AventureBoxExplore
Create your account
El Chaltén - Los Glaciares

El Chaltén - Los Glaciares

Em busca de amanheceres por 3 dias no Parque Nacional Los Glaciares, na Patagônia Argentina.

Trekking Mountaineering

Como parte de uma viagem de trinta dias pelo sul da patagônia chilena e argentina com meu amigo André, nos enveredamos a conhecer os famosos maciços pontiagudos da cidade de El Chaltén, clássico destino patagônico, conhecida como “a capital argentina do trekking”.

27/12/15:

Para chegarmos na cidade, tivemos que nos deslocar de avião desde Ushuaia até El Calafate (aerolíneas argentinas) e de lá tomar uma van que sai do próprio aeroporto até El Chaltén. Parte desse percurso é feito pela famosa Ruta 40, o que reforça o ar grandioso dos conjuntos de cerros que começamos a avistar ainda antes de chegarmos à cidade.

Ao nos aproximarmos da cidade em si, sentia como se estivesse entrando num portal, como se aquela realidade fosse desvinculada do planeta terra e representasse cenários que eu confiro às andanças mais surreais que minha cabeça às vezes se permite imaginar.

Não estou exagerando. Chegamos já no fim do dia e o sol se punha. Estávamos dentro da van, então não consegui tirar boas fotos. Peguei uma cujo crédito da imagem não pude recuperar:

Ruta 23 em direção a El Chaltén.

27/12/15:

Na manhã seguinte, precisávamos tirar um dia para resolvermos mil e uma pendências. Desde pagar contas que continuavam vencendo e nos lembrando que a vida no Brasil seguia, até reservarmos hotéis e passagens rodoviárias dos próximos destinos e nos abastecermos no mercadinho da cidade para os próximos três dias de trilha. Almoçamos num simples e honesto restaurante onde conhecemos uma grande figura, a D. Maria José, que nesse momento ainda era apenas a garçonete do lugar.

28/12/15:

Dia de partir para a caminhada é sempre um bom dia, que começa cedo, com a mochila pesada e os olhos cheios de expectativas, ainda mais os meus que nunca haviam estado por ali.

A trilha em si começa ainda dentro dos limites da cidade e basta seguir as orientações de placas e informativos locais para encontrar seu início. Escolhemos como destino final do dia o Campamento De Agostini, de onde é possível avistar o imponente Cerro Torre.

As trilhas do Parque Nacional Los Glaciares são quase sempre de curta duração, e se você estiver animado e sem peso é possível percorrê-las todas no mesmo dia. Como estávamos em busca dos famosos amanheceres de seus cerros, nos organizamos para estar por lá durante três dias.

Os caminhantes que frequentam o parque são em sua grande parte europeus e compostos por pessoas de uma ampla faixa etária, indicando não só a tradição do montanhismo vinda desse continente como também que as montanhas podem ser para todos, basta querer. ;)

Esse primeiro trecho é o mais frequentado e durante praticamente todo o caminho seguimos as margens do leitoso Rio FitzRoy tendo como plano de fundo o Cerro Torre. O dia estava nublado então praticamente não pudemos avistá-lo, mesmo ao chegarmos no destino final, 3 horas depois de iniciarmos a caminhada.

Quase na metade do caminho encontramos a bifurcação que leva ao Campamento Poincenoit. No dia seguinte esse seria o caminho a tomar.

29/12/15

Como amanhece cedo, lá estávamos nós às 5h da manhã em um pequeno mirante a 5 minutos do camping prontos para apreciarmos a tal “rocha de fogo”. Com o azar de mais um dia nublado, acabamos é ficando apenas com o frio de tremer o queixo daquela hora da manhã.

Com o rabinho entre as pernas e tudo o que mais coubesse dentro dos bolsos devido ao frio, voltamos para o camping e para dentro do saco de dormir, onde um resto de sono nos esperava.

Nesse dia, que amanheceu nublado mas tornou-se lindo, voltamos àquela bifurcação e a tomamos rumo ao próximo camping. Dali, caminha-se um trecho silencioso dentro de um bosque que parece ter saído de um conto de fadas, para em seguida tomarmos o Sendero Madre y Hija, que são os nomes de duas lagoas lindíssimas, de um verde estonteante, que encontramos no caminho.

