AventureBoxExplore
Create your account
Ushuaia - O Fim do Mundo

Ushuaia - O Fim do Mundo

Breve passagem por Ushuaia / AR, onde fizemos o Canal de Beagle, a Senda Costera no Parque Nacional Tierra del Fuego e o Glaciar Martial.

Navigating Hiking Mountaineering

Roteiro: Canal de Beagle, Senda Costera no Parque Nacional Tierra del Fuego e Glaciar Martial
Participantes: Keila Beckman, Tatiana de Cássia e Michele Seguezze
Fotos: Keila Beckman, Tatiana de Cássia e Michele Seguezze
Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=b_3hz-1E2Fs

Em outubro de 2013 parti para minha primeira viagem internacional com mais duas amiga de montanha, Tatiana de Cássia e Michele Segueze. Nossos destinos seriam Ushuaia, El Calafate, El Chaltén e Puerto Natales.

Nosso planejamento previa um gasto de R$ 2.000,00 + passagem aérea, sem qualquer gasto com supérfluos. No final da viagem eu havia gasto bem mais que isso, porém minha amiga Tati, que seguiu quase a risca o planejamento gastou apenas R$ 500,00 a mais que o previsto.

Viajamos pela Aerolíneas Argentinas, pela compra combinada de passagens aéreas (multi-destinos) que englobou 3 vôos, sendo Brasil-Ushuaia, Ushuaia-El Calafate e El Calafate-Brasil. O valor total da compra combinada de passagens pelo sistema multi-destinos ficou em R$ 1080,00.

Neste relato tratarei apenas da passagem por Ushuaia e posteriormente postarei os relatos dos demais destinos desta viagem.

Primeiro dia: Conhecendo Ushuaia

Nosso vôo para Buenos Aires partiu as 3:00 da manhã do dia 22 de outubro do Aeroporto Internacional de Guarulhos. Apenas a Tati e eu embarcamos neste dia pois nossa amiga Mih acabou tendo alguns percalços pelo caminho que a fizeram perder o vôo, tendo embarcado somente no dia seguinte. Chegando a Buenos Aires fizemos a troca de Terminal e embarcamos rumo a Ushuaia.

Viajar durante o dia neste trecho foi sensacional. Pudemos avistar toda a Cordilheira dos Andes, lá de cima. Ficamos encantadas com toda aquela vastidão de montanhas branquinhas; Ficamos mais encantadas ainda quando o avião pousou e percebemos que as montanhas estavam todas bem pertinho de nós.

Assim que colocamos nossos pés para fora do Aeroporto pudemos sentir pela primeira vez o frio da Patagônia. Senti como se estivéssemos entrando numa câmara frigorífica. Mas o clima por lá estava melhorando, disseram. Parece que os dias anteriores foram de fortes nevascas e muito mais frio do que estava fazendo.

Pegamos um taxi (ARS 50,00) e fomos para o hostel La Posta, onde ficamos em um quarto com 4 camas durante nossos 4 dias de estadia em Ushuaia.

Check in feito, fomos dar uma volta para conhecer a cidade. O Hostel era meio afastado do centro, coisa de uns 40 minutos andando , mas nada como pernas de trilheiras para desbravar aquele lugar sem gastar um tostão sequer.

Tudo era muito lindo, mas nossos olhos teimavam em olhar para um só lugar.... as montanhas.... bem lá no alto, tão imponentes, abraçando a cidade com toda sua imensidão.

A todo momento eu pensava: " quero subir uma montanha dessas", sem nem ao menos saber se isso seria possível para uma pessoa tão inexperiente. Mas eu queria mesmo assim. E assim foi.

Coversei com a Tati e decidimos cortar um dia de trilha no Parque Nacional Tierra del Fuego, para ir até o topo de uma daquelas montanhas. Esperaríamos, no entanto, a chegada da Mih para ver se ela concordava com a mudança nos planos.

