AventureBoxExplore
Create your account
Relato de Trekking: Torres del Paine 2015

Relato de Trekking: Torres del Paine 2015

Relato de viagem: Torres del Paine (Chile)

Trekking Mountaineering Camping

Sabe aquela viagem que dá tudo errado, mas que no fim dá certo? Para mim, são as melhores. É quando a gente volta com as melhores histórias para contar. É fácil achar relatos aventurescos, heroicos, descritivos, turísticos ou técnicos sobre as famosas trilhas do Parque Nacional de Torres del Paine, na Patagônia Chilena. Li vários, anotei tudo, fiz uma pesquisa razoável. Mas por mais que você faça isso (e acredito que deve fazer), algumas coisas sempre serão inusitadas.
Entrada do Parque: primeiro trecho de caminhada


Saí de São Paulo em meados de abril, outono, as folhas já caindo das árvores… Cheguei a noite e já comecei caindo no conto do táxi barato. Paguei o triplo do preço de uma corrida normal até a cidade. Só descobri isso na volta, 10 dias depois. Não tem shuttle (serviço de traslado) à noite. Nem ônibus. Fui direto ao hostel que tinha reservado. O Hostel 53 Sur. Atendimento prestativo, simpático, tudo bem simples e tranquilo.

No dia seguinte, pela manhã, fui caminhando pela cidade, sob uma leve garoa, até os terminais de ônibus. São 3 na cidade, cada companhia de ônibus com o seu. E peguei um ônibus às 10 horas até Puerto Natales, cidade litorânea do Chile a 3 horas de viagem de Punta Arenas, mais próxima do parque. Minha ideia era adquirir alguns suprimentos em Puerto Natales e já pegar um ônibus para o parque na rodoviária. Ideia risível do ponto de vista da atendente do guichê de passagens, que com toda a simpatia e/ou sarcasmo, me explicou que fora de temporada só há um único horário de ônibus, as 7:30h. Arrastei minha cara de decepção até o balcão de informações e indaguei sobre a localização de hostels nas proximidades. Encontrei o Hostel La Estancia Patagônica bem perto da rodoviária, para facilitar a volta no dia seguinte. Tendo a tarde toda livre para desfrutar do que quer que o universo me apresentasse naquele lugar, fui providenciar algumas coisas.
Puerto Natales

Comprei gás para o fogareiro, comida, troquei dinheiro na casa de câmbio, fiz umas fotos na orla, tomei um café na cafeteria/padaria/restaurante/bistrô Angélica's, travei uma excelente discussão sobre política internacional com a proprietária, e jantei o segundo melhor bife de chourizo da viagem, com direito a um bem servido ceviche de entrada. Voltei para o hostel totalmente preparado e bem nutrido para os 9 dias de caminhada intensa que o chamado circuito “O” iria apresentar-me. Iria…

De volta ao hostel o dono me alertou que talvez o circuito “O” estivesse fechado naquela época do ano. Tentei contactar o parque, mas não consegui. Já era noite. No dia seguinte, peguei o ônibus e cheguei as 10h na entrada do parque, recebendo a notícia de que realmente o circuito “O” estaria fechado. Eu não poderia fazer a volta toda no parque. Teria que optar pelo circuito “W”, menor, entrando por uma portaria e saindo por outra. Eu já tinha perdido 1 dia em Puerto Natales mesmo, os planos já estavam comprometidos, então decidi fazer o circuito “W” mesmo, em 6 dias, em vez dos 4 ou 5 habituais. (veja aqui o mapa oficial do Parque Torres del Paine).

