AventureBoxExplore
Create your account
Pico do Santo Agostinho - Alagoa MG

Pico do Santo Agostinho - Alagoa MG

Uma das trilhas mais bonitas que já fiz!

Camping Trekking Mountaineering

Conhecida também como Pico do Garrafão, essa trilha fica situada na tríplice entre os municípios de Baependi, Itamonte e Alagoa, dentro do Parque Estadual Serra do Papagaio.

Combinamos esse passeio com um pessoal que eu e a Tamiris conhecemos no Pico da Onça. A Cecília e o Alex que são um casal e o Fábio, todos gente boa demais!

Foi a primeira vez que conhecemos gente na trilha e conseguimos de fato marcar outra trilha pra fazer todos juntos, inédito haha. Porém, infelizmente o Fábio nos avisou que não poderia ir dessa vez. Então seria eu, Tamiris, Cecília e o Alex.

Na logistíca ficou decidido que dividiríamos a comida e que iríamos no carro deles. Desse modo considerando o tempo de viagem eles sairam cedinho de São Paulo, 04:40h, e como Caçapava é caminho ás 6h eles chegaram no apartamento para buscar a gente.

Abastecemos e pegamos a Dutra sentido Rio. Por volta das nove horas paramos no Bar do Miguelzinho, bem na divisa de RJ/MG, para tomar um café. E recomendo fortemente a parada lá, muito bacana o lugar. O café é cortesia da casa, tem várias opções de comida doce e salgada e uma boa variedade de produtos também. Tudo muito simpático.

Seguimos e depois de passar por Itamonte há uma parte do trajeto que é estrada de chão, bastante esburacada, mas da pra passar com o carro sem ser 4x4.

Estavámos de boa, conversando, rindo, a paisagem linda... eis que pergunto se podia abrir a janela para tirar foto e por fração de segundos que o Alex foi ver a vista também o carro acabou caindo numa pequena vala hahaha tava muito calmo, tinha que ter mais emoção né?

Acho legal que em momento nenhum ficamos nervosos, estavámos é rindo o tempo todo da situação. Descemos e tiramos todas as mochilas pra tentar diminuir o peso, também começamos a tirar um pouco da terra/pedrinhas que estava embaixo do carro e tentamos colocar alguma coisa nas rodas pra dar tração. Depois disso a Cecília ficou no volante tentando sair com o carro e nós três empurrando lá trás. E não é que deu certo hahaha! Ainda bem porque não ia ter ninguém pra ajudar, dificilmente passaria outro carro ali eu acho.

Prosseguimos e uns cinco minutos depois tinhamos chegado no ponto onde deixaríamos o carro. O Alex tinha dito que ouviu dizer que antes podia chegar mais perto do começo da trilha com o carro, mas por conta de bagunça de alguns agora tem que deixar o carro bem antes num "estacionamento" antes da porteira. Ajeitamos as mochilas e seguimos a pé na estrada de chão, até passar por duas porteiras para então iniciar a trilha.

Quando começamos não tínhamos ideia que a grande formação rochosa que estávamos vendo seria nosso destino. Era 11:46h mais ou menos, estávamos sem pressa, seria 3,69km aparentemente.

A subidinha vem logo de cara, é constante, o desnível é bem considerável. O caminho é exposto ao sol, com poucos trechos de sombra. Você vai trilhando o caminho com um panorama natural, a paisagem é incrivelmente linda, fiquei apaixonada pelo lugar.

Tivemos nossa primeira parada pra descansar em uma birfucação, onde tem uma placa que eu acho que seria do parque, mas que estava toda apagada. Tiramos um tempinho ali, mas logo pegamos a direita e seguimos.

Só fomos percerber qual seria nosso destino final quando num trecho de campo aberto já um pouco próximo da formoção rochosa avistamos uma pessoa lá no topo. Desacreditamos, nem parecia que era possível estar lá na ponta da pedra sem no minímo escalar. Não precisava escalar, mas é um subidão... haha

O pico fica a 2.359m de altitude.

Logo você encontra uma placa avisando que o ponto de acampamento está a 500m, entramos num pequeno trecho de mata fechada e depois saímos no ponto de acampamento. É uma área plana, mas não seria ali e sim mais pra frente num pequeno bosque que iríamos acampar.

Chegamos lá era cerca de três horas e pouquinho. A vista na pedra é uma das mais bonitas que eu já vi, com certeza. Da pra ver a Serra Fina, Itatiaia, Pico do Papagaio... fora outras que não sei os nomes.

Ajeitamos nossas coisas tranquilamente, armamos as barracas com tempo de sobra ainda pra fazer um almoço antes do sol se pôr. Fizemos um miojo rapidamente e depois só esperamos o sol descer. Mais um pôr do sol na montanha, não me canso nunca disso. Cada um é uma experiência diferente.

