AventureBoxExplore
Create your account
Morro dos Camelos - PR

Morro dos Camelos - PR

Contemplação de uma história evolutiva nas elevações Paranaense

Morro dos Camelos

O Morro dos Camelos é uma das menores elevações do conjunto Ibiteruçu, cujo suas corcundas varia até 1587 metros altitude, este que por sua vez está inserido na Serra Ibitiraquire. Mesmo sendo menor elevação não deixa a deseja nas paisagens.

Sabe aquela prega que dizem por aí; "Você terá a vista da Montanha que subir"
Pois bem comprovo a realidade desta, visto que o Cume dos Camelos proporciona a vista bem diferente ao percuso tradicional em que fazemos quando subimos pela trilha principal para atingir o ponto culminante do Sul, deixo em destaque a face sul do PP e sua sombra pousando sobre o Pico Tupipiá.
Ainda se vê o Pico Ciririca (K2 Paranaense) e a Ponta do Pico Agudo da Cotia reinando sobre as mais baixas nuvens, claro que tem outras Montanhas famosas por ali, mas as quais me impressionaram foram essas citadas.

Enfim é uma vista isolada ao qual muitos não dão tanto valor assim mas que ali tem conteúdo de sobra em outros ângulos que pode-se dizer passagem da rotina.
Quando li e ouvi dizer daquelas bandas por grandes montanhistas brasileiros a curiosidade de querer ver, ouvir e sentir aqueles sentimentos da trajetórias dentro do montanhismo, foi crescendo, ainda narrados em relatos e entrevistas.
Logo então os motivos foram cravando em mim a ponto de dar mais atenção a face Sul e logo o que me moveram até lá foi;
-Pretendia completar em uma só picada o conjunto , algo que mirei nessa tentativa e mesmo que quando não fosse possível, pois ao longo do planejamento os integrantes do grupo foram mudando, e os ajustes forçados prevaleceu de ao menos ver a silhueta do Pico Tupipiá e a sombra da curvatura do PP pousando sobre o mesmo.
-Perto do A2 com trilha bem demarcada aos 20 minutos já se crava as botas em seu Cume.
-Local tranquilo, sem farofa.

-Ali também tem um ponto de água bom no filete que se estende a todo charco no último vale q dá acesso ao cocuruto.

Reuni o básico de informações e vi que não tinha segredo mesmo as informações sendo escassaz do Morro dos Camelos ( tal nome é dado devido as corcovas similares).
Estava no A2 esperando pelo Dilson, mesmo o Leonardo avisando que ele ia ficar no A1 com as meninada que tiveram esgotamento físico e preferiram atacar o PP na madrugada.
Pouco depois ele chegou atrasado uma hora e meia para seguir em nossos planos, então quando o vi já antecipada da situação conversei com ele sobre a ida ao Morro dos Camelos, juntamente com Douglas Madureira que mal chegou no A2 e já embarcou no papo, como o jovem não falha em missão logo aceitou.
Porém Dilson de longe viu a rasteira da trilha e os dois fundões que se perdia e recuperava no Vale, disse que não ia conseguir, logo imaginei que por precaução Madureira iria subir também, mas num bate-papo descontraído Maduca disse;- E para baixo que se sobe! então logo o sorriso me veio à tona.
Enquanto Dilson subia sentido A2, eu apostava com Madureira quem iria cair no charco de lama primeiro, e assim foi quando à olho clínico foi-se mostrando as silhuetas em visão ampla, então paramos respiramos e contemplamos aquela vista mágica. Ainda para não pegar a escuridão em pleno charco de lama retornamos no gás. Fizemos nossa janta e após eu fui repousar cedo, mas a galera curti fotos e altos bate-papo ficaram em ceia.

Sombra da curvatura do ápice PP pousando sobre o Pico Tupipiá (O Cume esquecido) aqui nessa ribanceira dos Camelos, estou olhando a inédita e ousada via conquistada pelo Montanhista Edson Struminski "Dubois" (in memoriam)

Pico Do Paraná

Para mim é delicado relatar alguma aventura no badalado cume PP, visto que a mais de uma década vem sendo judiado de uma forma cruel, mesmo sendo classificado como uma trilha de intensidade física dificil e ainda existindo anjos do Voluntariado agindo na conscientização ambiental, em uma dosagem mesclada e com alegria de algumas pessoas ao qual tenho admiração e me acompanhram vou relatar um tequinho do Ataque até pontateira.

No início da caminhada, que sempre faz jus ao aquecimento corporal, passando pelo Morro do Getúlio, como estava cheio passei por batida mas não despercebida já alcançando o único ponto de água confiante nessa rota, molhei a goela e prossegui sem delongas o Diego Silva (mais conhecido com Zagaia_por_aí) me alcançou pois tem uma boa abertura cardiopulmonar, dom esse que adquiriu no Altetismo e mantém como ciclista.
Ao longo de nossa caminhada ate o A2 ouvi um pouco de sua história no atletismo e seus planejamentos para o mochilao ao mundo, chegando no A2, tirei um repouso e fui ao Morro dos Camelos conforme relatado acima.
Acordei cedo no A2 , não a muitos que já subia para não pegar trânsito nas escalaminhadas, chamei o Madureira, então seguimos firme em ritmo respeitável, no aquecimento da caminhada encontramos com o casal Edvaldo Silva (Ed) & Arlete Miranda que ambos tem por companheira fiel de aventuras Julia Ramos algumas paradas aqui outras ali, nada que apertasse o calo.


O trânsito humano fluiu bem, mas chegando no Cume não foi diferente do que eu pensava ser, a questão de ter muita gente não incômoda, mas sim a forma que se comportam no local, mas como nem tudo é indignação estava apresentando as elevações e possíveis rotas ao Julian, Leandro de Curitiba observava de longe e chegou mais perto para falar sobre o Pico Ferraria, conversa boa e que rendeu amizade até os dias de hoje. Retornei a base arrumei minhas coisas e fui, café da manhã foi a base de glicose no caminho, chegando na Fazenda aquele almoço regado a coca-cola me esfriou naquele calor danado e superaquecimento rolando morros abaixo, mas claro q antes teve a reidratação. E assim encerro essa aventura.

Ainda as considerações nessa Serra prova que tem bons indícios de praticar e resgatar o verdadeiro Montanhismo, exemplo disso é que há muito tempo o Ciririca e PP tem renome de ser dificil, mas a devastação e alguns Cumes "virgens", a inovação Montonhosa prova não ser mais difícies considerando em termos de navegação e parte física e mesmo os campos de altitude serem menor, a comunidade local faz um trabalho plausível tanto nas caminhadas de exploração para esses tais cumes, como o planejamento de preservação.

Fotos; Douglas Bezerra "Madureira"

5
Dri @Drilify
Dri @Drilify 07/04/2018 18:53

Nossa que fantástico!

Priscila Nascimento
Priscila Nascimento 07/07/2018 16:49

Demais Dri, breve seus olhos e lentes irá contemplar!!!

Leandro Rocha
Leandro Rocha 08/08/2018 10:24

Parabéns, ótimo relato!!!

Priscila Nascimento
Priscila Nascimento 08/09/2018 20:00

Obg Leandro!!

Joao Paulo Gonçalves
Joao Paulo Gonçalves 10/18/2018 22:05

Ótimo relato, muitas vezes deixamos de lados picos menos "populares", mas cada cume é um cume único.