Comecei a caminhar às 10h30, saindo da Portaria de Laguna Amarga, entrada do parque. Poderia ter pago uma van para ir até o Hotel Torres, economizando 1h30 de caminhada (7,5 km) numa estrada de terra, mas estava sem pressa e finalmente estava no parque! Depois da primeira ou segunda curva na estradinha, já se vê as torres, e para todo lado que se olha, há o que fotografar. Lhamas pastando, pássaros, coelhos, árvores, riachos, uma paisagem que fez este pequeno trajeto até o início da trilha valer cada minuto de atraso. E foi um belo atraso.
Hotel Torres

Cheguei por volta das 13h na Hotel Torres. Um hotel pomposamente surreal no meio de um lugar tão inóspito, mas que possibilita aos bípedes com mais necessidade de conforto um gostinho do que é a Patagônia. Tem até uma lojinha para quem esqueceu alguma coisa, vendendo desde gás, saco de dormir, até protetor solar, ou bolachas.

Ali começa a trilha.


Foram 3 horas de subida até o Refúgio Chileno. Quase 1000 metros de desnível, nos quais o rapaz que vos narra carregou nas costas 3 dias a mais de comida que já não seriam necessários, e que só percebeu quando parou lá em cima para um breve lanche. O lanche acabou virando um banquete, um desespero vexatório de consumir toda aquela comida o mais rápido possível para aliviar o peso extra, pois não se pode jogar comida fora, e todo lixo deve ser levado consigo. O povo que me espiava do lado de dentro do restaurante aquecido do Refúgio Chileno, tomando seus chocolates quentes, deve ter ficado com a visão estarrecedora de um pobre esfomeado atacando ferozmente uma profusão de maçãs, lanches e frutas secas como se fosse a primeira refeição de um urso após os meses de hibernação. É possível subir até o Refúgio Chileno a cavalo também, desde o Hotel Torres.

Após me recompor desse momento de estupidez e com a mochila uns 2 kg mais leve, continuei a caminhada até o acampamento Las Torres por mais 2 horas de subida, na companhia de uma garoa fria e inconveniente.

Cheguei, montei o acampamento, tirei um leve cochilo para esperar a “cozinha” dar uma esvaziada e fui fazer o jantar. No parque, as áreas de cozinhar são limitadas e em geral consistem em um telhado e alguma proteção contra o vento. Cozinhar em qualquer outra área é crime ambiental, valendo multa, trabalho comunitário, prisão...

Não havia muitas pessoas no parque nessa época, mas as “cozinhas” são espaços pequenos, escuros, com paus e pedras no lugar de mesas e cadeiras, e pode ficar bem tumultuado. A galera geralmente acorda bem cedo, e sobe ainda no escuro até o Mirador las Torres, para pegar o nascer do Sol. Preferi acordar mais tarde, estava bem cansado e a noite esfriou muito e tudo amanheceu congelado. Tomei um café reforçado e comecei a subir quando o povo começou a descer.
As Torres

Passei o resto da manhã sozinho lá em cima. As Torres e eu, num silêncio absoluto. Perdi o nascer do Sol, mas ganhei uma paz que não tem preço. Era o que eu buscava nessa viagem. Deixei-me atrasar por lá, fazendo umas fotos, fatiando um salame e pisando na neve que em alguns pontos já se acumulava. Voltei para o acampamento, tomei outro café, um lanche, desmontei tudo e parti para a próxima parada.

A trilha é basicamente um retorno pirambeira abaixo até o Refúgio Chileno, e um desvio próximo ao Hotel Torres, em direção ao Refúgio Los Cuernos, a 16 km. Grande parte da trilha tem uma bela vista do lago Nordenskjold, avistam-se muitas aves e eventualmente um coelho ou outro, pois os calafates e murtillas estão dando frutos nessa época.