Paisagem cênica. Acho que é assim que defino esse trecho da caminhada. Um lugar com horizonte amplo, cerros enormes que despontam a cada curva e cores que se misturam num quadro perfeito, composto por nada menos do que o icônico Fitz Roy.

30/12/2015

Assistir ao amanhecer nas bases do FitzRoy, na chamada Laguna de Los Tres, não foi tão fácil quanto o dia anterior. Do camping à Laguna são cerca de 2,60Km percorridos numa ascensão de quase 500 metros. Isso às 4 horas da manhã, num frio de fazer chorar a nós brasileiros tropicais.

Cerca de 1h30 depois, lá estávamos nós presenciando um espetáculo sem igual da natureza: a cada raio de sol, o granito até então opaco das paredes do Fitz Roy ia ganhando coloração, até quase querer explodir diante de nossos olhos silenciosamente extasiados.

Presenciar momentos assim é sentir como se algo nos realinhasse com a vida, nos conectasse com o inexplicavelmente belo do mundo, nos parametrizasse como indivíduo. Parece exagerado, mas é o que sinto, de verdade.

Depois de tanta sensação diante desse espetáculo não houve dúvidas: voltaríamos ao primeiro acampamento – De Agostini – para uma nova busca pelo amanhecer do Cerro Torre.

Então, sem pressa, seguimos de volta para lá em uma caminhada de cerca de 3 horas.

31/12/2015

Acordamos e fomos buscar aquele que foi o último amanhecer de 2015, e com certeza, um dos mais lindos amanheceres que tive o privilégio de viver na minha vida. E o Cerro Torre estava lá, majestoso e inteiro, imponente como todas as suas histórias:

Aproveitamos o período da manhã desfrutando os momentos entre um café e outro no camping e perto da hora do almoço, já com as mochilas leves, voltamos para a cidade de El Chaltén.

Nesse dia tínhamos duas fortes razões para comemorarmos: a experiência incrível dos últimos dias de trekking e, como não poderia deixar de ser, o Ano Novo!

Tentamos encontrar um restaurante bacana para jantarmos e tudo estava fechado ou esgotado, de modo que fechamos 2015 e abrimos 2016 no restaurante de nossa colega Maria José, onde comemos um gordurosíssimo Cordeiro Patagônico e com quem bebemos uns tantos vinhos argentinos escutando a história singular de sua chegada à cidade, da solidão de viver longe da família e da confusão de seu relacionamento com o cozinheiro – seu amigo com derechos , rsrs. E foi um ano novo especial, com meu amigo André e nossa colega Maria José, ambas pessoas que nas minhas lembranças da viagem brilham sempre enormes como o Cerro Torre.

Observações:

Os campings possuem áerea razoavelmente plana para as barracas, um fosso coberto e fechado para o banheiro e ambos estão localizados ao lado de correntes de água (aparentemente) potável.

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro

Published on 04/03/2016 22:35

Performed from 12/27/2015 to 12/31/2015

Views

2820

7
Jorge Afonso
Jorge Afonso 04/13/2016 16:44

Lindo lugar, este é um dos meus projetos rs.

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro 04/23/2016 20:14

Oi, Laura! Essas que estão aqui são minhas mesmo... mas ele tirou muitas fotos lindíssimas de lá. ;)

Fabio Fliess
Fabio Fliess 05/04/2016 13:33

Muito, muito bom Bruna!! Não vejo a hora de colocar os pés nesse lugar incrível... :)

Thiago de Mello
Thiago de Mello 05/04/2016 15:14

Lindas fotos, ótima trip!

Movexperience Ecoturismo
Movexperience Ecoturismo 09/21/2016 15:35

Lindas fotos, linda viagem!

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro 10/11/2016 14:04

Fabio, é imperdível, sério!

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro 10/11/2016 14:04

Thiago e Carlos, obrigada!! :D

Bruna Fávaro

Bruna Fávaro

São Paulo

Rox
2689

Montanhista, ciclo-mochila-viajante, professora e de bem com a vida!

Adventures Map
facebook.com/bruna.favarosilvio

1 Posts


3906 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Renan Cavichi, Bruno Negreiros and 405 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Bruna Fávaro, Renan Cavichi and 156 others support the Together page.