AventureBoxExplore
Create your account
VALE DO ITAMAMBUCA: Expedição Selvagem - Ubatuba - SP

VALE DO ITAMAMBUCA: Expedição Selvagem - Ubatuba - SP

Na Serra do Mar Paulista, uma descida alucinante por um dos rios icônicos do Litoral Norte de São Paulo.

Trekking Waterfall Canyon

VALE DO ITAMAMBUCA

Aquele foi um duro golpe na minha carreira de Explorador Selvagem. Pela primeira vez em anos estudando mapas, eu não conseguia chegar há lugar nenhum. Foi mesmo uma madrugada perdida aquela, fui dormir frustrado pela minha incompetência para encontrar uma rota que pudesse nos levar às nascentes do rio Itamambuca, no Litoral Norte Paulista. Aquele era um rio perdido, uma nascente que possivelmente nasceria num fim de mundo inacessível ou pelo menos, com uma rota inviável pelo tanto de dias que sempre despúnhamos para essas expedições. Partindo do último ponto que era possível avistar o rio no mapa de satélite, o lugar habitado mais perto ficava ao norte, por intermináveis quase 10 km de florestas e montanhas selvagens e quase a mesma distância a oeste, conseguíamos localizar uma estrada e diante disso, chegar ao rio e interceptar seu nascedouro, era tarefa praticamente impossível e talvez não valesse o esforço, então deixei para lá e fui cuidar da minha vida, investir em outros roteiros.

Apesar de ter deixado esse rio de lado, sempre quando podia, voltava novamente meus olhos para ele e numa noite vazia, com mapas mais modernos, sem querer, um ponto perdido na imensidão verde me chamou a atenção: ao aproximar a imagem e ir mudando os mapas, consegui localizar uma construção isolada no meio da floresta, uns 3 km a oeste do rio. Na hora levei um susto e me enchi de alegria por encontrar o que me pareceu um barracão e, mesmo sem demostrar qualquer caminho para lá chegar, era obvio deduzir que haveria uma trilha ou uma estrada, mesmo que abandonada, o que nos daria uma chance de subir o rio partindo do litoral, varar esses 3 km de florestas até essa construção e lá tentar achar um caminho que nos levasse para a estrada.

Esse roteiro ficou lá, guardado por anos, como um tesouro escondido, uma riqueza para ser gasta no futuro, até a chegada de novos exploradores ao nosso grupo. Thiago e Alan estavam acostumados a se embrenharem em Ubatuba e quando me falaram que também tinham interesse em explorar o Itamambuca, juntar forças e conhecimento, foi questão de tempo. Eles também tinham “ganhado” a construção e igual a mim, viviam esse dilema de tentar solucionar esse entrevero, achar um caminho que pudesse nos levar direto para a nascente ou ao menos, nos devolver para a civilização, caso optássemos por subir o rio.

Tocamos alguns outros projetos juntos, enquanto a solução não vinha e com a advento de novos mapas, observamos que um caminho partindo perto da Osvaldo Cruz poderia nos levar nessa construção perdida na floresta, mas foi numa noite de sorte que um desses meninos conseguiu um Traklog( caminho marcado no gps) dizendo que existia mesmo uma estrada até o casarão e ia mais além, a estrada continuaria por mais uns 10 km , passando bem na cabeceira do Rio Itamambuca e diante desse achado, o mistério havia sido solucionado, era preciso achar uma data e montar um grupo que se dispusesse a tirar aquele vale selvagem do anonimato.

Por diversas vezes, tentamos marcar uma data, mas o tempo sempre se encarregava de passar a perna na gente e por outro lado, um dos integrantes só dispunha de 2 dias, contando com uma segunda feira, então ficava sempre complicado conciliar previsão de tempo boa e dias disponíveis. Além do mais, parte do grupo se recusava a enfrentar essa expedição se a previsão não nos desse 100 % de certeza de tempo favorável e para piorar, um dos meninos do Norte, numa outra expedição, acabou por fraturar o pé, o que nos levou a dar uma brochada e ir deixando esse rio de lado. Mas chega uma hora, que é preciso tomar uma decisão e sair da moita e com uma previsão perfeita uma semana antes, resolvemos que o Itamambuca iria virar história naquele fim de semana combinado com uma segunda feira, formamos um grupo forte e partimos para Ubatuba.

Num sábado à tarde, Thiago Silva passou na Rodoviária do Tietê e pegou a mim, o Paulo Potenza e o Júlio Ronchese e debaixo de uma chuva dos infernos, nos dirigimos para o litoral Norte. Pois é, o tempo virou de última hora e a metade do grupo que se recusava a botar a expedição em pratica com mal tempo, foi de São Paulo à Ubatuba praguejando e tentando convencer a outra metade que era loucura seguir com aquela chuvarada toda, que a chance de dar merda era grande, mas eu e o Júlio não arredávamos o pé, queríamos seguir de qualquer jeito, confiando de que a temperatura prevista de mais de 30 graus e apenas 10 milímetros de chuvas, não era motivos para cancelamento , mas estava causado o impasse : Eram dois votos a favor e dois contra, mas faltava o voto de minerva do quinto elemento, um nativo de Ubatuba seria o fiel da balança, seria dele o voto pelo sim ou pelo não .

