AventureBoxExplore
Create your account
Chapada Diamantina - Vale do Pati

Chapada Diamantina - Vale do Pati

Trekking clássico na Chapada Diamantina - Bahia!

Trekking

Chegando na Vila do Capão

Saímos de São Paulo de avião até Salvador, passamos uma noite na cidade e no dia seguinte às 7h da manhã partimos de ônibus pela Real Expresso até a cidade de Palmeiras.

Antes de chegar em Palmeiras, o ônibus passa por Lençóis, cidade central para quem quer conhecer os encantos da Chapada.

Chegamos em Palmeiras às 15h e já pelo caminho pegamos a maior chuva. Lá encontramos o Sr. Gilson que nos ofereceu transporte até a Vila do Capão por R$70,00 o carro fechado. Haviam três pessoas interessadas no transporte, então dividimos entre nós o valor.

O trajeto até o Capão é de 20km, mas pareceu uma eternidade, pois a estrada estava cheia de lama e buracos.

Já no Capão nos hospedamos na Pousada Vila Esperança, que na época custava R$150 a diária do casal. Foi uma hospedagem muito especial, aconchegante, café da manhã maravilhoso e muita simpatia do dono Celso e equipe. A Vila do Capão é um lugar muito agradável, voltado ao turismo. Jantamos numa pizzaria vegetaria bastante famosa dali e pagamos R$30 numa pizza média deliciosa!

Cachoeira da Fumaça por cima

Saímos às 11h para conhecer a famosa cachoeira, cuja trilha se inicia na estradinha que chega ao Capão, acessível a pé.

A trilha que sobe até a altitude de 1350m é bastante tranquila e devido ao grande fluxo de turistas, quase há uma "escada" natural no solo. A partir do momento em que chegamos ao topo do morro e a trilha tornou-se plana, as consequências dos dias chuvosos apareceram: trechos bastante encharcados e locais com poças de água enormes. Segue-se reto por uma trilha bem marcada até que se chega num rio cuja água vai formar a tal Cachoeira da Fumaça. O rio estava bastante cheio. Foi um pouco assustador atravessá-lo. Depois disso, têm-se uma visão incrível da queda d'água, num vale imenso, com muitos pássaros... realmente incrível.

Na volta, almoçamos um pratão de carne de sol no Restaurante da Dona Dalva e começamos a ir atrás de alguém que nos levasse até o início da trilha do Vale do Pati no dia seguinte, até o local conhecido por "Bomba". Fato é que ninguém queria nos levar, pois com a chuva incessante que fazia, os motoristas não queriam arriscar atolar o carro no caminho.

Tentativa de Travessia

Inicialmente nosso planejamento contava com 5 dias de andanças pelo Vale do Pati. No entanto, com as chuvas cada vez mais fortes, todo nosso esquema foi literalmente por água abaixo.

Essa travessia inicia-se no povoado do Bomba, onde há um rio, e segue até a cidade de Andaraí. Acontece que por dois dias tentamos atravessar o rio do Bomba e não conseguíamos, devido ao volume de água. O que fez com que mudássemos completamente os planos.

Contatamos o motorista Hena [(75) 3344-1059] para nos levar até a cidade de Guiné e então partiríamos para o Pati dessa outra cidade. Ele nos cobrou R$180 pelo trajeto, que levou cerca de 3h, devido à condição péssima da estrada. Em Guiné nos hospedamos na Pousada Guiné e lá ficamos pos mais dois dias, com uma chuva torrencial rolando e sem nenhuma expectativa de que ela fosse parar.

Guiné - Casa da Dona Léia (Morro do Castelo e Cachoeirão)

Finalmente criamos coragem começamos a caminhar, depois de muitos dias de preguiça esperando a chuva forte passar. Logo pela manhã fomos a pé até o chamado Morro do Beco, subimos todo ele e encontramos no caminho duas senhoras: a Dona Léia e sua mãe, Dona Noêmia, ambas moradoras do Pati. Conversamos um pouco e acabamos fazendo todo o caminho junto com elas. Inicialmente não nos hospedaríamos na casa dela, mas devido à companhia, achamos que seria adequado ficar por lá. E foi o que fizemos.