Cheguei em Los Cuernos às 19h. Paguei 7.500 pesos chilenos no camping (lá tem banheiros limpos e chuveiros que praticamente soltam água quente, ou uma leve lembrança de calor. E também tem um restaurante), montei a barraca, fiz o jantar, e fui dormir. Pela segunda noite, dormi mal. Dessa vez não foi a geada, mas um rato possuído pelo inebriante cheiro de salame que estava dentro da panela, que estava fechada, dentro de uma sacola, que estava dentro de um saco plástico, que estava dentro da mochila, dentro da barraca. O danadinho me infernizou por horas! Fiz barulho, saí da barraca, joguei o lixo fora, e ele continuava arranhando e correndo em volta da barraca. Fiquei na espreita, dei um susto nele com a lanterna, lhe disse uns impropérios, tentei dormir… Ele furou a barraca, riu da minha cara e deixou claro que não ia desistir. Aceitei o desafio e bolei um contra ataque: tapei o furo com silver tape, fiz uma armadilha com fitas no piso da entrada, e fiquei na espreita com a lanterna. Ele passou por cima das fitas, passou ileso pela armadilha, e foi roer o furo novamente. Desisti. Guardei tudo na mochila e sai da barraca. Fui tentar guardar a mochila dentro do refúgio, ou dormir lá dentro, mas já estava tudo fechado. Acabei desmontando a barraca na madrugada e montando 100 metros mais acima, tentei dormir. Novamente barulho de rato rodeando a barraca. Pensei em largar tudo e ir dormir no banheiro, mas acabei botando o fone de ouvido e cobrindo a cabeça. Precisei encarar o banho vagamente quente para acordar e tomar café. Só às 10h30 consegui desmontar tudo e começar a andar.

O terceiro dia foi mais curto. Meio-dia eu já chegava ao Acampamento Italiano e depois da batalha épica com o rato, decidi passar a tarde deitado à beira do rio ouvindo o barulho da água. Era possível ouvir algumas avalanches à noite, vindo das Torres ou dos Cuernos, tal era o silêncio. Consegui dormir um pouco melhor, pendurei a comida numa árvore, mas acordei bem cedo para não perder o nascer do sol dessa vez. Saí primeiro que todo mundo, atravessei o Vale Francês e cheguei no mirador Britânico às 10h. O nascer do sol combinado com as cores da vegetação no outono, me propiciaram a paisagem mais incrível de toda a viagem.O nascer do sol no mirador Britânico

O mirador dá uma bela vista do Vale Francês, entre o Cerro Castilho, o Cerro Paine Grande e Los Cuernos del Paine. De volta ao Acampamento Italiano, fiz um café/almoço, desmontei tudo, e caminhei 3 horas até o Acampamento Paine Grande. Esse trecho foi um pouco triste de ver porque a vegetação seca ainda apresenta muitos sinais do último incêndio que aconteceu no parque em 2011.


Às 17h avistei o Hotel Paine Grande, a lojinha de guloseimas, o lago, e um casal tomando vinho na janela embaçada pelo aquecimento interno. Paguei o camping ao lado e fui preparar o jantar. A cozinha desse camping é mais aprazível. Tem mesas, cadeiras e até uma pia. Um coelho chafurdava pelo gramado e fiquei pensando se ele não teria más intenções como o rato. O coelho não apareceu, mas mandou uma chuva torrencial que durou a noite toda e provocou algumas goteiras impertinentes na barraca. Uma delas insistia em gotejar na minha cara tornando impossível meus esforços em sonhar com campos verdejantes e ensolarados. Mudei de lado, tentei fazer um telhado com um saco de lixo, e passei outra noite mal dormida.

A cozinha estava cheia pela manhã, mas consegui um canto pra fazer um chá, um café, comer um pão com Amendocrem e esperar a chuva parar. Às 10h30 tinha conseguido secar as coisas na medida do possível e partir para o Acampamento Grey. Peguei uma neblina incrível sobre a Laguna Los Patos e perdi umas boas duas horas tirando fotos ali. Acabei chegando só às 16h no acampamento Grey.
Neblina na Laguna Los Patos

Ali também tem um hotel que os turistas podem chegar de barco, pelo lago Grey, tem uma lojinha onde me permiti comprar uma Coca-Cola, e a área de camping que fica num bosque um pouco à frente. Montei a barraca e fui até o mirante ver o Glaciar Grey.