( Ubatuba - foto net)

Chegamos em Ubatuba na boca da noite e fomos muito bem recebidos pelo Tomaz “Pontes” Lamosa, o cara que organizou toda a logística para nos deixar no topo da serra, de onde partiríamos para tentar achar a nascente do Itamambuca, mas surpreendente, o nativo ficou atrás da moita. Uma hora queria ir, outra hora achava que poderíamos abandonar a ideia e irmos explorar outro rio ali pelo litoral mesmo, fazer turismo, achar pocinho, ou seja, se manteve neutro e o impasse continuava, com o Potenza e o Thiago pesando na nossa cabeça pelo cancelamento. Nada se resolvia, ninguém queria ceder, ninguém queria abrir mão das suas convicções, até que resolvemos parar de discutir e ir comer algo numa lanchonete, antes de chegarmos a um acordo e foi nessa hora que eu e o Júlio montamos uma estratégia perfeita: Teríamos que subornar um dos 3 e fazer com que viesse para o nosso lado, o lado do “ FODA-SE O TEMPO, VAMOS DESCER O RIO NEM QUE SEJA O DIA DO JUIZO FINAL”.

De todos os três que ali estavam, não haveria outro mais propenso a ser subornado. Na fila da lanchonete, colamos atrás dele e o encostamos na parede. No início ele se fez de difícil, dizendo que a gente poderia morrer com o rio cheio, poderíamos pegar uma cabeça d’água, deslizar barranco abaixo, morrer afogados, trucidados por um raio, uma árvore poderia cair na nossa cabeça, mas a gente não queria saber de conversa fiada e quando dissemos a frase: A GENTE TE PAGA UM PÃO DE QUEIJO, Paulo Potenza foi definhando em suas convicções, amoleceu as pernas, perdeu o rumo, gaguejou, fingiu demência até que não mais aguentou: “- TÁ BOM GENTE, MAS TEM QUE SER PÃO DE QUEIJO DOS GRANDES. ”( rsrsrsrsrsr)

Uma vez decididos seguir com a expedição, nos jogamos no transporte descolado pelo Pontes e rumamos serra acima e quando chegamos ao topo, abandonamos a Osvaldo Cruz em favor de uma estradinha de terra que margeia o Rio Paraibuna e pouco mais de 1 km depois, saltamos na escuridão da noite e adentramos numa porteira. A porteira estava fechada com cadeado, mas não foi necessário pular, porque existe uma abertura lateral destinada a pedestres. A placa indicava o caminho para várias cachoeiras, mas tão pouco dizia nada sobre ser proibido passar pela estrada, mas ficamos ligeiros, não queríamos dar de cara com nenhuma guarita do Parque que nos fizesse voltar, então nos pusemos a caminhar com muita cautela, numa estradinha de terra que corta uma floresta exuberante.

Caia uma fina garoa, tão fina que mal era sentida. Os passos eram rápidos e decididos e a noite já ia alta quando nossas lanternas iluminaram algo que nos pareceu ser uma placa ou mesmo a parede de uma casa, pelo menos foi o que nos passou pela cabeça e imediatamente, um facho de duas lanternas nos interceptou. Uma luz alta explodia na nossa cara sem que tivéssemos um poder de reação rápida. Nossa ação foi atabalhoada, corremos para o lado errado da estrada e acabamos por trombar num barranco de uns 3 metros de altura à nossa direita. Quem conseguiu, escalou o barranco e se escondeu floresta à dentro, mas os outros não conseguiram em tempo hábil e ficaram encostado nele, com a bunda de fora e a cara na terra, feito um avestruz envergonhado. A cena era trágica e cômica ao mesmo tempo. As lanternas se aproximando da gente e nós com o coração e a respiração parada, com medo de sermos pegos e deportados imediatamente para fora da rota. Ficamos ali, inertes, numa posição constrangedora, parecendo facínoras fugitivos da polícia, enquanto o cara com a lanterna na mão, gritava para que saíssemos, porque ele já havia nos vistos.

Naquela hora, na minha cabeça, a casa tinha caído, seríamos enxotados, teríamos que dar explicações, seríamos humilhados e teríamos que engolir um fim de expedição que nem havia começado. Poderíamos ter tentado nos enfiarmos floresta à dentro, mas nem isso era mais possível, o jeito era aceitar a derrota, era preciso reconhecer que dessa vez havíamos perdido, tínhamos que sair, enfrentar nossos pesadelos de frente e antes mesmo que tentássemos qualquer discussão do que poderíamos fazer, Thiago e Pontes caíram na estrada, bem aos pés do que pensávamos ser o vigilante de alguma possível guarita que havia por ali.

