AventureBoxExplore
Create your account
Rio Araguaia e Ilha do Bananal

Rio Araguaia e Ilha do Bananal

Três dias pela região do rio Araguaia - Tocantins, Parque Estadual do Cantão e Ilha do Bananal

Hiking Navigating

Rio Araguaia. Foi em uma aula de Geografia no colégio que pela primeira vez esse nome deixou de ser apenas o rio que separa Tocantins do estado do Pará e ganhou para mim também uma história. E foi nos meandros da resistência da Guerrilha do Araguaia que eu naveguei por toda juventude, seduzida pelos seus mistérios e tomando-a como símbolo de um outro Brasil que poderia ter sido possível. Assim, não era pouca a emoção quando pisei em suas águas pela primeira vez, em julho desse ano.

A experiência toda foi organizada pelo Leonardo, da agência CCTRekking, que opera na região há muitos anos e que desenvolve um trabalho tão apaixonante, capaz de amolecer os corações mais endurecidos que por ali chegar. Saímos de Palmas em direção a Caseara, onde tomamos um barco e seguimos a norte até um acampamento muito bem estruturado montado dentro da mata, às margens do rio Araguaia - que fica bastante baixo nessa época do ano, formando praias belíssimas em toda sua extensão.

Lá, fomos recebidos com arroz, feijão tropeiro, tucunaré e mousse de açaí, feito por uma equipe que esbanjava dotes culinários e também muita simpatia. Barriga cheia, saímos para uma volta de barco, quando pudemos avistar inúmeros biguás, garças de diversas espécies, os coloridos jacu-ciganos e colhereiros. A agência opta por não atrair os animais silvestres por meio de uma alimentação forçada, o que faz a experiência ser sempre uma grande surpresa. Agradável surpresa.

Ao fim da tarde, paramos em uma praia já no estado do Pará, onde o sol dourado iluminava o Seu Manoel, pescador da região, que nos divertiu com suas histórias mirabolantes sobre as piranhas que habitam o rio. Quando a meia-lua começou a aparecer, voltamos ao acampamento e finalizamos o dia com aquela conversa sem fim aos pés de uma fogueira.

Os dias de uma boa viagem são aqueles que começam cedo. E antes do sol nascer estávamos Sara e eu caminhando pelas margens do rio em busca do nascer não do sol, mas dos pássaros, que acordam com aquela típica alegria estridente e também inspiradora.

Nascido o dia, partimos para mais uma volta de barco na região, dessa vez a sul, tomando o caminho do Rio do Coco até a unidade de conservação criada em 1998 chamada Parque Estadual do Cantão, também conhecida como berçário do Araguaia, uma vez que mantém em seu interior inúmeros lagos que servem para reprodução e engorda de diversas espécies de peixes amazônicos. Aliás, vale a pena comentar que a região do Cantão é de uma biodiversidade única. Trata-se de um encontro de dois grandes ecossistemas brasileiros: o cerrado e a amazônico. Por essa razão, encontramos características de ambos em um mesmo lugar. Lá é possível observar mais de 50 espécies de mamíferos, principalmente a ariranha; mais de 400 espécies de aves; sem contar os répteis e os peixes.

No parque, que também serviu de cenário para a gravação do filme brasileiro “Xingu”, fizemos algumas trilhas de observação na companhia agradável novamente do barqueiro Seu Manoel. Mestre raizeiro e dono de um sotaque gostoso de ouvir, nos contou sobre os chás de cagaita, da abortiva folha de “mata-menino”, da estranha “folha de carne”, da caraíba e de um universo de tantos outros saberes - da mata, do rio e da vida – e que me fizeram pensar no quão poderosa é essa gente Brasil afora.

Na parte da tarde, partimos de carro em direção à cidade de Lagoa das Confusões, onde passamos a noite ao som de um animadíssimo forró. No dia seguinte, nosso destino era a maior ilha fluvial do mundo, a Ilha do Bananal. No caminho passamos por uma plantação de soja pertencente à Fazenda Diamante. Cenário triste e tão simbólico de nosso país, a gigantesca fazenda acaba por abrigar em seu interior uma diversidade absurda de animais, de tuiuiús e carcarás a veados do cerrado e emas, de jacarés-açus a gaviões.

Já às margens do Rio Javaé, atravessamos de barco e caminhamos para o interior da Ilha do Bananal. A região abriga muitos grupos indígenas, principalmente das etnias Karajá-Javaé, Avá-Canoeiro e Tapirapé. Alguns, aliás, que se recusam a estabelecer contanto inclusive com outros grupos étnicos da região. Fomos visitar uma das mais acessíveis, a aldeia javaé Boto Velho, onde vivem cerca de 30 famílias.

E mesmo sem dominar a língua Inãm, houve troca, houve alegria e muitas brincadeiras com as pequenas netas da Dona Belina. Porque mesmo sem língua, a vida pulsa em conjunto, numa batida que é a da irmandade.

Com o coração que cabia o mundo inteiro e a saudade que já se anunciava, voltamos para Palmas.

A região é belíssima! Trata-se de um tipo de viagem que pode ser feita por pessoas de todas as idades, inclusive crianças. O Leonardo faz tudo com tanta paixão pelo lugar que chega a transbordar e não há quem possa se abster de sentir tudo aquilo com ele. As caminhadas são tranquilas e a agência monta uma estrutura de cair o queixo.

Fiquei com muita vontade de voltar, especialmente em outra época do ano para poder ver também a cheia do Rio Araguaia. E se para mim por tanto tempo esse nome foi carregado por uma história de luta, hoje só consigo pensar em paz. E pensar na vontade de voltar para lá junto de todas as pessoas que eu amo e que têm o coração do lado certo do peito.

Contatos da CCTreking

Leonardo Azevedo

(63) 8405.5011 ou (63) 3379.1016

http://www.cctrekking.com.br/

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro

Published on 09/04/2016 15:53

Performed from 07/12/2016 to 07/14/2016

1 Participant

Sara Kang

Views

7664

3
Vera Balata
Vera Balata 09/20/2016 10:25

Bruna todos os teus relatos são claros e apaixonantes. Este em particular, fiquei emocionada e sentir as lágrimas rolarem. Muito bacana, Parabéns. Amo td isso. Um grande abç!

Luiz Carlos G Lira
Luiz Carlos G Lira 09/23/2016 08:17

Parabéns, realmente conseguiu descrever com clareza a experiência e me fez querer ir conhecer e viver essa história. Obrigado

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro 10/01/2016 15:44

Vera, Luiz, muitíssimo obrigada! Fico lisonjeada com o carinho que tiveram na recepção do texto. Obrigada mesmo. <3

Bruna Fávaro

Bruna Fávaro

São Paulo

Rox
2682

Montanhista, ciclo-mochila-viajante, professora e de bem com a vida!

Adventures Map
facebook.com/bruna.favarosilvio

1 Posts


3902 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Bruno Negreiros, Renan Cavichi and 405 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Bruna Fávaro, Fabio Fliess and 156 others support the Together page.