AventureBoxExplore
Create your account
Travessia do SUL ( Pico Araçatuba - Monte Crista)

Travessia do SUL ( Pico Araçatuba - Monte Crista)

O trajeto total da trilha possui aproximadamente 52km de extensão, onde alguns trajetos alternativos podem resultar em distâncias diferentes

Trekking Mountaineering Camping

O trajeto total da trilha possui aproximadamente 52km de extensão, onde alguns trajetos alternativos podem resultar em distâncias diferentes.

Nos dias 15 ao 18 de Junho de 2017 dois dos nosso atletas realizaram o trajeto acumulando 2609m de aclive e 3489m de declive.

Nossa marca de cozinha outdoor (www.redduckoutdoors.com.br)

1º Dia - Araçatuba até Inferno Verde.

A travessia tem inicio na base do Monte Araçatuba - PR em propriedade particular (para quem segue de Curitiba sentindo Litoral pela BR 376, dobrar a direita em uma placa escrito "Matulão" ) onde é necessário pedir autorização para entrar e pagar um valor simbólico para deixar o carro em um estacionamento improvisado. O Monte Araçatuba é considerado a montanha mais fria do Paraná, com uma altitude de 1673m.

O trekking já tem um inicio acirrado pois parte-se de uma altitude aproximada de 800m acima do nível do mar e se chega à 1673m em pouco mais de 2 horas. Somado ao peso da mochila cargueira, mesmo tendo um preparo físico razoável se sente a fadiga do trajeto.

A trilha em si até o topo é relativamente rápida, praticamente todo o trajeto é realizado à céu aberto, ao chegar ao falso cume nota-se que o chão é encharcado mesmo em dia de sol, provavelmente devido as nascentes que ali se encontram e ao piso rochoso que impede a rápida absorção da água. Após 15 min de caminhada chega-se ao cume verdadeiro com uma placa indicativa. A vista é de tirar o fôlego.

O cume do Araçatuba é de certo modo pequeno, abrigaria talvez 3 ou 4 barracas em solo plano, as demais ficariam em terreno irregular e levemente inclinado, o local venta bastante e faz muito frio.( Juz à fama!)

Seguindo após o cume pode-se observar a continuação da trilha por um estreito caminho em meio as montanhas, a impressão é de que vamos mergulhar nas nuvens!! Descendo pela trilha (após ter subido quase 800m) caminhamos pouco mais de 40 min para então a trilha tornar-se mata fechada e chegar ao conhecido inferno verde, um trajeto de aproximadamente 3,5 Km de chão bem escorregadio, muito barro, bastante desnível, muitos troncos e raízes pelo chão, com muita Caratuva (uma espécie com aparência parecida com o bambu) , porém de mais ou menos 2m de altura, deixando a trilha bem fechada, praticamente impossível orientar-se nesse trecho sem o uso de GPS.

Passado esse sufoco, chegamos à um marco de divisa entre PR e SC, o mapa alertava que estávamos próximos do nosso primeiro local planejado para acampamento, o morro da Baleia, porém como saímos tarde na quinta-feira (15 de Junho) bem próximo ao horário do almoço, acabamos não tendo tempo de chegar até o destino planejado para a 1ª noite, logo após o pôr do sol, o tempo fechou, muita garoa e vento forte, resolvemos achar um local e acampar por ali mesmo.

2º Dia da Travessia Araçatuba - Monte Crista.

O dia começou nublado, por volta das 7:00 hrs da manhã nada se enxergava no lado de fora da barraca devido à forte neblina, também ventava bastante e estava frio, o jeito foi aguardar uns 40 min e enquanto isso preparar o café da manhã, ligar o fogareiro (FWS-02), colocar a água para esquentar, separar as fatias de pão caseiro sem glúten e sem farinha branca, ótimo para atividades físicas intensas, pois não da aquela sensação de estômago pesado (Em breve postaremos a receita) e regado à ovo cozido! Que beleza! Quando o sol apareceu deu para secar o exterior da barraca, ao menos de forma parcial, melhor do que guardar ela molhada na mochila, umedecendo todo o equipamento. Alguns aventureiros deixam a barraca pendurada para o lado de fora, nós preferimos colocar ela dentro da mochila, para não haver pontas que enroscam em trilhas fechadas, apenas deixamos a barraca para fora quando ela está muito encharcada. Este dia foi marcado por um extenso trajeto caminhado através das plantações de Pinus de propriedade particular até chegar ao inicio dos campos do Quiriri.

É um trajeto bastante extenso e com poucos locais para coleta de água, boa parte do trajeto se caminha em estrada de chão/barro, com muitos buracos, muita pedra solta, muita erosão, no caminho tem dois riachos de água bem cristalina, e nos trechos de subida se caminha por trilhas fechadas com restos de madeira de pinus e muitas marcas de pneu de trator, devido à extração da madeira, por sorte estivemos com dois reservatórios de água estilo Camelbak e squeezes, totalizando 7L de água fresca e gelada, divididos em 2 mochilas cargueiras. Isso nos permitia estar sempre bem hidratados, poder cozinhar nossas refeições sem nos preocupar e ainda poder lavar o rosto e as mão quando necessário, porém para aventureiros mais experientes essa quantidade pode ser reduzida de forma mais otimizada. Em torno das 17:00 hrs era o horário de começar à procurar um local para acampar, antes do sol se por, o tempo virar e iniciar a neblina, típica nesta região nos fins de tarde de inverno. Conforme descíamos um paredão de pedras e íamos nos guiando pelo som da água e da rota tracejada no Gps chegamos à este riacho, local amplo, bem aberto, arejado, protegido do vento e com marcas e valetas de onde a água passa quando chove muito, dicas essenciais para escolher o melhor local para armar a barraca. Optamos então por armar a barraca à mais ou menos 30 metros do rio, o barulho da cachoeira nessa distância já não era tão alto, porém próximo o suficiente para buscar água na manhã seguinte.

Barraca armada, céu esbranquiçado de tantas estrelas, deu até para contar umas duas estrelas cadentes no vão entre aberto da porta da barraca, em um local que praticamente não se percebe a luz e o som das cidades, ouve-se o barulho dos animais noturnos, morcegos, vagalumes e etc. Hora de preparar a janta, sopa de frango desfiado com batatas! E para relaxar os músculos um bom vinho depois de mais ou menos 32 Km ja percorridos.

Nossa marca de cozinha outdoor (www.redduckoutdoors.com.br)

Robson Müller
Robson Müller

Published on 09/19/2017 16:55

Performed from 07/16/2017 to 07/19/2017

Views

3333

Robson Müller

Robson Müller

São Bento do Sul, SC - Brasil

Rox
20

Montanhista à 10 anos. Mountain Bike desde os 17, Corrida 10K e 21K. Vários Trekkings no Brasil e Exterior. Fundador da Marca www.redduckoutdoors.com.br

Adventures Map
www.redduckoutdoors.com.br

201 Following