AventureBoxExplore
Create your account
Relato de viagem: Travessia entre Petrópolis - Teresópolis

Relato de viagem: Travessia entre Petrópolis - Teresópolis

Travessia entre Petrópolis e Teresópolis pela Serra dos Órgãos

Trekking Mountaineering Camping

Acordei com o dia ainda escuro. Segunda-feira. Coisa raríssima em dias normais de trabalho. Mas eu estava de férias e isso, sabemos, faz milagres! Não é? Tinha passado o final de semana em Petrópolis. Havia chovido sem parar desde o dia anterior. E ainda chovia. A previsão era que a chuva parasse, mas não estava com cara de que isso iria acontecer. De qualquer forma, o plano era ao menos ir até a portaria do Parque Nacional da Serra dos Órgãos e ver se os guardas nos deixariam entrar.

Pegamos o ônibus no Terminal Central de Petrópolis até o Terminal de Correias. E de lá um ônibus até o bairro do Pinheiral. Segundo o recepcionista do hostel, saberíamos que estaríamos próximos ao parque quando avistássemos plantações de alface em colinas de mais de 30º de inclinação o que, afirmava ele, era bastante surpreendente para plantações de alfaces. As alfaces realmente estavam lá, devidamente inclinadas, e às 7h30 preenchi a papelada na portaria. Faríamos a travessia de mais ou menos 30 km em 3 dias, e se tudo desse certo, estaríamos em Teresópolis na quarta-feira a tarde para o café.

A Travessia Petrópolis-Teresópolis é uma das caminhadas mais clássicas do Brasil. E na minha opinião, uma das mais bonitas. Em 2008, eu já havia percorrido (com tempo aberto e com um grupo de bons montanhistas) essa mesma trilha. Mas não me lembrava de muita coisa. Cheguei a ler alguns relatos que diziam ser imprescindível a contratação de um guia, que era muito difícil sem um GPS, que muitos se perdiam por lá, que era difícil a navegação, com a típica e constante neblina da serra. Quanto mais eu lia, mas eu queria me perder por lá! Eu queria ser o guia, queria chuva, queria neblina e queria toda essa dificuldade. Um desejo incompreensível para muitos, mas uma terapia pra mim. Realmente não é fácil e não se deve subestimar. Mas dois amigos incautos compraram a ideia e estava formada a “equipe”. Por precaução, arrumei um mapa aceitável, bússola e o guia de trilhas do Guilherme Cavallari (que ajudou e recomendo bastante, apesar de uma ou outra das bifurcações citadas não existirem mais).

Também fiz reserva para dormir nos abrigos do parque, para não ter que carregar barraca e isolante térmico. Quando fiz a travessia da primeira vez, o Abrigo do Açú não existia, e o Abrigo do Sino, estava interditado. Os abrigos agora tinham “cozinha completa”, como diz no site PARNASO, mas não especifica se é uma cozinha Masterchef ou uma cozinha das cavernas. Na dúvida, levei panela, fogareiro e talheres desnecessariamente (ou quase, pois acabei usando).
Logo nos primeiros minutos de trilha, saímos dela e pegamos a trilha para a cachoeira Véu de Noiva, que eu não conhecia. Um desvio de cerca de 1h, ida e volta, que vale pelo visual, mas que parecia repelentemente fria para um mergulho matinal.

Esse primeiro dia de caminhada é basicamente uma ascensão dos 1.100 m da portaria até os 2.245 m dos Castelos do Açú. Um subidão que faz você pensar nas suas escolhas, no sentido da vida, nos dias que você teve preguiça de se manter em forma.

Mas descontando as paradas e desvios, foram três horas e meia por 7 km de caminhada até o Abrigo do Açú. O Abrigo do Açú é uma casa com uma cozinha, 2 quartos com beliches, e um sótão para bivaques. Supostamente também alugariam barracas, mas tinham todas sido destruídas pela chuva do dia anterior.


Chegamos às 13h30, onde fomos muito bem recepcionados pelo guarda Sidnei. O Sidnei também estava abrigando um grupo de 6 pessoas que haviam se perdido no dia anterior, dormido na chuva e resgatados pela manhã. Haviam problemas com a bomba de água, impossibilitando banhos, economia de gás e problemas com a troca da guarda. O camarada que deveria substituir o Sidnei não apareceu, e ele ficaria mais dias do que o programado. Os guardas passam alguns dias lá, sem voltar pra casa, e abastecem o abrigo com o que conseguem carregar nas costas (inclusive o botijão de gás!). Não achei muito legal a forma como a administração do parque conduz a logística e manutenção dos abrigos, nem a relação com os funcionários. Na próxima, levo minha barraca e me abstenho de participar desse sistema.