Anoiteceu e o céu ligeiramente ficou todo estrelado. E esfriou também, bastante. Alex montou seu tripé para tirar boas fotos e eu peguei umas dicas com ele porque quero fazer fotos de astrografia em breve. Ah, esqueci de mecionar que chegou um pessoal ao entardecer, três caras super experientes que estavam lá com a gente vendo aquela lindeza de céu. Deitamos um pouco na pedra pra comtemplar o céu... vimos alguns satélites passando e estrelas cadentes. Ahh a imensão de tudo... tava lindo demais!

(foto feita pelo Alex)

Logo depois entramos pra barraca para nos enquentarmos um pouco, meus pés estavam congelando, isso que eu tava com três meias. Por sorte a Cecília e o Alex compraram um 'esquenta corpo' e eu e a Tamiris usamos nos pés, só assim esquentou.

Saímos da barraca depois só pra fazer a janta e tirarmos mais algumas fotos. E fomos dormir.

Acordei 6:20h, logo já acordei a Tamiris pra sairmos da barraca, vimos que os dois estavam acordados também então fomos subir no platô na ponta da pedra pra ver o sol nascer. E ele veio esquentando a gente e iluminando as outras montanhas. A hora que o sol apontou na pedra atrás do bosque de onde estavamos descemos para fazer nosso café da manhã. Queriamos o sol pra continuar quentinhas, pois na sombra ainda estava gelado.

Tomamos café tranquilas, Alex e a Cecília tomaram também depois de ter ido buscar aguá. Uma coisa que esqueci de falar é que tem um ponto de água potável há uns 10min do bosque, se eu não me engano. Eu não fui lá, mas parece ser tranquilo pra chegar. Apesar de saber sobre esse ponto não sabíamos se realmente ia ter água pela época que estamos, mas tinha sim.

Passamos um tempo lá só curtindo o lugar. Apesar de nós termos nos vistos apenas uma vez a gente estava bem entrosados. Os dois são pessoas muito de boa, nos divertimos bastante com eles.

Começamos a desmontar o acampamento, e prontos iniciamos a descida.

Descemos tranquilos, paramos algumas vezes pra beber água, tirar foto. Só a última descida que achei um pouquinho tensa, com medo de escorregar. Por conta da terra, algumas pedrinhas soltas e pelo desnível também. Apesar disso logo chegamos de volta a estrada de terra rumo ao carro.

Alcançando o carro jogamos as mochilas no chão e pegamos as coisas dentro dele para preparar uma macarronada, estavámos famintos. Tínhamos deixado essa parte da comida no carro no intuito de comer quando voltássemos mesmo, para não carregar esse peso a mais.

Partimos logo após comermos e de termos jeitado tudo no porta malas.

Cecília e o Alex nos deixaram no apartamento de volta, nos despedimos e eles continuaram pegando estrada até São Paulo.

Camila Moura
Camila Moura

Published on 08/12/2021 12:37

Performed from 07/31/2021 to 08/01/2021

Views

79

9
Camila Moura
Camila Moura 08/12/2021 13:57

Obrigada, Marcelo!!

Wilder Gomes
Wilder Gomes 08/12/2021 14:38

Essa é uma trilha que está em minha lista. Parabéns pelo relato!

Camila Moura
Camila Moura 08/12/2021 15:37

Obrigada, Wilder! É uma trilha que vale a pena.

Bruno Inácio
Bruno Inácio 08/14/2021 08:36

irada, parabéns

Renan Cabral
Renan Cabral 08/15/2021 08:01

Visual irado!!! Fotos lindas!

Camila Moura
Camila Moura 08/15/2021 11:00

Obrigadaa!

Danielle Hepner
Danielle Hepner 08/18/2021 11:57

Que aventura hein, Camila! Realmente o Santo Agostinho é lindo e a trilha é maravilhosa! Fotos incríveis! Parabéns pelo relato! Em tempo, AMO o Bar do Miguelzinho! Como eu morava ali perto, tava sempre pelas bandas comendo pastel; pessoal ali é gente boa demais!

Camila Moura
Camila Moura 08/19/2021 17:47

Obrigadaa, Danielle! Confesso que nem estava esperando tudo isso dessa viagem, mas me surpreendeu muito de uma forma boa. E que legal que você já conhece o Bar, pelo que pude ver são pessoas bem gente boa mesmo.

Camila Moura

Camila Moura

Caçapava - SP

Rox
583

Sonhadora, apaixonada pela natureza e montanhas. 24y @caamilamouraa

Adventures Map
www.instagram.com/caamilamouraa/

1 Posts


97 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Renan Cavichi, Bruna Fávaro and 405 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Bruna Fávaro, Bruno Negreiros and 156 others support the Together page.