É uma vista incrível, e mesmo com o céu nublado e o tempo virando, é difícil desviar os olhos e sair de lá. Encontrei uns estudantes americanos que estavam cabulando as aulas de intercâmbio e consegui que um rapaz (de bermuda e chinelo!) tirasse uma foto minha.

A cozinha do acampamento Grey é bem abrigada e também tem mesas e cadeiras. Estava bem movimentada à noite. Acabei esquecendo a lanterna na barraca e retornei tropeçando pelo bosque até encontrar a barraca. Voltei do Grey para o Paine Grande ao meio-dia da manhã seguinte. O tempo estava ótimo. Pensei em ficar mais um dia ali, antes de me dirigir para a portaria e sair do parque. Não tinha mais dinheiro para ir embora de barco até a portaria, então montei acampamento e decidi que levantaria cedo no dia seguinte a tempo de caminhar e pegar o ônibus.

O pôr do sol foi incrível, mas posso dizer que essa noite foi a pior de todas (ou a melhor, dependendo do ponto de vista).


Até o jantar, e um merecido banho quase quente, me retirei para meus aposentos. E já tive um duelo hercúleo com o zíper externo da barraca. O zíper ganhou. Deixei aberto. Um vento frio entrava, mas não parecia que iria piorar. Piorou. Por volta das 23h começou a chover e a ventar mais forte.
Barraca instalada no acampamento Grey


Saí para ver se a barraca estava bem presa, e voltei molhado. Me enfiei no saco de dormir, a porta da barraca chacoalhava igual língua de cachorro pra fora da janela do carro. O vento dobrava o teto da barraca até quase alcançar meu rosto. Por um tempo fiquei sentado escorando a lateral. Começou a gotejar. A barraca estava dando claros sinais de que iria desistir daquele sofrimento todo e ir fazer outra coisa da sua vidinha de barraca. Em algum momento caí de sono e acordei com uma neve caindo no rosto. Já amanhecia, resolvi me refugiar na cozinha. Peguei a mochila e percebi um furo na lateral. Para completar a noite, o rato, ou o coelho, tinha encontrado algo ali.

Não estava com humor nem clima para andar até a portaria da sede do parque. Acabei comprando um chocolate no hotel, paguei com cartão e muito gentilmente eles me deram algum troco em dinheiro para que eu voltasse de barco. Também foram muito gentis deixando que o pessoal que habitava 3 barracas que explodiram à noite devido ao vento forte, dormissem no corredor do hotel.
Puerto Natales

De volta a Puerto Natales, voltei ao Angélica's, e pedi o maior bife que eles tivessem. Me parabenizei pelo sucesso da missão e apesar de todos os perrengues, e talvez justamente por causa deles, eu estava muito, mas MUITO feliz!
Feliz!

A Patagônia em geral é incrível. Uma das regiões mais bonitas do planeta. Os parques do Chile são bem conservados, bem valorizados, e o povo realmente se preocupa com o meio ambiente. Poucos lugares no mundo fui tão bem recebido quanto na província de Magallanes. Valeu cada perrengue.

James Vaccari
James Vaccari

Published on 09/01/2021 19:33

Performed from 04/15/2015 to 04/30/2015

Views

15

3
Cerveza Patagonia
Cerveza Patagonia 09/06/2021 14:11

James, grande exploração em terras patagônicas... Parabéns pela aventura!

James Vaccari
James Vaccari 09/08/2021 19:57

Obrigado! Um brinde à Patagônia.

Jayme Queiroz
Jayme Queiroz 09/12/2021 10:59

👍👍👍

James Vaccari

James Vaccari

São Paulo

Rox
83

Entusiasta de montanhismo, caminhada, escalada, mountain bike, bikepacking, caiaque oceânico, packrafting, ski, fotografia e expedições.

Adventures Map

61 Following