Voltamos para o hostel empolgadíssimas e logo fomos falar com a recepcionista Flora que nos indicou um guia, que cobrou ARS 400,00 por cabeça, para nos levar até o Glaciar Martial, quem fica em uma antiga estação desativada de esqui de Ushuai.

A noite fizemos o nosso jantar, na cozinha do hostel, com algumas coisas que compramos no supermercado durante as nossas andanças, conversamos um pouco e logo fomos dormir.

Segundo dia: Canal de Beagle

No dia seguinte seguimos com o planejamento e fomos fazer o passeio pelo Canal de Beagle. Para chegar até o cais pegamos um taxi (não me lembro do valor pago , mas foi bem baratinho) .

Pagamos cerca de ARS 300, mais taxa portuária de cerca de ARS 10,00, pelo passeio em barco, com duração de aproximadamente 3 horas, até bem próximo as Ilha dos Lobos Marinhos, Ilha dos Pássaros e do Farol Les Eclaireus, comumente chamado Farol do Fim do Mundo.

Olha.... foi muito gostoso sentir o frio congelante daquele canal, foi muito lindo ver os bichinhos em seu habitat natural, ver o farol colorido dando mais beleza ainda as composições fotográficas, ver Ushuaia pequenina envolta pelas montanhas branquinhas da cordilheira, mas é um passeio turistão demais. De qualquer foma eu não deixaria de conhecer o tão famoso Canal de Beagle só por causa disso. A dica é entrar no clima e procurar aproveitar da melhor forma o que nos propomos a fazer.

Na foto acima podemos avistar o Glaciar Martial (espaço branco na forma de um morcego na montanha bem ao meio), destino do nosso próximo dia.

Depois que voltamos do passeio fomos até um restaurante alí na rua principal do centro (bem próxima ao cais). Como estávamos famintas entramos no primeiro que vimos e quebramos a cara. Pagamos cerca de R$ 40,00 reais cada para comer comida fria. O self service só servia comida fria. Não me pergunte porque.

Depois disso pegamos um taxi (não lembro o valor, mas foi bem baratinho) e voltamos ao hostel onde finalmente encontramos com a nossa amiga Mih, que tinha chegado. Contamos sobre o Glaciar Martial e ela topou na hora.

Neste mesmo dia conhecemos o nosso guia Nicolas Wolaniuk, com quem acertamos todos os detalhes da subida ao Glaciar Martial. Após isso fizemos o nosso jantar, tomamos um banho, conversamos um pouco e fomos dormir.

Terceiro Dia: Glaciar Martial

No dia seguinte acordamos, tomamos nosso café correndo, pois estávamos atrasadas, e partimos nós três com o guia e mais um rapaz americano para o início da trilha que levava até o Glaciar Martial, às portas de um tipo de lanchonete.

Chegando ao local vestimos as polainas e seguimos montanha acima por uma estradinha.Logo a estrada foi sendo consumida pela neve até o ponto em que nos encontramos envoltos por toda ela. A paisagem que se apresentava aos nossos olhos era simplesmente linda. As árvores secas em meio a toda aquela neve e com a montanha de plano de fundo davam um ar meio misterioso ao lugar.

Continuando a nossa caminhada, chegamos a um campo aberto onde só se enxergava neve e alguns trechos de rocha. Conforme íamos caminhando a inclinação ia aumentando e a dificuldade em se andar sobre a neve fofa também. Não chega a ser uma subida difícil, mas exige um certo condicionamento físico.

Certa hora paramos para tomar um chá, para nos esquentar, mas em pouco tempo já estávamos todos enfileirados sobre a neve novamente rumando montanha acima. Paramos por mais uma vez apenas, em um trecho de rocha, para colocar os crampones e prosseguir na caminhada já sobre o Glaciar Martial, até a asa esquerda do morcedo (que mencionei no dia anterior) onde o nosso guia nos deu uma breve explicação sobre a origem do mesmo e sobre a bela baía de Ushuaia, a qual se podia avistar lá de cima.
Ficar parada alí sobre a neve, fez com que eu começasse a sentir muito frio nos pés. Apesar de eu estar com boas meias de lã de merino, eu não estava com calçado adequado para a neve. Iniciamos então a descida até a base, parando no meio do caminho, no mesmo trecho de rocha que colocamos os crampones, para nos alimentar e tirar os mesmos..