O Thiago já foi tentando se explicar e eu cheguei logo dizendo que não tinha armas, que não era caçador e nem palmiteiro, varrendo o tal segurança de cima a baixo, procurando saber onde ele carregava a arma, mas nada encontrei, o máximo que vi, foi um cara super educado, de fala mansa, um pouco assustado com a nossa presença repentina. Tratava-se de um casal de biólogos, que procuravam sapos na estrada e a expressão “ vai caçar sapos” nunca me pareceu tão atual. O biólogo se ligou logo que éramos aventureiros, muito porque, nossa roupa não deixava qualquer dúvida de que estávamos apenas a procura de aventura e não oferecíamos mal a ninguém. Ele nos perguntou para onde iríamos e eu lhes disse que dormiríamos na construção uns 5 km à frente e na manhã seguinte, voltaríamos para estrada por outra trilha. Claro, não quis dizer que a verdadeira intenção era achar a nascente do Itamambuca e descê-lo até o mar. Então, não tendo mais nada a dizer e como ele não fez menção de nos barrar, nos despedimos e seguimos enfrente, agora numa velocidade de foguete, querendo sair o mais rápido dali, antes que eles mudassem de ideia.

Os próximos 5 km passaram voando, fomos passando por rios que atravessavam a estrada e pulando por cima de jararacas que cruzavam nosso caminho e antes da meia noite, tropeçamos no casarão perdido no meio da selva e aí vimos que se tratava de uma base de pesquisa e fiscalização, por sorte, completamente vazia. Claro, não íamos ficar dando bobeira ali, esperando que chegasse alguém que pudesse nos mandar embora, então fizemos uma parada rápida e logo seguiríamos enfrente, na intenção de acampar no mato, já na nascente do Itamambuca, mas fomos obrigados a mudar nossos planos e mais uma vez voltarmos a viver sob tensão.

Paulo Potenza se apresenta a nós com cara de choro, dizendo que a expedição acabara para ele, que a bota nova havia destruído seu pé e que no outro dia iria voltar. Pior ainda, disse que não poderia ir a lugar nenhum naquela noite e que teríamos que pernoitar ali mesmo, na varanda da base de fiscalização. Foi um verdadeiro balde de água fria, muito porque, eu não tinha certeza de como o grupo reagiria àquela situação, se deixaria ele voltar sozinho, afinal de contas, era apenas uma estrada ou se dariam por encerrada a expedição. O certo é que fizemos de tudo para tentar recuperar o pé do Potenza, lhe enfiando remédios potentes e tentando achar uma solução para que ele seguisse e consequentemente a travessia também. Mas naquela noite ainda embaçada, teríamos que ariscar a nossa pele, teríamos que dormir ali e se tivéssemos sorte, às 5 da manhã, partiríamos para cumprir nossa jornada.

Jogamos os sacos de dormir no chão e alguns montaram suas redes nas pilastras, mas eu apenas encostei por ali, meio que desolado e crente que a qualquer momento seríamos apanhados, portanto, mal preguei o olho e quando o relógio bateu 5 da manhã, me levantei e fiquei apressando todos para partir. O pé do Potenza estava melhor e o Júlio se propôs a trocar de bota com ele, cedendo-lhe suas botas macia para que ele continuasse e, antes mesmo que o sol resolvesse nascer, botamos o pé na estrada e demos início a travessia.

Retomamos novamente à estradinha no meio da floresta, mas desta vez, ela se transformou numa trilha, cheio de árvores caídas onde era impossível passar qualquer carro, foi aí então que me dei conta de que a partir dali, estávamos por conta e risco e o sucesso da empreitada só dependia da nossa competência e não de interferências externas. Por mais 3 km fomos ganhando um pouco de altitude e por quase uma hora rasgamos o caminho até estacionarmos numa placa que divide os núcleos dos parques, bem encima de onde havíamos marcando o início da nascente do rio, era chegada a hora, voltar atrás já não era mais possível.

Enfrente a placa, nos enfiamos no mato e fomos descendo levemente, nos desviando de alguma vegetação mais espinhenta, tentando escapar de um ou outro bambuzinho até que, sem ter como fugir, nossas botas empaparam. Um filete de água começou a escorrer e a cavar o chão, até que uma pequenina queda d’água nos faz pensar que estamos dentro do Itamambuca, mas 20 minutos de caminhada nos leva a um pequeno riacho, esse sim a verdadeira nascente do rio. E como é lindo e prazeroso pegar um rio com as mãos, meio palmo de água cristalina que escapa do seio da terra.

A partir dali, só havia um caminho a seguir, o rio seria nossa trilha, nossa estrada, nosso rumo, nossa linha de salvação por pelo menos 2 dias, seria a ele que nos apegaríamos, mesmo porque, foi para isso que viemos, foi para isso que perdemos dias e dias nos debruçando em mapas e montando logística. A cada passo, a cada metro percorrido, vamos vendo o rio crescer e se enfiar em valetas cada vez maiores, onde cachoeirinhas, mesmo que ainda tímidas, vão despencando para o fundo do vale.

