AventureBoxExplore
Create your account
Travessia Cobiçado x Ventania

Travessia Cobiçado x Ventania

Hiking de um dia pela travessia Cobiçado x Ventania, na cidade de Petrópolis, Região Serrana do estado do Rio de Janeiro

Hiking Mountaineering

Logística:

Até praticamente dois dias antes não tínhamos nada planejado. Domingo era aniversário do Bruno, mas compromissos e responsabilidades inadiáveis nos impediam de pensar em fazer alguma coisa durante todo o final de semana. Pensamos em escalar no sábado, ou fazer algo simples como alguma caminhada urbana mesmo, só pra mexer o corpo.

Acabou que o Gabriel convidou o Bruno para fazer a travessia, e nosso 'grupo' consistia apenas de quatro pessoas.

A logística para a Cobiçado x Ventania seria ir de carro até o bairro Caxambu, na cidade de Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro. Deixaríamos o carro nas proximidades da Igrejinha do bairro, que é a porta de entrada dessa caminhada. Dali faríamos todo o percurso começando pelo Cobiçado, passando pelo Morro dos Vândalos, contornando a Pedra do Diabo e o Morro do Tridente e chegando ao Alto Ventania. Dali a descida seria até o bar que fica no ponto final da linha de ônibus local. Deste ponto, seguiríamos em caminhada até retornarmos para o local onde o carro ficou estacionado, completando assim, o circuito de forma circular.

Relato:

Pegamos o carro por volta de 6h30 e fomos para a Casa do Alemão, na Av. Washington Luís. Lá esperamos por volta de 10 min até que a nossa carona chegou, o Gabriel e a Patrícia.

Seguimos uma viagem tranquila pela serra até Petrópolis discutindo os assuntos mais badalados do momento: política e covid. Felizmente nosso carro era #FORABOLSONARO.

Levamos cerca de 1h15 até o bairro Caxambu, na Igrejinha de Três Pedras. Estacionamos o carro ao lado da igrejinha e começamos a nos organizar para a travessia.

Por volta das 9h da manhã iniciamos nossa caminhada seguindo a rua pela lateral da igreja, sempre subindo. Até a entrada da trilha, de fato, a partir da igrejinha, tem 1km de caminhada pelas casas do bairro rural.

Igreja de Três Pedras

Vale aqui fazer um comentário. Como eu disse, vamos caminhando por ruas estreitas em meio às casas do bairro. Cuidado, muito cuidado, com os cães. Apesar de estarem 'acostumados' com movimento das pessoas que vão à trilha, eles avançam real e inclusive tentam morder.

Caso tenha problemas com cachorros, seja mordido, etc, lave o local com água e sabão e procure um posto de saúde ou centro médico para atendimento. Como não sabemos se as vacinas dos cães estão em dia, e também há risco de infeccionar a mordida, é necessário atendimento médico e possivelmente vacinação (antirrábica ou antitetânica, o médico indicará o tratamento mais adequado).

Como eu disse, até a entrada da trilha tem cerca de 1km de caminhada, sendo os últimos 100m em trilha plana mesmo. Depois desses 100m, há uma bifurcação: desvio à esquerda ou seguir reto. A trilha tem início nesse desvio à esquerda. Com mato alto, pode não ser possível ver a placa informativa.

Dali a trilha começa por uma floresta mais fechada e úmida, até a vegetação se abrir. Esse trecho, na minha opinião, é o mais desafiador porque tem um desnível de mais ou menos 500m em cerca de 2km de trilha, uma belíssima pirambeira, porém sem dificuldades técnicas.

Fiz essa subida em 2019 e o Sol na cabeça o tempo inteiro transformou essa parte do caminho em algo bem desafiador. Fazer nesse tempo mais fresco foi muito mais tranquilo.

No alto do Cobiçado ventava tanto, mas TANTO, que ficamos nos perguntando por qual motivo aquele pico não se chamar Ventania ao invés do ponto final da travessia. rs

Cume do Cobiçado, ventando pra chuchu, e o tempo meio barro meio tijolo

Ficamos ali tempo suficiente para comer, descansar um pouco, contemplar o que era possível ver através das nuvens e congelar de frio, quando decidimos seguir a travessia.

