AventureBoxExplore
Sign Up

Laguna 69 - Huaraz

Terceira caminhada de aclimatação, como preparação para o Circuito Huayhuash.

Hiking

Depois de um merecido descanso, acordamos bem cedo para a nossa terceira e última caminhada de aclimatação, na Laguna 69. Seguimos o princípio muito difundido de subir cada vez mais alto e dormir baixo, então nesse dia chegaríamos acima dos 4600m de altitude, bem próximo de muitos pasos que enfrentaríamos em Huayhuash. Mais uma vez faríamos a trilha de forma autônoma, pois o caminho é MUITO bem marcado.

Como essa trilha fica bem distante, combinamos com o Scheler que a van nos pegaria no hotel as 5h da matina e dessa vez o nosso motorista (Victor) não se atrasou. A primeira metade da viagem rendeu bem, pois a estrada era asfaltada até Yungay, mas por volta das 6h30 começou a longa subida por estrada de terra.

Um pouco de história: Yungay (ou Nueva Yungay) é uma cidade relativamente nova e nasceu a partir de uma tragédia. No último dia de maio de 1970, ocorreu um terremoto fortíssimo (de escala 7.9) que sacudiu todo o vale. Uma enorme placa de gelo e rocha se desprendeu do nevado Huascarán (a montanha mais alta do Peru) e caiu sobre lagunas glaciares, gerando uma onda de água, lama e pedras que varreu a cidade de Santo Domingo de Yungay. Apenas cerca de 300 habitantes da cidade, sobreviveram. A antiga cidade foi considerada área intangível e “Campo Santo” e poucos meses depois da tragédia, a nova Yungay começou a ser construída a cerca de 1km da cidade sepultada.

Fizemos uma rápida parada para comprar os tickets de 10 soles na portaria do Parque Nacional Huascarán e as 8h em ponto chegamos nas lagunas Llanganuco. Eu já havia passado por ali em 2010, quando regressava do trekking de Santa Cruz, e já sabia da beleza do lugar. Mas o restante do pessoal ficou boquiaberto com a cor da Laguna Chinancocha (ou laguna feminina, em quéchua). Do outro lado, olhando bem para cima, podíamos ver um dos cumes do Huandoy.

Ficamos alguns minutos fotografando e seguimos viagem. Passamos por um pequeno “braço” da laguna, que o motorista comentou que seria uma laguna “bebê” e pouco depois chegamos na Laguna Orconcocha (laguna masculina, em quéchua). Embora bonita, não conseguia rivalizar com sua vizinha.

O motorista conversou com um guarda parques e conseguiu nos deixar bem próximo do início da trilha. As 8h30 estávamos com as nossas mochilas arrumadas e começamos a caminhar. Depois de cruzar uma ponte sobre um rio bastante caudaloso, chegamos em uma bifurcação. A esquerda estava a subida para o Base Camp do Pisco e a nossa trilha seguia pela direita.

O primeiro trecho é bastante bonito e vai subindo de forma tranquila e gradativa. Estava me sentindo muito bem e aparentemente o restante do grupo também. O Jeff estava bem forte e caminhava mais na frente. Depois de cruzar um rio, esperei pela Letícia, Giovani e Natalia. Quando eles chegaram, conversamos um pouco e eu voltei a subir, seguido da Letícia. Alguns metros acima desse ponto, encontrei com o Jeff que descansava e continuei subindo. A partir daí a trilha ficaria bem mais inclinada e também apareceriam os trechos em zigzag, tão famosos nessa trilha.

Um pouco mais acima, esperei pelos demais. O Jeff me encontrou e disse que a Natália não estava se sentindo bem (alguma coisa que havia comido) e ele entregou ao Giovani um gel de carboidrato para ver se a Natalia se sentiria mais forte. Continuamos a subida, de forma lenta e controlada.

Já estávamos relativamente perto de uma pequena laguna que fica a cerca de 4450m de altitude, quando avistamos o Giovani subindo bem rápido, mas sozinho. Ele nos encontrou e disse que a Natália estava voltando devagar e nos esperaria no começo da trilha. Ele e Jeff “tocaram pra cima” e eu segui com a Letícia. Um pouco mais acima, ela comentou que estava com um desconforto na perna! Continuamos até a pequena laguna, onde a Letícia resolveu parar, descansar e começar a descer.

Nos despedimos com um beijo e forcei um pouco meu ritmo para encontrar com meus dois amigos. Consegui alcança-los na metade do último trecho de zigzags e de lá seguimos juntos até a laguna, onde chegamos por volta das 12h45. Embora já tivesse lido inúmeros relatos mencionando a cor incrível da água dessa laguna, fiquei embasbacado quando pude presenciar a beleza. É realmente surreal...

Fiz um lanche, tirei algumas fotos e cerca de 20/25 minutos depois já estávamos descendo. Cada um desenvolveu um ritmo diferente nessa descida: o Giovani, preocupado com a Natalia, desceu muito rápido. Jeff desceu bem rápido também e eu resolvi descer sem correria, tirando fotos e poupando um pouco meus joelhos.

As 15h cheguei na van e encontrei com todo mundo. O Giovani me deu a notícia de que a Natalia não estava bem, vomitando muito. Entramos rapidamente na van e tocamos (em alta velocidade) para Huaraz onde o motorista nos levou direto para a clínica San Pablo. A Natalia ficou um par de horas no soro e depois foi liberada para voltar ao hostel.

Enquanto ela estava na clínica, fomos até o hostel tomar um banho e voltamos para o centro da cidade para jantar no Trivio. Tivemos a companhia da amiga e fotógrafa Cristiane Gellert que tinha acabado de chegar em Huaraz. Um pouco mais tarde o Giovani chegou para jantar e nos disse que a Natália estava bem melhor, e eles iriam conosco para Huayhuash.

Depois dessa boa notícia, terminamos nosso jantar, nos despedimos da Cristiane e voltamos para o hostel para terminar de arrumar as mochilas para o grande objetivo da viagem: concluir o Circuito Huayhuash em 10 dias e subir o Diablo Mudo.

Fabio Fliess
Fabio Fliess

Published on 09/17/2016 18:36

Performed on 08/09/2016

2 Participants

Letícia Fliess Jeff Almeida

Views

3631

Fabio Fliess

Fabio Fliess

Petrópolis - RJ

Rox
2215

Take it easy e bora pras montanhas! Instagram: @fliess

Adventures Map

5539 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Bruna Fávaro, Renan Cavichi and 293 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Ana Retore, Bruna Fávaro and 70 others support the Together page.