A Dona Leia nos cobrou R$25/pessoa/dia pela acomodação e R$30/pessoa/dia para tomarmos café e jantarmos. Depois de chegarmos (13h) e nos acomodarmos, passamos o resto do dia conversando com ela sobre as histórias locais e as dificuldades e belezas de viver ali na região.

No dia seguinte, partimos para conhecer o Cachoeirão. Não tivemos dificuldade com o trajeto e estávamos apenas com um desses mapas que se vendem pelas ruas. Compramos o nosso da Pousada Pé no Mato, lá no Capão. O lugar é belíssimo e realmente vale a visita.

No terceiro dia de caminhada resolvemos subir o Morro do Castelo, que fica aos pés da casa da Dona Leia. A subida foi um pouco chatinha, muitas pedras soltas. Chegando lá encontramos o tal túnel que passa por dentro do morro e sai do outro lado, que dá vista pra um vale incrível.


Na volta do Morro do Castelo senti muita dor no joelho. Muita mesmo. Tanto que alteramos novamente o plano inicial que era finalizar a travessia em Andaraí e resolvemos voltar para Guiné, que era a cidade mais próxima de onde estávamos.

Novamente em Guiné, pedimos ao dono da Pousada Guiné, o Eduardo, que nos levasse a Lençóis (R$200,00). Em Lençóis nos hospedamos num chalé no Camping Lumiar (R$225/diária casal)

Passamos alguns dias em Lençóis, onde há diversos atrativos naturais para conhecer e aproveitar, além da cidade ter uma infra estrutura turística sensacional, com restaurantes deliciosos (vale notar o "Quilombo", onde comi o melhor escondidinho de carne seca da minha vida). Nesses dias conhecemos ali próximo (a pé), as piscinas do Serrano, as tais areias coloridas, a Cachoeirinha, a Cachoeira Primavera e depois um Mirante.

Para os passeios mais afastados da cidade, contratamos o guia Deyclon (Nêgo) na Associação de condutores (75) 99984-1140. Com ele conhecemos o Rio Mucugezinho, o Poço do Diabo, o Morro do Pai Inácio, Gruta da Torrinha.

Realmente foi uma viagem em que, apesar de todo o planejado ter dado errado, ainda saímos no lucro, pois os lugares eram incríveis. A chuva forte durante praticamente todos os dias nos prejudicou bastante e fez com que nem os destinos mais turísticos de Lençóis pudessem ser feitos (Gruta azul, Pratinha) devido à lama.

O que é uma razão mais do que suficiente para voltar lá!

:D

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro

Published on 04/26/2016 18:05

Performed from 12/18/2013 to 12/31/2013

Views

5100

12
Bruno Simoni
Bruno Simoni 05/07/2016 22:22

Moro em Salvador...

Carlos Araújo
Carlos Araújo 05/08/2016 12:03

Agora é só acertar as datas.... só tenho fds e feriados livres... e as férias, rsssss.... Quero voltar :)

Bruno Simoni
Bruno Simoni 05/17/2016 15:26

Olha tô indo domingo com duas amigas, retornando na quarta.... mas tô na área.....

Bruno Simoni
Bruno Simoni 05/17/2016 15:27

Ah, não sei se vcs já viram mas tenho um grupo no face chamado Compartilhando a Chapada....

Rodrigo Bueno Alves
Rodrigo Bueno Alves 10/19/2016 22:29

Está nos meus planos esse local ! 😉✌️️🚴🏻

Ederson
Ederson 10/25/2016 13:54

A Chapada Diamantina é linda. Já fiz esse Trekking em 2015, 3 dias e meio. Partimos de Guiné e chegamos em Andaraí. Planejamento pra voltar.

Mochileiro Frois
Mochileiro Frois 08/03/2018 23:00

vamos de novo meu povo ?

Mochileiro Frois
Mochileiro Frois 08/03/2018 23:08

Voce fez em quantos dias ? obrigado por disponibilizar a trilha.

Bruna Fávaro

Bruna Fávaro

São Paulo

Rox
2567

Montanhista, ciclo-mochila-viajante, professora e de bem com a vida!

Adventures Map
facebook.com/bruna.favarosilvio

1 Posts


3662 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Bruna Fávaro, Bruno Negreiros and 385 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Peter Tofte, Fabio Fliess and 140 others support the Together page.