Depois de jantar, cansado, dormi antes das 21h30 e acordei para o nascer do Sol. Prometia um dia lindo. Só que não.

A caminhada no segundo dia é um sobe e desce sem fim pela serra, sentido Pedra do Sino. Logo no primeiro morro, a neblina veio e o dia promissor passou a ser branco. A aclamada vista da Serra dos Órgãos estaria oculta pelas nuvens. Uma selfie ali, ou uma selfie em casa com um lençol branco de fundo, ficaria igual.
Mas com a neblina, veio o desafio da orientação, entre as subidas e descidas por lajes de pedra, com pouca ou nenhuma sinalização e trechos expostos.

Nesse segundo dia apresentam-se os principais “obstáculos” da caminhada: o Elevador e o Cavalinho. O primeiro uma longa escada de vergalhões cimentados na rocha morro acima. Dá uma certa palpitação, mas não chega a ser traumático. E o segundo uma "escalaminhada" exposta, com um penhasco do lado. Subi primeiro e depois fizemos um sistema para subir as mochilas por corda, minimizando a paúra. Divertido, mas que exige um certo cuidado.

Passados os obstáculos sem maiores percalços, chegamos ao abrigo do Sino por volta das 13h30. Dessa vez fomos recebidos pelo guarda Ricardo, que nos ensinou a jogar Sueca (um jogo de cartas popular no Rio de Janeiro) e nos surpreendeu com seus truques de mágicas com baralho.

Por volta das 2h da manhã, acordei com um barulho inesquecível (veja relato sobre Torres del Paine), em meio às mochilas. Um ratinho vasculhava as coisas, abriu uma caixa de suco de laranja, comeu algumas castanhas, e se atreveu a mordiscar meu pacotinho de Gummy Bears. Aí foi a gota d’água! Levantei, virei a mochila do avesso e parti na captura do meliante. Era hora de estrear uma headlamp nova, recém comprada, e cegar o bicho com os potentes 170 lúmens emitidos pelos 4 leds de máxima tecnologia. Ou não… Liguei a lanterna e nada. Troquei as pilhas e nada. Tentei voltar a dormir, mas o rato começou a rir da minha cara. A equipe acordou e nos colocamos à caça! Depois de 1h vasculhando tudo, o rato fugiu triunfante e tivemos que nos resignar aos nossos sacos de dormir. No dia seguinte, fizemos café e arrumamos as coisas enquanto o guarda Ricardo nos informava que o Marshmallow era o roedor de estimação da casa e estava habituado a brincar com as visitas de madrugada.


O terceiro dia é só descida. Começou com neblina de novo. Tinha geado à noite e a grama estava coberta de gelo. Mas logo ao entrarmos na encosta com vista para Teresópolis, o sol apareceu esquentando tudo. Chegamos rápido na saída da Travessia, antes do meio-dia. Missão cumprida. Nos parabenizamos tão efusivamente quanto as dores nos joelhos nos permitiam, mas tinha ficado uma leve frustração de não ter visto muita coisa.

A caminho para a saída do parque, passamos pela entrada da trilha do Mirante. Estava ensolarado, sem neblina e a placa indicava 1h de subida.



Valia um último esforço para ver o que não tínhamos visto. Para tirar aquela foto de cartão-postal da Serra dos Órgãos, com o Escalavrado, o Dedo de Nossa Senhora, o Dedo de Deus, a Cabeça do Peixe e todos os “tubos do órgão” que dá nome à serra. Logo no começo da subida, um transeunte me informou que estava tudo claro e visível lá em cima. Cheguei 40 minutos depois no cume.


Ou o cara me sacaneou, ou ligaram a máquina de neblina no máximo. Não se via nada. Gastei uns 20 minutos de esperança, e desci, chateado. A chateação só durou até eu tomar uma coca-cola gelada. Tinha sido uma ótima caminhada afinal. Tinha realizado o que eu queria e tudo tinha dado certo. A neblina que encobriu tudo, no fim, vai me servir de pretexto para voltar outra vez. Cada vez uma experiência diferente. E a experiência é o que vale.

Finalizamos com um café supimpa no Café São Telmo, e voltamos dormindo para São Paulo.

P.S.: Gostaria de deixar registrado aqui os meus mais sinceros agradecimentos ao pessoal do SESC Teresópolis pela gentileza de nos permitir tomar um banho quente, gratuitamente, depois de 3 dias de caminhada!

James Vaccari
James Vaccari

Published on 09/08/2021 20:15

Performed from 09/08/2016 to 09/10/2016

Views

8

James Vaccari

James Vaccari

São Paulo

Rox
88

Entusiasta de montanhismo, caminhada, escalada, mountain bike, bikepacking, caiaque oceânico, packrafting, ski, fotografia e expedições.

Adventures Map

61 Following