AventureBoxExplore
Create your account
SERRA FINA

SERRA FINA

Travessia Tradicional da Serra Fina, saindo de Passa Quatro até Itamonte.

Creio que 2 anos de trilhas me levaram a aprendizados para chegar a este momento, me preparar para uma das mais difíceis (se não a mais difícil) serras do Brasil. Serra Fina.

A Serra Fina possui, em seu trajeto tradicional, 30 km com poucos pontos de água e grandes elevações, chegando a elevação máxima de 2796 mts (Pedra da Mina), ganho de elevação de 2702mtrs e perda de elevação de 2754mtrs.

Antes deste dia, meu maior desafio havia sido a Serra dos Órgãos, localizada entre os municípios de Petrópolis e Teresópolis com 26km e a Elevação máxima de 2216mts (Pedra do Sino).

A Serra Fina foi namorada por mim desde dia que soube de sua existência, e admirada a cada visualização dela, na estrada, no Pico do Marins, Agulhas Negras entre outros pontos.

Esse desafio foi concluído com a sempre parceria do Fabio Japa, Alex e Evandro Jacaré. E assim foi..

Primeiro dia: Destino ao Capim Amarelo

Distância: 5,3km

Altimetria: 2491mtrs

Tempo de trilha: 7,5 hrs

O trajeto foi feito de Passa Quatro com a conclusão em Itamonte. Deixamos o carro na cidade, onde posteriormente, nosso carro resgate, Patrícia, nos levou para o início da trilha para a toca do Lobo.
No meu ponto de vista, este é dia o mais difícil da Serra, com uma grande altimetria, atingir o cume do Capim Amarelo se torna cansativo, principalmente por termos viajado durante a noite para Passa Quatro e com o sol na cuca.

Há 2 pontos de água neste trajeto. Na Toca do Lobo (1,4km) e no Quartizito (2,6km).

Fizemos a primeira parada no Quartizito para reabastecer e respirar ante de encarar a subida para a tão famosa crista. Devido ao cansaço, atingimos o 1° camping antes do cume do CA as 13:30 quando paramos para almoçar e descansar (cochilar rs). Seguimos em frente e com um pouco de custo, conseguimos acampar no cume do Capim Amarelo, mesmo tendo muitas pessoas aproveitando o feriado prolongado para fazer a travessia.

Nosso jantar foi deliciosas panquecas feitas pela Marilia (Esposa do Japa) na qual levamos congeladas, chegando lá em cima com elas no ponto para esquentar.

O momento impressionante foi o nascer da Lua, onde ela veio grande e vermelha. Magnifica.

Famosa Crista

Kaare no Cume do Capim Amarelo Com a Trilha ao fundo

Livro do Capim Amarelo

Segundo dia: Destino ao Pedra da Mina

Distância: 8km (Do Capim Amarelo)

Altimetria: 2796 mtrs

Tempo de trilha: 10hrs

Trajeto com muito sobe e desce, sendo que a primeira parte encara uma grande ‘piramba’ do Capim Amarelo e subida para o Maracanã. Caminho mais tranquilo, mas a motivação de atingir o ponto mais alto da travessia nos motiva.

Este trajeto marca pela distância entre o último ponto de água (Quartizito) e o próximo ponto (Cachoeira Vermelha). Tenho por mim que foi o dia em que mais tive preocupação pela quantidade de água que levávamos, pois, um dos integrantes não havia se atentado as notas que coloquei no grupo sobre as quantidades de água prevista para cada trecho, portanto, tínhamos que auxilia-lo no caso da água dele não ser o suficiente, o que não foi. Mas tudo se resolveu quando chegamos a tão esperada cachoeira vermelha. Almoçamos, nos recompomos e seguimos em frente para o último ataque à Pedra da Mina.

Atingimos o pico mais alto da travessia, nossa alegria se misturava com a necessidade de localizar um ponto para acampar. Outra vez, o fato de estarmos em um grupo pequeno nos auxiliou a acharmos 2 pontos, caso contrário teríamos que descer para o vale do Ruath, onde descobrimos posteriormente que a temperatura chegou a baixo de Zero. Uma garota relatou que a água que estava dentro da bolsa, que estava dentro da barraca, congelou!! Ufa.rs
De cima da Mina, fomos contemplados novamente pela Lua Vermelha e um belo sopão para recompor.

Vista da Descida do Capim Amarelo

Jantar

Por do Sol

Terceiro dia: Destino ao Três Estados.

Distância: 7,3km (da Pedra da Mina)

Altimetria: 2652 mtrs

Tempo de trilha: 8hrs

Tenho por mim como um dia tranquilo, o sol rachando a cabeça como nos dias anteriores e com altimetrias tranquilas, creio também que o peso na mala estava menor e o corpo mais acostumado. Grande dificuldade somente no último ataque ao Pico dos 3 Estados.
Conseguimos um lugarzinho para nossas barracas e bem a tempo pois um grupo grande chegou logo depois e tiveram que seguir em frente.
Tivemos mais um jantar gourmet, com frango e arroz carreteiro.

A Clássica Imagem da divisão dos 3 estados (RJ, MG e SP)

Nascer do Sol Durante o Café

Trilhadeiros

Quarto dia: Destino ao Sitio do Pierre e ao fim da travessia.

Distância: 9,5km (dos Três Estados)

Tempo de trilha: 8hrs

E chega o último dia. No ar a sensação de dever cumprido... o dia começa com energia, vibrante. Me sentia ansioso e realizado por estar no fim. O ânimo era como se estivesse começado ali, naquele momento, sem preocupação com dores ou com o peso da mala.

Descemos o Pico dos 3 Estados, passamos as cristas e paramos no morro Alto dos Ivos, comemos e nos direcionarmos para o sitio do Pierre. Os bambus que nos judiaram em muitos momentos da travessia, parecia que se despedia, abria caminho e dizia ‘Parabéns, missão cumprida’. Momento marcante e emocionante para mim. Antes do sitio á um ponto de água para reabastecer. Logo depois encontramos nosso resgate que nos aguardava.

Despedida dos Bambus


Sem Palavras. By Fabio N.

O que posso dizer?! Desde de 2015 que comecei a trilhar, acampar e subir montanhas. A Serra Fina se tornou um objetivo na qual cada trilha era uma preparação, um aprendizado para este momento. Completar traz o ar de objetivo concluído, obstáculo vencido. E terminar ‘bem’, demonstra também o sucesso da preparação. Claro, pontos a serem melhorados tanto físicos quanto em equipamentos, mas fazem parte para as próximas metas.

Posso dizer que o fator de estarmos em apenas 4 pessoas foi o sucesso de conseguirmos acampar nos 3 principais cumes pois a demanda para este final de semana era realmente muito grande.

Neste período, conhecemos pessoas diferentes, cariocas, mineiros, paranaenses, argentinos, guias a passeio, guias a trabalhos, cachorros de montanhas, corredores, ciclistas, casais, grupos grandes, pessoas sozinhas... todos diferentes, mas com o mesmo objetivo, mesma vibração e umas ajudando outras.

O fim chegou mas sentia energia para seguir mais alguns morros daquela serra... rs teremos que nos ver em breve.

Luiz Lira
https://www.facebook.com/luizcarlos.lira.9

https://www.facebook.com/kAarecorridaeaventura/
www.trilhadeiros.com

Luiz Carlos G Lira
Luiz Carlos G Lira

Published on 12/28/2017 16:16

Performed from 09/07/2017 to 09/10/2017

1 Participant

Fabio Niizoki

Views

2273