Os primeiros trechos iniciais de um rio são, na maioria das vezes, feitos para contemplação, porque são planos e com vegetação exuberante, donde pequenos afluentes vão fazendo com que ele vá aumentando de tamanho, formando vários pocinhos cênicos e é um caminhar gostoso e desimpedido, mas por ainda ser bem de manhã, mesmo já ensopados, vamos tentando fugir da água, até que que alguma gargantinha nos fecha a passagem e somos obrigados a nos jogarmos nas pequenas correntezas .

O rio vai crescendo e vamos avançando rapidamente. Partimos de 1.100 metros, que é a altitude de sua nascente, e quando chegamos a 915 metros de altitude, depois de termos avançados por quase 3 km, somos obrigados a nos determos por um momento, mesmo porque, não há mais chão para prosseguir. A nossa frente, o vazio se apresenta e a água que corria calma e serena, se joga no nada para formar uma CACHOEIRA em forma de catarata, não muito alta, mas assim mesmo de encher os olhos.

A passagem para descer aos pés da cachoeira, parecia bem obvia pela esquerda, tanto que o Potenza e o Júlio já se encaminharam para lá, na tentativa de ganharem uma fenda e fazer a descida, mas logo esse caminho se mostrou um tanto exposto, então o Thiago e o Pontes puxaram a fila pelo caminho da direita. Uma descida bem ruim, onde tivemos que usar nossas bundas como freio para não sermos arremessados no vazio, tendo que nos enfiarmos em baixo de uma rocha gigante e usá-la como proteção até conseguirmos escorregar rente a parede e nos vermos em segurança, apreciando aquele espetáculo em forma de água caindo da pedra, uma abertura digna e da grandeza que aquele rio representa para a Serra do Mar Paulista.

As CATARATAS DO ITAMAMBUCA, marcam definitivamente o início do encachoeiramento do rio, que vai alternar entre corredeiras e pequenas quedas, encontros com afluentes maiores. Agora era preciso muito pula pedra, sobe e desce. Muito escorrega de cima de grandes matacões para dentro da água. É mesmo um caminhar lento e cansativo, mesmo porque, estamos praticamente sem dormir e isso vai minando a nossa energia, mas não há tempo para murmúrios e lamentações, é preciso seguir e uns 100 de desnível abaixo das Cataratas, cerca de 1500 metros depois, um grande poço nos diz que é hora de nos determos por um instante, tomarmos um folego, comermos alguma coisa e aproveitarmos para estudarmos os mapas.

Apesar de já termos andado muito, o dia mal passava das onze da manhã, mas o dia permanecia lindo, com o sol brilhando e sem nenhuma nuvem no céu. Até então, a previsão de chuvas não se confirmou e isso ajudava muito a manter o moral do grupo bem elevado. Quase sempre o Júlio seguia à frente, abrindo caminho e nos levando a perder altitude, não com muita velocidade, mas qualquer metro perdido era muito comemorado e quando podíamos, nos jogávamos para dentro do rio e virávamos passageiros da aventura, deixando com que as águas mais furiosas, nos conduzisse para mais abaixo no rio, ganhando assim metros e tempo preciosos.

Quando o rio não nos parecia seguro, era hora de cair no mato por um breve tempo, tentando perder altitude e transpor trechos muito técnicos, onde passar sem corda poderia ser potencialmente perigoso, mas assim que víamos que o perigo havia passado, era hora de voltar ao rio e seguir por dentro dele. Uma cachoeirinha é deixada para trás, até que uma outra, mas desta vez bem grande, nos barra o caminho e nos faz novamente nos pendurarmos em barrancos até conseguirmos descer diante dela.

É sem dúvida outra bonita queda e ele vai marcar também uma nova faze na nossa Expedição, porque após ela começa uma sequência de lajes, hora de estacionar novamente, pensar bem qual caminho seguir, porque uma oposta mal feita, uma caminho mal planejado, poderá nos tomar um tempo e comprometer nossa jornada.

A nossa frente, o vale abriu. O rio começou a descer em pequenas cachoeiras, que iam debruçando suas águas em lajes que desciam em patamares, aparentemente lisas e impossíveis de descer. Ao lado o barranco do rio se transformou em paredes altas onde teríamos que nos desdobrarmos para tentar escapar delas. Mas o Júlio deslumbrou uma passagem, uma descida pelas lajes do rio. Aquilo era algo meio insano, mas a gente foi encontrando passagens perfeitas, nos aproveitando de pequenas ranhuras, pequenos patamares, onde fomos usando uma fita para nos dar sustentação e fomos avançando, perdendo altitude.

