AventureBoxExplore
Create your account
Baunilha aventureiro no Morro das Andorinhas

Baunilha aventureiro no Morro das Andorinhas

Mirante belíssimo entre o bairro de Itacoatiara e o distrito de Itaipu, na região oceânica de Niterói - RJ

Trail Running

Relato:

Baunilha é o meu viralatinha que hoje tem sete meses. O adotei num impulso, durante a pandemia, e não me arrependo. Ele é cheio de energia, mas fofo e carinhoso toda vida... Preenche os meus dias... Mãe babona, sabe como é rs

Durante as minhas férias em julho, Baunilhinha com 4 meses na época, depois de bastante tempo isolada, resolvi que iria para a casa da minha mãe. Porém, com o medo da pandemia, decidi que iria fazer quarentena em algum local antes de ir pra casa. Minha grande amiga Cid ofereceu estadia para nós em sua casa no distrito de Itaipu, na região oceânica de Niterói, no estado do Rio de Janeiro. Passamos uma semana em sua casa colocando o papo em dia e matando as saudades acumuladas em um ano que não nos víamos.

Depois de alguns dias de chuva forte e tempo bem feio, a sexta amanheceu com um lindo Sol. Acordei cedinho e fui olhar o mar. Há tempos que não o fazia; precisei ir viver nas montanhas para entender o tamanho da minha conexão com o oceano. Enquanto esperava a Cid terminar seu treino de corrida, peguei meu ukulele e fui junto ao meu cãopanheiro apreciar a beleza da vista da praia de Itaipu. Brisa leve, calor, marzão... Comecei a ensaiar alguns acordes e enquanto isso meu cachorrinho estava deitado na canga ao meu lado, fingindo costume. A primeira música saiu. Ele levantou a cabeça com uma das orelhas em pé, deu uma bela bocejada e deitou de novo.

Cid terminou o treino e nos vimos aos pés do Morro das Andorinhas, animamos subir. Conversamos com dois guardas que faziam a patrulha da praia, nos informamos sobre todas as restrições e, calçados os chinelos, fomos.

Subimos pela rua que dá acesso à trilha e fomos caminhando tranquilas, conversando, rindo... O caminho começa em mata mais fechada, mas como em uma estrada de terra batida em ascensão. Andamos por 5/10 min até encontrar uma porteira que dá acesso à trilha. Ali ela segue mais estreita e ainda em mata mais fechada. Em poucos minutos chegamos a um desvio à esquerda: um mirante que tem vista para a praia de Itacoatiara, Costão e o Alto Mourão (Elefante).

Voltando à trilha inicial, que agora segue plana, mais 2 minutos e do lado direito há acesso a outro mirante, dessa vez com vista para a praia e a lagoa de Itaipu.

Essa trilha é cheia de acessos à mirantes com vistas maravilhosas!

No caminho original, quando chegamos num platô mais amplo, esse com vista tanto pra Itacoatiara quanto pra Itaipu, seguindo em frente há um caminho bem mais fechado por dentro da mata, que leva ao acesso mesmo ao Morro das Andorinhas. A partir dali aconselho fortemente o uso de tênis por se tratar de mata mais fechada e um terreno úmido e bastante enlameado.

Nesse ponto, seguimos inicialmente com uma leve subida e depois praticamente só descida. Vale dizer que é escorregadio e íngreme. Em cerca de 20/25 min num ritmo bem leve a trilha termina e chegamos ao platô final, que desemboca no oceano com uma vista daquelas: absurda de linda!

De frente pro oceano, encontrei uma sombra e deitei pra escutar o barulho da água salgada batendo nas pedras, sentir a brisa fresquinha... Deixar o pensamento vazio e simplesmente agradecer por, em meio a tanto caos, ainda ter saúde, ainda estar viva!

Depois peguei meu ukulele e o celular busquei uma cifras e tentei tocar mais. Ali estávamos apenas nós duas, meu cachorrinho e o mundão aberto e receptivo. A vista pro Rio a partir de Niterói é realmente algo arrebatador!

A gente rodou todo o platô, deitamos pra relaxar, conversamos... Baunilhinha arrumou uma sombra ao meu lado, se aninhou e foi descansar também. Dado o avançado da hora, como não levamos comida, nos adiantamos em retornar e, finalmente, almoçar.

Baunilha admirando a vista do Morro das Andorinhas

A trilha de volta foi feita pelo mesmo caminho, e terminamos tudo em aproximadamente 25 minutos.

Considerações:

Esse caminho é lindo, cheio de mirantes com vistas incríveis, sendo muito percorrido pra quem quer fazer treino de corrida, muito utilizado por inúmeros maratonistas e ultramaratonistas. Devido às restrições da pandemia fizemos todo o percurso sozinhas, de máscara e com todas as precauções; além disso não encontramos com ninguém no caminho.

Ah, vale dizer que recolhi apenas algumas poucas coisas como pedaços de embalagem de biscoito, copo descartável... Talvez por ser pandemia e a trilha não estar movimentada não tivesse tanto lixo; de repente as pessoas que estão frequentando têm mais consciência ambiental... Não sei. Mas realmente a trilha estava bem limpa.

Apesar de ter levado meu cachorrinho, também levei sacolinhas para o caso dele fazer alguma necessidade, o que não aconteceu. Ele apenas caminhava sempre do ladinho, quando ia um pouco mais a frente que nós voltava pra perto ou nos esperava... Super comportadinho, um verdadeiro mini montanhista.

É importante se proteger da exposição ao Sol. Boa parte da trilha acontece em mata fechada, mas no platô final e nos mirantes é Sol na cabeça o tempo todo. E, além disso, leve bastante água!

No mais, só aproveitar!

Danielle Hepner
Danielle Hepner

Published on 10/02/2020 15:36

Performed on 07/17/2020

Views

192

3
Fabio Fliess
Fabio Fliess 10/02/2020 21:26

Olha o pistolinha aí...

Bruno Negreiros
Bruno Negreiros 10/03/2020 11:01

O bAUnilha é o doguinho mais galã das montanhas e do AventureBox.

Danielle Hepner
Danielle Hepner 10/05/2020 11:42

hahahaha é o cachorrinho mais aventureiro e pistola dessa vida!

Danielle Hepner

Danielle Hepner

Caxambu - MG

Rox
1968

nerd! professora de matemática apaixonada por montanhas, viagens, doguinhos e ukulele.

Adventures Map

7 Posts

See More

1206 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Fabio Fliess, Peter Tofte and 396 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Peter Tofte, Bruna Fávaro and 150 others support the Together page.