AventureBoxExplore
Create your account
Travessia Kotia X Condoriri - Bolívia

Travessia Kotia X Condoriri - Bolívia

Trekking de 3 dias ligando as lagunas Kotia e Chiar Khota, na região do Condoriri.

Camping Trekking High Mountaineering

1º dia:
Chegamos com bastante antecedência na porta da agência Alberth Tours, que ainda estava fechada. Cerca de meia hora depois, o Juan (dono da agência) chegou e nos passou os últimos detalhes do trekking e nos apresentou o nosso guia Celestino. Um senhor de poucas palavras e de aparência bem simples.
Deixamos La Paz as 9h em uma van junto com o guia e os equipamentos rumo a Kotia. Fizemos uma rápida parada em El Alto onde o guia comprou algumas provisões. Depois de sacolejar nas estradas por algum tempo, chegamos ao fim da linha por volta das 11h45. Encontramos com os muleiros que começaram a preparar a carga (em 1 mula e 1 burro) e o guia nos serviu um almoço em quentinhas. Comemos arroz, frango, batata e banana assada. Enquanto comia, olhava para cima e o tempo insistia em permanecer feio e fechado.
Começamos a caminhar as 12h30. Andamos um bom trecho plano, com poucas subidas, contornando a laguna cujo caminho havíamos feito de carro, no sentido contrário. O tempo começou a melhorar e o céu abriu, proporcionando um visual lindo da laguna e das montanhas ao redor.

Logo começamos a subir o passo, ainda bem tranquilo. Descemos um bom trecho com neve, uma novidade para ambos. Fizemos uma pausa no fundo vale, ao lado de um bonito rio, e logo voltamos a subir, pois o tempo voltou a fechar e ficamos preocupados com uma possível chuva e neve. O guia se adiantou um pouco nesse trecho final, provavelmente para deixar tudo pronto para a nossa chegada.
Alcançamos a pequena laguna Ajwani as 17h40, com bastante vento e frio. Para a nossa surpresa, descobrimos que lá existia um refúgio enorme, mas completamente vazio e com aspecto de abandonado.
Ainda com luz natural, fizemos um lanche com mate de coca, cream cracker, margarina e doce de leite. Por volta das 20h, jantamos uma sopa de legumes (muito gostosa), arroz (frio) e bife de carne vermelha. Dormimos na barraca montada dentro do refúgio. Tentamos algumas fotos noturnas, mas o frio do lado de fora estava grande. Registramos a mínima de 5 graus dentro da barraca (e do refúgio).

2º dia:
Acordamos as 6h30 e começamos a arrumar as mochilas. O desayuno, marcado para as 7h só rolou meia hora mais tarde. Durante o café tivemos uma surpresa ainda maior do que descobrir aquele refúgio. Descobrimos que aparecia alguém do nada para cobrar por ele. Pagamos 20Bs cada um pela estadia no refúgio.
Com as mochilas arrumadas, começamos a caminhar perto das 8h30. Subimos bem devagar até o primeiro passo (Milluni Pass), e ao chegar perto do topo, o guia nos mostrou bem longe, o Lago Titicaca.

A partir desse passo, a trilha intercala trechos de descida e subida suaves, até chegarmos a uma descida mais forte, que estava com muita neve, e por isso, algumas passagens estavam mais complicadas. Chegamos ao fundo do vale as 11h30, parando para almoçar (macarrão frio, tomate, batata e bife) ao lado da bonita laguna Sistaña.
Retomamos a caminhada as 12h30 com uma forte subida, quase em linha reta. Chegamos ao último passo de 5000m (Jurikhota Pass), e tivemos a primeira visão do Huayna Potosi. Paramos para algumas fotos e logo começamos a descer, com muita neve novamente. Em um trecho, tivemos que contornar uma passagem mais inclinada. Descemos até o final de mais um vale, onde estava a laguna Juri Quta. A nossa barraca amarela (Eureka) já estava montada.

O visual da laguna é muito lindo. Descansamos bastante e também aproveitamos para dar uma volta ao redor do acampamento, tirando muitas fotos. Um pouco mais tarde, enquanto bebíamos um mate para aquecer, nosso guia veio conversar conosco sobre as possibilidades para amanhã: poderíamos contornar a laguna e depois subir em direção ao passo que levava ao Pico Áustria, ou, se estivéssemos muito cansados, poderíamos pegar outro caminho (usado pelos muleiros) para seguir direto até o Condoriri. Como estávamos dispostos a subir o Áustria, reiteramos nossa vontade de seguir pelo primeiro caminho.
Fomos chamados para o jantar as 18h15 e havia sopa de quinoa, arroz com frango e molho de tomate. De sobremesa, tivemos pêssegos em calda. As 19h já estávamos de volta na barraca para uma merecida noite de sono!