Era uns quebra cabeças que iam se juntando, peça por peça, até que montamos a descida perfeita. Conseguimos descer quase 500 metros de distância da cachoeira, foi sem dúvida uma das mais bem-sucedidas descidas de rocha de todos os tempos e para comemorar, paramos numa pedra exposta ao sol para almoçarmos e planejarmos os próximos passos.

Com a barriga cheia e o ânimo renovado, pela estratégia vitoriosa, retornamos nossa jornada, descendo o rio como dava, as vezes tendo que cair no mato para transpor algum trecho mais técnico. O avanço é lento, moroso e por vezes cansativo, mas é preciso continuar. Por vezes pouco nos falávamos, concentração total para descer e subir pedra, um ajudando o outro ou cada um escolhendo o caminho que mais lhe convém, prezando pela sua segurança, tentando economizar energia até que uma nova CACHOEIRA cruza o nosso caminho.

Metade do dia já havia escorrido pelos nossos dedos já fazia mais de hora e o sol, ainda a pino, iluminou aquela cachoeira, transformando-a em alguma bela queda de águas clara do Cerrado mineiro. Nem era uma grande queda, mas se estendia de um lado a outro do rio, escorrendo suas águas numa bonita laje de pedra. A gente estava bem contente com o avanço da expedição, todo mundo bem, apesar do sono, e então, fizemos mais uma parada estratégica para jogarmos um pouco de conversa fora e guardar aquela paisagem para sempre na memória.

Daí para frente, o rio vai se transformando, ficando cada vez mais complicado. Vamos avançando muito pouco e a altimetria não baixa de jeito nenhum. Vamos perdendo tempo em pequenos trechos técnicos, onde a passagem exige esforços descomunais, até que uma GARGANTA interrompe de vez a nossa jornada. Abrir a carta topográfica do gps era necessário, mas demos bobeira e acabamos tentando passar pela direita e fomos dar com os burros n’água. Escalamos paredes perigosas, beirando precipícios. Mas quanto mais nos enfiávamos mato à dentro, mais diminuíamos as chances de dar certo e quando resolvemos estudar a carta topográfica, foi que nos demos conta de que estávamos indo para um caminho sem volta e seríamos barrados por um afluente profundo, com chances muito poucas de conseguirmos descê-lo. Apesar de ser uma decisão sempre difícil, resolvemos voltar para a garganta, cruzamos o rio para o outro lado e só nessa ação desastrada, gastamos um tempo precioso.

A passagem pelo lado esquerdo da garganta foi mesmo providencial. Escapamos da garganta e voltamos novamente ao rio, que continuava terrivelmente complicado, com uma infinidade de pula pedras e descidas exaustivas e quando o relógio chegou às 4 da tarde, o Potenza já começou a aloprar a gente para acampar. Eu era quase um zumbi vagando pelo rio, efeito de uma noite inteira sem dormir e um dia de atividades físicas intensas, mas não me passava pela cabeça, interromper a caminhada tão cedo, haja vista que ainda poderíamos avançar por pelo mais uma ou duas horas de sol. A minha preocupação era simplesmente porque não havíamos descido nem até a parte crítica do rio, verdade mesmo é que estávamos bem longe na cota 550, que era a passagem pelos cânions e desfiladeiros gigantes e se déssemos bobeira, não acabaríamos a travessia no tempo previsto, então protestei contra a parada, protestei veementemente.

O empasse estava instalado no grupo. Parte queria acampar, mas eu e o Júlio achávamos que deveríamos seguir, mas como não houve um acordo satisfatório, a minoria perdeu e democraticamente, engolimos a derrota. Não que eu não gostasse de um bom acampamento com mais tempo, longe disso, sempre voto por acampar com o máximo de luz possível, mas dessa vez estávamos mega atrasados, mas acatei a decisão da maioria e nos dirigimos para uma encosta do lado esquerdo do rio e ao encontrarmos um bosque favorável, que dava para acomodar todas as redes, jogamos nossas mochilas ao chão e encerramos esse dia de caminhada, de aventuras intensas.

Localizei 2 árvores, retirei um cipó enrolado em uma delas. Fixei meu toldo e em seguida minha rede. Uma ação que não levou mais que 15 ou 20 minutos. Era eu, um ser totalmente alienado ao ambiente, meu mundo se resumiu a mim mesmo, só ouvia murmúrios dos meus companheiros de aventuras, numa luta incessante para tentarem estabelecer um acampamento descente. Só ouvia os esporros do Potenza tentando ensinar os caras velhos de mato a montarem suas redes. Depois de tantos anos de expedições selvagens, não entendo qual a dificuldade de montar esse tipo de acampamento, algo tão simples, que poderia ser feito com os olhos fechado, mas enfim, nem tinha mesmo forças para ajudar ninguém, então minha crítica chega a ser cretina e nem deve ser levada em conta. O certo é que esquentei 300 ml de água e tentei fazer uma comida liofilizada, que outrora me agradou o paladar, mas que dessa vez, foi difícil de engolir. Então dei umas três colheradas e me joguei para dentro do meu saco de dormir e parti para outro mundo e só voltei a me ver como ser vivente, lá pela meia noite, quando me levantei para ir regar uma moita na escuridão daquela noite de verão, no centro selvagem da Serra do mar.

