanini, Serjão, Adriano, Fernanda e Stephan e o tinhoso do Túlio.

A próxima etapa vai acontecer no feriado de sete de setembro e vai ser a última. Lá vai ter a emoção de chegar em Aparecida após percorrer quase 800km...

Alexandre Silvano
Alexandre Silvano

Published on 08/02/2018 17:40

Performed from 06/30/2018 to 07/01/2018

Views

2103