AventureBoxExplore
Create your account
Travessia Itaguaré - Marins (S.P.)

Travessia Itaguaré - Marins (S.P.)

Minha primeira Travessia aos 7 anos de idade.

Mountaineering Trekking Camping

Oi pessoal, eu sou a Nicole, tenho 7 anos, fiz a Travessia Itaguaré-Marins em 3 dias, com meu Pai Antonio, mais dois amigos, o Altair, de Itapira-SP e o Pedro de Marmelópolis-MG. Iniciamos no dia 11-12-2018 às 7:45 na base do Itaguaré. O tempo estava muito bom, mas havia a possibilidade de chuva à tarde.

Foi muito difícil a subida para o Itaguaré, parecia uma escadaria que não terminava nunca, muitos “degraus” que eu nem sequer conseguia alcançar, sem uma mãozinha do meu pai ou de meus amigos. Fizemos muitas paradas para eu descansar. Depois de 5 horas e meia chegamos ao acampamento base do Itaguaré. Cheguei a dormir para descançar por umas 2 horas, era previsto acamparmos por lá mesmo, depois, no final da tarde, subimos o Pico do Itaguaré, mas sem as mochilas, não passamos pelo famoso, “Pulo do Gato”, meu pai achou muito perigoso para mim tb. É um lugar muito lindo, dava para ver o Marinzinho, que já havia descido uma vez, fazendo a meia Travessia Marins-Itaguaré em maio de 2018 e o Marins, que já havia subido por duas vezes.

As duas noites estavam muito bonitas, mas a primeira foi melhor ainda porque dava para ver as luzes das cidades lá em baixo. Antes de escurecer eu ajudo meu pai a montar a barraca, separar a comida para o jantar, arrumo nosso quarto, coloco o saco de dormir já aberto pois eu sou a primeira da turma a dormir e como durmo.

Dia 12, meu pai me acordou as 5:45 horas para ver o sol nascer, mas o tempo não deixou, haviam muitas nuvens. Iniciamos a trilha por volta das 8:30 horas em direção ao Marinzinho. Meu pai e amigos estavam economizando água, pois não era certeza de ter pelo caminho, O Altair tinha um mapa (tracklog) que ele pegou na internet (Wikiloc) de um possível local que poderia ter, antes da Pedra Redonda. Felizmente conseguiram achar muita água, mas fora da trilha em um lugar bem escondido o suficiente para nos levar até o Marins. Devido ao horário, eles achavam que pelo ritmo que eu estava, chegaríamos à noite no Marinzinho, pois já era por volta das 17:00 horas, então acampamos no segundo ponto próximo à Pedra Redonda, é um local muito apertado só cabem duas barracas. A noite estava muito bonita tb, mas estavam preocupados com a chuva que estava por vir, mas por sorte ela passou próximo.

Dia 13 e último dia, não acordamos tão cedo pois nesse ponto não dava para ver o nascer do sol, mesmo assim iniciamos a trilha às 9:00 horas aproximadamente. Logo chegamos na base do Marinzinho, mas antes tinha que fazer uma pequena escalada, eu adoro escaladas, meu pai levou minha cadeirinha e uma corda, apesar que ja tem cordas lá, subi bem rapidinho e às 12:20 horas chegamos no seu topo. Paramos para descansar por pouco tempo, pois ainda tínhamos que subir o Marins. Estavam com pouca água até o final da travessia, mas eu tinha bastante para mim, conseguiram pegar um pouco mais na base do Marins, que meu pai chama de “água podre”, por conta da sua cor, fez todo o tratamento com um filtro e colocou cloro também, mas tinha um gosto estranho ele disse. Deixamos nossas mochilas no acampamento da base do Marins, para subirmos sem elas, apenas com um pouco de comida e água, em 45 minutos estávamos no Pico dos Marins, que para mim foi mais fácil ainda pois era a terceira vez que subia e já conhecia os lugares mais perigosas. Eram umas 14 horas e o tempo estava mudando, então não demoramos muito para descer, chegamos ao Morro do Careca por volta das 16:30 horas pegamos um pouco mais de água até chegarmos ao inicio da trilha que vai para o Marins (Abrigo) às 18:40 horas, estávamos aguardando nosso o motorista que chegou meia hora depois.

Eu achei muito legal essa travessia, eu gosto muito de fazer trilhas, iniciei aos 2 anos, indo na cadeirinha e andando aos 5 anos. Hoje já subi mais de 10 picos. Foi muito difícil essa para mim, mas com a ajuda do meu pai e de meus amigos deu tudo certo. Recomendo levarem uns 8 a 10 litros de água se nao forem pegar pelo caminho, para beber e fazer a comida. Pretendo fazer mais uma ou duas travessias ainda, para no fim de junho ou inicio de julho, nas minhas férias, realizar a Travessia da Serra Fina.

Obrigada pessoal, e se quiserem podem me seguir no instagram, vou ficar muito contente: paiefilha_aventureiros

Um beijo tchau

Nicole.

Antonio Gatti
Antonio Gatti

Published on 07/08/2020 00:04

Performed from 12/11/2018 to 12/13/2018

Views

349

7
Bruno Negreiros
Bruno Negreiros 07/08/2020 07:27

Olha aí a verdadeira cultura Outdoor sendo passada de pai pra filha!

Rafael Damiati
Rafael Damiati 07/08/2020 07:36

Mandou bem, Nicole!

Fabio Fliess
Fabio Fliess 07/08/2020 07:45

Esse relato deu gosto de ler. Parabéns Nicole.

Renan Cavichi
Renan Cavichi 07/08/2020 10:46

Demais Nicole e Antonio! Que inspiração!!! Bem-vindos meus amigos!

Antonio Gatti
Antonio Gatti 07/15/2020 14:08

Oi Renan. Muito obrigado, um grande abraço

Magalileonardo
Magalileonardo 07/15/2020 14:38

Muito bem Ni! ... vocês são a minha inspiração! ...

Antonio Gatti
Antonio Gatti 09/02/2020 19:56

Oi pessoal. Obrigado.pela força e carinho pela Nicole ela é uma filha muito especial