Às 6 da manhã caiu uma chuva, mas não durou nem 5 minutos e já cessou. Foi a deixa para pularmos para fora da rede e desmontamos tudo. Mas eu estava preocupado, principalmente ao consultar o gps e descobrir que estávamos ainda na cota 630, uma altitude absurda diante do desafio que teríamos pela frente e era de se pensar que talvez não conseguiríamos terminar o roteiro naquele dia, o que me deixava um pouco angustiado. Às oito partimos! E a nossa partida, como sempre, já foi tendo que nos enfiarmos para dentro do rio gelado, uma atitude inevitável, já que teríamos que cruzar para a margem direita.

A caminhada segue o ritmo do dia anterior, varando mato quando necessário e voltando novamente para o rio, perdendo altitude lentamente, escorregando para patamares mais abaixo, até que 1 hora abaixo de onde acampamos, o chão desapareceu mais uma vez, nos obrigando a nos deter, analisar o terreno e apreciar um monstro de Cachoeira que se jogava no vazio.

Estávamos a cerca de 550 metros de altitude e ali marca definitivamente a entrada do Rio Itamambuca nas GRANDES GARGANTAS E Cânions e a partir de agora, serão mais de 300 metros de desnível para serem vencido. Hora de fazer o sinal da cruz e enfrentar o inferno de frente, hora de se apegar um ao outro e tentar escapar vivo do que há de vir.

Não havia mais como seguir pelo rio e por isso traçamos uma estratégia tentando escalar uma parede íngreme pela direita, tentando dar a volta na abertura da garganta para podermos nos posicionar do outro lado e tentar apreciar a queda d’agua do lado oposto de onde estávamos. O Júlio seguiu à frente, escalou um arvore e isso nos fez elevar barranco acima, mas a segurança foi deixada em segundo plano, mesmo assim, passamos encostado a uma parede e fomos descendo até ganhar um patamar mais abaixo, subir outro barranco e conseguir descer até ficarmos com a CACHOEIRA sorrindo para nossa cara.

A Cachoeira se jogava para dentro da garganta, onde era impossível descer sem equipamentos de rapel, então nos contentamos em apreciá-la lá de cima, cientes que nem sempre era possível ter o prazer de poder estar em baixo delas, mas conscientes de que éramos um dos poucos a botar os olhos nessa maravilha, onde possivelmente, como sempre digo, recebeu menos gente que o solo lunar.

Retornamos um pouco mais acima, tentando escapar das paredes escarpadas. O terreno nos pareceu de fácil locomoção, mas as vezes as aparências tende anos derrubar. Passamos um bom tempo caminhando com uma vegetação bem favorável, apesar de termos que descer e subir elevações com algum potencial de perigo. Mas logo a coisa começou a encrencar. O terreno começou a ficar cada vez mais profundo e ver as grandes cachoeiras era possível apenas por trás das grandes árvores e aí teve uma hora que o negócio ficou mesmo feio e fomos obrigados a estacionar para uma releitura do caminho.

Estava claro que tínhamos nos afastado muito do rio, bem mais do que gostaríamos. Mas não foi por falta de aviso, porque eu e o Júlio estávamos sempre gritando para que o rumo fosse colado às gargantas, assim, quando possível fosse, voltaríamos para a água , mas o Potenza estava sempre aprontando um berreiro quando a gente tocava no assunto, ele ficava sempre insistindo que a gente ia morrer se passasse junto aos cânions e talvez o safado tivesse até razão, mas já é sabido que parte de nós sempre presa por andar colado às paredes , mas como não há um líder eleito e nem instituído, quem grita mais leva e nisso o Potenza ganha de longe. Eu da minha parte nem fiz questão de opinar muito, mesmo porque, minha opinião não havia mudado e então, nem me estranhou o fato de terem decidido se distanciar ainda mais, tentando contornar um vale lateral perto da sua cabeceira, ao invés de ariscar uma descida de volta para ao rio.

Ao chegarmos à cabeceira desse afluente, fomos obrigados a descer de corda ralando a cara no barranco e acabamos sendo travados num beco sem saída. Enquanto o Júlio tentava ganhar a parede oposta, Paulo Potenza insistia que deveríamos descer por dentro do próprio afluente, nos valendo de uma escadaria de pedra. A ação foi toda descoordenada, nenhuma das alternativas parecia viável, até que o Júlio conseguiu ganhar um arbusto mais acima e se jogar para o alto e puxar o resto do grupo com a ajuda da corda.