Quando chegamos lá embaixo, ainda num trecho onde só se via neve e alguns trechos de rocha longe, a Mih, brincalhona que só, quis fazer um boneco de neve. Entramos na brincadeira dela e fizemos o tal boneco, com as instruções do nosso guia.

Foi bem engraçado nós que nunca tínhamos estado na neve antes, tentando fazer um boneco, pegando montinhos de neve e indo colocando uns sobre os outros. Nunca terminaríamos aquilo.... kkkkkkk. Foi então que o nosso guia nos ensinou a maneira correta de se fazer aquilo. Já ouviu falar na expressão "virar uma bola de neve"? Aquela que só aumentar mais e mais. Então.... era exatamente assim. Ele pegava um pouco de neve nas mãos, subia um pouco a montanha e vinha rodando a bola desde lá de cima, e quanto mais para baixo ela chegava maior ela ia ficando. Fez esse procedimento com cada uma das partes do boneco. Parece uma coisa boba, mas para quem nunca tinha visto isso de perto foi bem curioso... rsrs

Bom, terminando a descida, voltando ao ponto de partida, fomos até a lanchonete alí existente tomar um chocolate quente para nos despedirmos e posteriormente o Nicolas, nosso guia, nos levou de volta ao hostel.

Chegamos extasiadas. Tínhamos subido a nossa primeira montanha nevada. Apesar de não ter sido difícil, foi a nossa primeira, e nós nunca esqueceremos. Sair do cronograma um pouco as vezes pode trazer lindas surpresas, como nos trouxe o Glaciar Martial.

Quarto Dia: Parque Nacional Tierra del Fuego

Acordamos bem cedo, tomamos nosso café da manhã e pegamos um taxi (ARS 90,00) rumo ao Parque Nacional Tierra del Fuego, que fica a 12 Km da cidade, para fazer a Senda Costera. Trilha que segue beirando as águas do Canal de Beagle, a maior parte do tempo, até adentrar em certo ponto na mata e chegar ao Centro de Visitantes Alakush, em frente ao Rio Lapataia

É uma trilha que te proporciona paisagens belíssimas, mas não exige muito do seu físico. Um verdadeiro passeio no parque.

Por várias vezes cruzamos com grupos de alunos e seus professores fazendo a mesma trilha.

Era legal como eles ficavam empolgados quando avistavam a bandeira do Brasil nas nossas mochilinhas. "Brasileiros, brasileiros..." diziam eles todos felizes. E isso eu não vi só no parque. Isso eu vi em toda a Ushuaia. Como os brasileiros são queridos por lá. =D

Só um senhor que eu abordei na rua, numa das nossas andanças pelo centro de Ushuaia, que não gostou muito quando eu perguntei onde podia comprar uma bandeira do Brasil. Ele disse: "Brasil não. Aqui só tem bandeira da Argentina". E ele ficou o tempo todo repetindo isso bravo. Eu só queria uma bandeira para levar ao Glaciar Martial e fui tratada com grosseria.

Bom.... concluímos a trilha próximo no Centro de Visitantes Alakush, onde comemos umas empanadas enquanto aguardávamos a chegada do taxi que iria nos buscar.

Fomos passadas para trás por este taxista. Para nos deixar no parque ele nos cobrou ARS 90,00, porém para nós levar de volta a Ushuaia cobrou o dobro, e só nos avisou disso quando já estávamos de volta a cidade.

De volta a cidade, pedimos para o taxista nos deixar na famosa placa de Ushuaia, onde queríamos tirar uma foto antes de partir.

De volta ao hostel, tomamos um banho rápido, pegamos as nossas mochilas que já estavam prontas, e partimos para o aeroporto, em um outro taxi, para pegar nosso voo para El Calafate.