3º dia:
Foi uma noite difícil. Dormi muito mal, com dores no quadril esquerdo. Letícia também dormiu mal. Quando acordamos, estava marcando 0.6 negativos dentro da barraca.
Como no dia anterior, começamos a arrumar o material dentro das mochilas por volta das 6h30, e trocamos de roupa enquanto aguardávamos pelo desjejum. Por volta das 7h30 tomamos café (basicamente pão, ovos mexidos e um mingau de aveia com maça, que só a Letícia comeu - e adorou).
Por volta das 8h15, começamos a caminhar, optando pelo caminho que nos levaria até o Pico Áustria, comentado pelo guia no dia anterior. Contornamos a laguna, com bastante neve, mas ainda bem fácil de seguir. Depois desse trecho, começamos a subir e a neve foi ficando cada vez mais alta. Passamos por alguns pontos muito tensos e o próprio guia estava nervoso, dizendo que havia muita neve e estava com muito frio nos pés. Certamente, era um local para estarmos pelo menos encordados. Eu escorreguei duas vezes (um puta susto) e a Letícia uma vez. Nada muito sério, mas bem tenso!
Depois de quase três horas de ralação, chegamos do outro lado da subida, ao lado de uma laguna muito bonita. Paramos rapidamente para descansar um pouco e recobrar o fôlego. Comemos uma tangerina, preparamos um repositor e logo voltamos a subir.

Perto das 12h15 paramos muito rápido para almoçar (pão duro com atum e outra tangerina). E voltamos a caminhar por uma subida bem tensa, com muitas rochas soltas, mas com pouca neve dessa vez (ainda bem).
A Letícia estava bem cansada e começou a sentir tonturas, parando cada vez mais. Com um pouco de dificuldade, conseguimos chegar ao passo do dia (Apacheta Pass – 5150m). A Letícia optou por ficar descansando nesse ponto, enquanto eu e o guia subimos o Pico Áustria (ou Apacheta Peak – 5330m). Levamos cerca de 35/40 minutos para chegar ao cume de onde temos uma linda vista, que alcança até o distante Lago Titicaca. O Huayna Potosi mostrava sua grandiosidade e podíamos contemplar os vários nevados que rodeavam o Condoriri.

Tirei algumas fotos e logo começamos a descer por um caminho um pouco diferente da subida. Era praticamente uma linha reta, afundando os pés nas pequenas pedras que estavam na encosta da montanha. Logo abaixo, interceptamos a trilha de subida. Reencontramos a Letícia no passo, já mais descansada.
Em poucos minutos, começamos a descer em direção ao acampamento da laguna Chiar Khota. Na metade da descida, mais ou menos, encontramos com o guia de montanha Eliseo, nos despedimos do Celestino (que acelerou para pegar o transporte de volta pra casa) e seguimos para o acampamento.
Duas coisas me aborreceram bastante: o nosso acampamento ficou do outro lado da laguna, mais longe do glaciar e o segundo guia que havíamos contratamos simplesmente não veio. A alegação é que não havia guias disponíveis. Neste momento, me bateu um desânimo enorme. Já haviam comentado comigo que na Bolívia as agências sempre tentam te passar para trás, mas não esperava que isso fosse acontecer justo com essa agência, muito bem recomendada por vários amigos.

Chegamos ao nosso acampamento e ficamos aguardando a montagem da barraca. As 17h30 tomamos um mate e comemos biscoitos. As 19h jantamos (sopa de legumes e como segundo, macarrão e frango), tudo muito ruim. Chorei por uma Coca Cola e ela apareceu. Conversamos um pouco com ingleses e franceses que estavam no abrigo e as 19h45 voltamos para a barraca.
Resumo do dia: morto com farofa!! Precisávamos descansar, pois nos próximos dois dias faríamos todos os preparativos para a nossa tentativa de subir o Pequeño Alpamayo. E isso eu conto em outra oportunidade!

Fabio Fliess
Fabio Fliess

Published on 09/26/2017 21:15

Performed from 07/22/2013 to 07/24/2013

1 Participant

Letícia Fliess

Views

4466

11
Fabio Fliess
Fabio Fliess 09/28/2017 14:27

Fala brother Edson!! Muito obrigado meu amigo... Sobre o perrengue, Bolívia tem histórias piores. Tenso!

Shirley Pacheco de Souza
Shirley Pacheco de Souza 11/14/2017 19:24

Que paisagem surreal!! Lindas fotos...

Fabio Fliess
Fabio Fliess 11/15/2017 18:50

Obrigado Shirley. Também me surpreendi com essa região da Bolívia! Vontade de voltar hoje... rs

Peter Tofte
Peter Tofte 05/23/2018 07:55

Lugar lindo, excelentes fotos! O fotógrafo é pro!

Fabio Fliess
Fabio Fliess 05/23/2018 12:27

Valeu Peter! O lugar é lindo mesmo... E o fotógrafo é superestimado! kkkkkk

Peter Tofte
Peter Tofte 05/24/2018 08:09

Que nada! Merece capa no NatGeo! Graças a estas fotos coloquei Kotia-Condoriri na minha wish list. E dizem que as coisas na Bolívia são baratas.

Tiago Oliveira
Tiago Oliveira 08/28/2018 10:38

Excelente. Por acaso tem o tracklog da trilha (KML, KMZ ou Wikiloc) ?

Fabio Fliess
Fabio Fliess 08/29/2018 09:52

Fala Tiago! Muito obrigado... Na época não tinha GPS. Infelizmente, vou ficar te devendo o tracklog.

Fabio Fliess

Fabio Fliess

Petrópolis - RJ

Rox
3339

Montanhista desde que me conheço por gente!!! Sócio e condutor do CEP - Centro Excursionista Petropolitano. Take it easy e bora pras montanhas! Instagram: @fliess

Adventures Map

3 Posts


6575 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Renan Cavichi, Fabio Fliess and 385 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Fabio Fliess, Peter Tofte and 142 others support the Together page.