Da minha parte, esse caminho tomado, foi uma rota escolhida com a bunda. Na continuação, teríamos que ascender uma parede de quase 90 graus de inclinação, passando com a barriga encostada a um abismo, onde era preciso e possível, apenas nos segurando com a força da alma. Pior ainda para os que vem por último, que já não tem nem mais uma lasca de vegetação para uma segurança psicológica. Minha mochila pendeu para o lado, porque o barranco insistia em querer me jogar para o abismo, fiquei vendido. Não conseguia mais ir para frente e nem retornar. Pé esquerdo travado na terra e cara encostada na pedra com a unha da mão direita grudada no musgo. A força da gravidade rindo da minha cara e eu só pensando se já não estava velho para ficar passando por isso, mas antes mesmo que eu chegasse a alguma conclusão filosófica sobre o assunto, minha mão esquerda encontra uma raiz, onde cravo minhas unhas na terra molhada e me impulsiono para fora linha da “morte”, estabilizo o corpo e dou uma banana para o abismo, ganhando a linha de arvores acima da minha cabeça.

Uma parada para consultar os mapas e a conclusão era mais do que óbvia: teríamos que fazer uma diagonal direta para a esquerda, voltar para o rio agora era prioridade, então nos empenhamos nisso, fazendo uma descida alucinante, rasgando a floresta no peito até escorregarmos novamente para dentro do rio. Essa ação de subir e descer barranco nos tomou pelo menos umas 2 ou 3 horas de caminhada, portanto, estávamos exaustos e havidos por um bom banho e por sorte, nossa volta ao rio se deu bem em frente à uma cachoeira com um poço enorme, que nos sugou para dentro dele e lá ficamos por um bom tempo até recobrarmos as forças e o ânimo.

Havíamos descido mais de 200 metros de desnível e nos encontrávamos a 350 metros, o que me deixou mais confiante que poderia ser possível terminar ainda hoje aquela travessia. Mas o rio não queria se entregar e continuamos a sofre muito para perder altitude, mas dessa vez ao invés de ser só sofrimento, o rio também nos deixou brincar, deslizar de cima de grandes pedras para dentro de poços incríveis, pulos cinematográficos nos fazia darmos muitas risadas, feitos crianças no parque de diversão.

A travessia foi se alternando entre ir pelo rio e seguir pela sua margem. Tudo era questão de permissão do terreno, que as vezes parecia que nos deixaria avançar rapidamente, mas logo nos fechava o caminho, fazendo com que a gente tivesse que voltar a nadar e atravessar poços gigantes, alguns até com uns 100 metros de comprimento. Caíamos na correnteza e ela nos conduzia rio abaixo e a gente apenas se mantinha na superfície da agua, aproveitando a carona até que o rio voltasse a despencar em alguma pequena gargantinha, um pouco perigosa para continuarmos.

Pequenas cachoeiras são tantas que é impossível contar e catalogar todas, às vezes, nem foto a gente tira. É uma descida alucinante. Entra num poço e já cai em outro, pula de cima de uma cachoeira e já é obrigado a se jogar de outra. O dia vai passando nesse ritmo, fora dali o mundo não existe, só temos olhos para a frente, não há espaço para outros pensamentos, é preciso que a concentração esteja onde se coloca os pés, onde se pula, onde se agarra, que galho ou que raiz servirá para a continuação do caminho. Cuidado com a cobra, cuidado com o buraco, fica esperto com a pedra lisa e instável.

A tarde chegou e com ela o cansaço também se instala, então a todo momento vamos tentando encontrar alguma trilha, já que estamos abaixo dos 200 metros , mas surpreendentemente, nenhum vestígio de que algum ser humano tenha passado por ali, não no vale, talvez lá encima na crista, mas no vale nem a presença de palmiteiros e caçadores é notada , o que nos indica que o Itamambuca é um rio ainda em estado bruto , que ainda se mantém longe dos olhos humanos , mas isso nos pareceu estranho devido a estarmos num parte plana, com as margens abertas, o que facilitaria muito a subida de alguém mais ousado .

O rio vai nos fazendo alternar de margem, entre um ou outro pulo em algum poço, que as vezes de tão grande, acaba se transformando em lago, mas chega uma hora que a nossa pergunta sobre porque não encontramos trilhas e nem sinal de gente é respondida: O rio é espremido por duas paredes gigantes e somos obrigados a escalar algumas paredes pela direita e voltar a pular grandes pedras, nos enfiando novamente dentro do rio e nos tornando mais uma vez, passageiro de correnteza. Quando era possível, caminhávamos pela sua margem esquerda, vendo passar dezenas de outros grandes poços até que um deles nos chama a atenção.

Já se aproximava das 4 da tarde e uma nuvem marota nos ameaçava, deixando o céu escuro. Atravessamos o lago, que se chama POÇO DA PEDRA RASA e do outro lado, nos surpreendemos com uma trilha larga e consolidada, que fez nosso coração disparar, era nosso caminho de volta para casa, nossa linha de fuga de volta para a civilização, já não era sem tempo, estávamos inchados de tanto nadar.