Foi uma passagem bem rápida por Ushuaia, numa programação bem relax (tirando a subida ao Glaciar Martial).

Fizemos o que nos propomos a fazer nos 4 dias em que estivemos por lá, que era conhecer o tão famoso Canal de Beagle e um pouco do Parque Nacional Tierra del Fuego. De quebra ainda subimos nossa primeira montanha nevada, o que, sem sombra de dúvidas, foi a melhor coisa que fizemos em Ushuaia, na minha opnião. Mas,com certeza, um dia voltarei para desbravar lugares com um pouco mais de dificuldade e emoção, na linda Terra do Fogo.

A continuação dessa história você vê aqui.

ALGUMAS INFORMAÇÕES

-> Taxi Aeroporto - Hostel La Posta - aproximadamente ARS 50,00

-> Taxi Hostel - Centro - não me lembro quanto custou, mas era baratinho.

-> Hostel La Posta - bom local para ficar em Ushuaia. Um belíssimo hostel, com vista para as montanhas, muito limpo, quentinho, bom atendimento, e com um café da manhã muito gostoso, já incluso na diária. Tudo isso pelo preço de ARS 144,00 (que na época beirava os R$ 60,00) por pessoa.

-> Para telefonar para o Brasil eu usava os Locutórios. Cabines de telefone espalhados pela cidade ou nos kiokos (lojas de conveniência), em que você pode ligar pagando bem pouco pelo minuto, entre ARS1,50 a AR$ 3,00 o minuto. Lembro-me que ficava um tempão falando com a minha família e pagava muito pouco. Mas isso em Ushuaia. Em El Calafate era extremanente caro ligar dos locutórios (se eu me lembro bem custava uns ARS 9,00/11,00 o minuto)

-> Passeio no Canal de Beagle - pagamos ARS 300,00 + AR$ 10,00 de taxa portuária

-> Subir Glaciar Martial - pagamos ARS 400,00 por pessoa ao guia Nicolas Wolaniuk (contato: https://www.facebook.com/nicolas.wolaniuk?ref=ts&fref=ts). Incluso crampones, polainas, lanche de trilha e transporte.

-> Transporte ao Parque Nacional Tierra del Fuego:a entrada do parque está localizada a 12 Km da cidade. Nós contratamos um taxi para nos levar, por ARS 90,00, mas creio que fique mais barato contratar um transfer. Existem várias empresas que fazem esse transporte que sai de hora em hora de Ushuaia pela manhã e do parque ao fim do dia.

-> Os aeroportos de Ushuaia e El Calafate são aeroportos operados por companhias privadas e cobram taxa de embarque que deve ser paga separadamente em dinheiro na hora do embarque. (aproximadamente $ 38,00 por embarque)

Keila Beckman
Keila Beckman

Published on 08/26/2015 02:53

Performed from 10/22/2013 to 10/25/2013

Views

5242

2
André Rosa
André Rosa 09/03/2015 02:44

Ótimo relato e belas fotos Keila. Estou indo para Ushuaia em janeiro, mas em vez de avião, vou numa expedição off road que sairá daqui de S. Paulo. Lá devemos ficar uns 5 dias e não tenho ainda detalhes das atividades, mas se o Glaciar Martial não estiver incluso e tiver tempo livre, eu vou com certeza, inclusive já adicionei o guia que você recomendou no Facebook. E já vou sabendo - teoricamente - como fazer um boneco de neve! hahahahaha

Keila Beckman
Keila Beckman 09/03/2015 23:44

kkkkkkkkkkkk... ahhhh isso vc não pode deixar de fazer... o boneco de neve...

Keila Beckman

Keila Beckman

São Manuel - SP

Rox
370

Apaixonada por montanhas desde que estive pela primeira vez em uma delas, em 2011.

Adventures Map
www.troupedatrip.com

301 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Fabio Fliess, Renan Cavichi and 395 others support the Minimum Impact Manifest