AventureBoxExplore
Create your account
Circuito Pico Do Garrafão

Circuito Pico Do Garrafão

Morros SP: Treino da Onça

Circuito Pico Do Garrafão

As boas memórias de Patricia e a necessidade de treinar foi embolada em uma mensagem da mesma me informando que não estava com mal de Alzhaimer, ou seja não havia esquecido que faltava dois cumes maiores de Biritiba e muito menos do desnível previsto que poderia nos surpreender, claro além da pernada entre os cumes que foi dado em aproximadamente 45 km, o que provou nessa aventura que dentro do local é possivel treinar bem para atividades de resistência para Montanhismo, isso se você não puder ir as montanhas clássicas e estiver fugindo de farofa aos FDS.

Fato esse que deveriamos reunir um bom bocado de loucos que precisava treinar, pois para realizar esse circuito pouco atrativo devido as condicões climáticas previstas a encoberta dos visual da beleza, ainda mais que o tempo não colaborou muito e até no último segundo acreditamos em uma melhora do tempo, porém a única coisa prevista foi uma pausa no domingo do clima.

Já sabendo do veredito final do tempo, então tivemos que encostar todos na parede e jogar a real; todos ali precisava treinar, e a data que coincidiu foi aquele final de semana realmente seria injusto não entrar em comum acordo, alguns caíram fora outros se manteve firme igual uma geléia ambulante nesse grupo estou eu lá sem saber para onde ir. Mas que deu certo e para a ação do planejamento sobreviveram; Patricia, Dilson e Jorge e a companhia dos gatinhos do mato rsrs...

Começamos a caminhada já de madrugada, objetivo era começar pelo Pico do Garrafão e cruzar o Pico Peito da Moça, passando por todos os picos que já haviamos passado antes, porém deixamos de lado o maciço que tem as Pedras do Sapo e a Forquilha, isso só se o tempo permitisse. Caminhando a estrada todo com chuvisco pertinentes a noite muitas pegadinhas dos gatinhos, a estrada toda. Chegando no colo do cume tivemos uma breve desorientação, nossa aquele tempo e ainda a noite não deu moleza a nós e dale ombrada acima. Chegando no topo fizemos nosso desjejum até que tinha parado um pouco de chuviscar.

Cume Pico Garrafão

Na hora de partir, fomos ao outro lado para verificar um trecho que faz coligação com a trilha logo abaixo do colo, Jorge aqui tem uma boa orientação visual e agilidade, na parte ao qual ele avaliou iríamos ter uma caída brusca do cume então retornamos, até porque isso seria desnecessário, pois iria tirar todo nosso foco inicial, mesmo estando no caminho de exatidão. Retornamos pela mesma estrada até a bifrucação da trilha para a Pedra da Esplanada, Jorge nunca esteve por lá então apresentamos a Pedra a ele, fato estranho foi um raio do sol que veio em direção a Pedra eu sem perceber tive uma queimada no rosto, opa, alerta ao tempo parei um pouco e observei a direção da neblina serrana além de quente.

Cume Pedra Esplanada

Retorno a trilha rumo ao Pico Itapanhaú, para a refeição principal seguido do breve descanso, chegamos por lá o tempo fechado e o chuvisco iniciou novamente, almoçamos e breve repouso, aqui se perdemos na dimensão de tempo com atraso cerca de uma hora, na real para quem está fazendo esse circuito é uma perda de tempo bem considerável, essa perda fez com que as nossas botas não tocasse a Pedra do Sapo, porém como estava cedo para decretar tal coisa, não teve desânimo, proseguimos. A caminho se vê algumas subtrilhas abertas e com demarcações de algum evento recente na Serra.

Cume Pico Itapanhaú

Começamos a descida já prevendo como estaria escorregadia a trilha, sim teve tombos e quase tombos mas precisamos manter o sorriso na orelha para tal empreitada, chegando no começo da trilha para o Pico Peito da Moça a memória de Jorge começa a ser refrescada visto que ele já esteve nessa rota, então apertamos o passo com várias troca na guiada, paramos um pouco para juntos analisar a previsão de horários e nosso movimento e incluir a nossa segurança, mas o ruim é que com o tempo apertado a neblina começa a fumaçar dentro da mata isso começa a pesar o nosso inconsicente, decisão final trincar no Pico Peito da Moça e descer pela mesma trilha, por precaução de horários, terminando assim o nosso treino. Por esse quadrante terminamos os gigantes? Agora atravessando o rio, nos cumes inexploráveis ou com pouco acesso nem crio perspectiva por enquanto.

Fotos enviada pelos participantes

Cume Pico Peito da Moça ( nomeado devido a observação de sua inclinação, lembrando tal nome)