Do Cobiçado, descemos bastante até um vale mais alto, onde iniciamos outra subida bem forte passando primeiro pelo Morro do Marco e indo até o Morro dos Vândalos, que é o ponto culminante de todo esse caminho, com aproximadamente 1740m de altitude. Até este ponto caminhamos por mais cerca de 1,5km.

Dali, seguimos por uma crista em direção à Pedra do Diabo. Decidimos parar próximo à sua lateral um pouco mais abrigados do vento e do frio para fazer o lanche/almoço mais caprichado. Ficamos um bom tempo ali, que foi o suficiente para eu congelar de frio. Mas, nada que caminhar de novo não resolvesse.

Fomos tangenciando pela esquerda da Pedra do Diabo, até iniciar uma leve descida até o Morro do Tridente em mais cerca de 2km de trilha. Os meninos decidiram subir, nós preferimos caminhar. O tempo estava super fechado, não tinha vista nenhuma, só muito vento, muita nuvem e muita neblina. Eles nos alcançaram pouco antes da descida escorregadia e íngreme que leva ao planalto do Alto Ventania.

Planalto lindão

Depois desse trecho, já no planalto com vegetação mais baixa, praticamente não há variação altimétrica e logo chegamos ao Ventania.

Enquanto tiravamos algumas fotos, um outro cachorrinho surgiu. Muito mais amigável e simpático que os que vimos no início da travessia, ele até se meteu nas nossas fotos, inclusive fazendo pose, mas logo foi embora.

Foto nas plaquinhas do Alto Ventania

Do Ventania até o fim da trilha, seguimos sempre beirando os fios de alta tensão por cerca de 3,5km até o ponto final do ônibus 470, onde há também um bar com banheirinhos limpinhos, que serve almoço, lanches... Ah, e pouco antes do fim da trilha, de fato, há uma cachoeira, caso alguém queira se banhar e ir limpinho pra casa rs

Nossa intenção era ir caminhando até a igrejinha novamente onde deixamos o carro, mas exatamente na hora que chegamos no bar chegou também o ônibus 470. Nos entreolhamos e soubemos que sim, iríamos de ônis depois dos mais de 12km percorridos. Paramos exatamente onde tínhamos deixado o carro, na Igrejinha de Três Pedras.

Ironicamente, assim que chegamos no carro, o tempo abriu.

Considerações:

Essa travessia é linda! A gente caminha com visual o tempo inteiro, anda por cristas, sobe, desce, tem bastante diversidade de mata, flores... Porém, é mais exigente pensando principalmente na gestão de água, já que é seca em toda a sua extensão. Além de ter alguns trechos com mais obstáculos.

São 12km, onde o início é aquele tipo que arranca o couro real, mas depois "só alegria".

Aproveite as paisagens, respeite o meio ambiente e os locais. Mesmo sendo um ambiente aberto, use máscara!

Leve sempre uma sacolinha e, se possível, recolha o lixo que encontrar. Cabe dizer que encontrei pouquíssimo lixo deixado em todo o percurso.

E claro, nada de fazer fogueiras!

OBS importante: o ônibus 470 passa com intervalos de 40 minutos e, no seu caminho, vai até a Igreja de Três Pedras.

Danielle Hepner
Danielle Hepner

Published on 06/30/2021 12:22

Performed on 06/19/2021

1 Participant

Bruno Negreiros

Views

256

2
Fabio Fliess
Fabio Fliess 06/30/2021 12:32

Uma das minhas travessias preferidas na terrinha!!!! Parabéns pelo relato, Dani. Fez jus a beleza dessa trilha!

Bruno Negreiros
Bruno Negreiros 07/01/2021 18:47

Trilhãaaaaooo... melhor ainda com o busão no fim!!

Danielle Hepner

Danielle Hepner

Rio de Janeiro - RJ

Rox
2158

nerd! professora de matemática apaixonada por montanhas, viagens, doguinhos e ukulele.

Adventures Map

8 Posts

See More

1258 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Fabio Fliess, Renan Cavichi and 405 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Bruno Negreiros, Renan Cavichi and 156 others support the Together page.