Pegamos essa trilha, que estava na cota dos 180 metros de altitude e por elas nos adiantamos, mas em menos de cinco minutos, o céu desabou sobre nossas cabeças e uma tempestade de verão veio para lavar nossa alma, não que precisássemos. Mas do mesmo jeito que chegou, foi embora e não tardou para que o sol voltasse a brilhar novamente. A trilha foi se enfiando mato à dentro, atravessando alguns pequenos riachos, se elevando sobre alguns morrotes e se transformou em duas, uma para esquerda e outra para direita. Tocamos para a direita, mas ela se perdeu. Voltamos e pegamos para a esquerda e ela também não nos levou a lugar nenhum, apenas nos devolveu novamente para o rio, que havia feito uma curva. Resolvemos tentar novamente para a direita e dessa vez descobrimos o erro e achamos a sequência dela, depois de algumas árvores caídas.

A trilha atravessa mais mato e volta para o rio e o segue na paralela da direita, até que ela se abre de vez e finalmente, avistamos uma casa. Saímos nos fundos de um sítio e a pedidos do Tomaz, tivemos que passar em silêncio, mas não era preciso, não havia mesmo ninguém. A estradinha do sítio nos levou à uma porteira e como não havia nenhuma placa dizendo que era proibido sair, só entrar, pulamos o portão e ganhamos a rua.

Uns 20 minutos de caminhada nos leva até uma fazenda de plantação de palmitos, que nos sopraram ser um antigo quilombo, que mais parece um bairro e sobre o olhar incrédulo de parte dos seus habitantes, passamos na cara dura, sem dar nenhuma satisfação, até cruzarmos um grande portão e nos pormos para fora, agora livres, sem a necessidade de dar mais conta da nossa vida a quem quer que seja. A estrada da Casanga vai acompanhar o Itamambuca de longe e uns 20 minutos depois, somos devolvidos à Rio-Santos em Ubatuba, hora de oficializar as comemorações finais, os cumprimentos da vitória, mas uma travessia concluída com sucesso.

Todo projeto ousado, primeiro nasce de uma ideia que num primeiro momento pode parecer estúpida, até que apareça alguém e diga que é possível. Anos atrás era só um sonho, sonhado por mim e por mais 2 ou 3 malucos e agora, quando olhamos para trás, nos bate aquele sentimento de vitória, de satisfação pessoal, de saber que valeu a pena tanta dedicação. Enquanto estávamos no Centro da Selva Paulista, banhista e surfista se deleitavam na foz do Rio Itamambuca, sem nem imaginar que aquele rio calmo e manso, desaguando numa das mais famosas praias do Brasil, nasce há mais de mil metros de altitude, se jogando em cachoeiras gigantes, abrindo caminho a força na Serra do Mar. Uma grande expedição não se faz com homens bravos, mas sim de gente disposta a resistir, a aguentar as agruras da natureza, gente que carrega dentro de si o amor incondicional pela AVENTURA, e quanto a isso, esses caras que me acompanharam nessa jornada alucinante, não devem nada pra ninguém.

(Foz do Itamambuca - foto net )

Divanei - 2017

13
Divanei Goes de Paula
Divanei Goes de Paula 03/21/2021 21:46

Valeu Fernando, obrigado!

Divanei Goes de Paula
Divanei Goes de Paula 03/21/2021 21:47

Camila : Eu sou tudo , menos escritor, sou no máximo um contador de histórias, de causos. Deixo os livros para os letrados. Mas agradeço muito o retorno. Abraços!

Thiago Char
Thiago Char 03/21/2021 22:25

Parabéns pela ousadia e persistência!!

Thiago Char
Thiago Char 03/21/2021 22:28

Uma curiosidade, como vcs mantém as coisas secas qdo pulam no rio, saco estanque? Como vcs mantém a flutuação sem que o peso das mochilas não os afunde?

Divanei Goes de Paula
Divanei Goes de Paula 03/22/2021 00:22

Thiago , as mochilas ou são estanques ou tem saco estanque dentro. Toda mochila flutua . Pode pegar a sua , colocar as coisas dentro de sacos pra não molhar e jogar no rio, com certeza não vai afundar. Como sacos estanque dentro então, serve de boia. Pode colocar comidas e outras coisas dentro de garrafa pet , arroz , farinha, sal, açúcar, café, leite, ou seja quase tudo, que vai ajudar na flutuabilidade.

Thiago Char
Thiago Char 03/22/2021 10:29

Show Divanei! Experiência muito interessante!!

Tiago Jose Bordignon
Tiago Jose Bordignon 03/23/2021 00:25

Muito bom Diva, parabéns!

Divanei Goes de Paula
Divanei Goes de Paula 03/23/2021 09:29

Valeu Bordignon , grande abraço!

Divanei Goes de Paula

Divanei Goes de Paula

Sumaré - SP

Rox
1728

Vinte e Cinco anos me dedicando às grandes trilhas e travessias pelo Brasil e por alguns países da América do Sul .

Adventures Map

2 Posts


396 Following