AventureBoxExplore
Create your account
Expedição Bolívia - Peru: Valle del Colca  (PER) - Set/10

Expedição Bolívia - Peru: Valle del Colca (PER) - Set/10

Trecho 13: chegando na incrível cidade de Arequipa, onde me encantei com a arquitetura. Depois, Valle del Colca, o mais profundo do mundo.

Arequipa (6/10)

5h da manhã.

Cansado, cheguei a Arequipa. Tratei logo de pegar um táxi, queria um pouco de descanso. Abri o guia do Viajante Independente e escolhi o primeiro hostal que meus olhos viram: Hostal Le Foyer (calle Ugarte 114. Tel.: 286 473). Lugar agradável, preço bom, s/25 sin baño, mas com uma tv (velhinha...). É aqui mesmo.

Na parte de baixo do hostal fica um restaurante bem bacana, chamado El Turco (calle San Francisco 214), onde eu fiz o desayuno. Achei barato também, Arequipa parece ser bem econômica. Fui andar. Eram 8h, comércio ainda fechado. Tranqüilo para andar. Fui a Plaza de Armas e visitei duas igrejas, a Catedral e a de Santo Domingo.

Arequipa é uma cidade de detalhes, cada beco que você entra descobre uma coisa diferente. Achei um lugar muito legal chamado Clausura de la Compañia, que faz parte de uma igreja jesuíta, mas hoje é um complexo com lojas e restaurantes, puta lugar gostoso de ver e ficar um tempo! Entrei em uma agência e contratei o transporte para ir ao Cañon del Colca, o cânion que fica próximo à Arequipa. Dois dias e uma noite, e na volta eu sigo para Lima. A moça da agência, Vanessa, deu umas dicas bem legais, bom papo.

Ok, tudo certo para amanha, fui descansar um pouco, estava merecendo. Dormi até umas 15h. Depois um banho, e fui dar mais um rolê. Comi no El Turco de novo, dessa vez mandei ver um doner kebab, que é tipo um sanduiche de frango com queijo e um molho cremoso, num pão sírio. Muito bom e, o melhor, barato a beça (s/7)!

Voltei ao hostel, mas nem esquentei a cama, sai de novo. Arequipa a noite é uma cidade bem movimentada, muito bonita com a iluminação noturna. O trânsito é o mesmo do restante do Peru: vale a lei da buzina. Chega a irritar...Comprei algumas coisas que faltavam para amanhã, fiquei de bobeira um tempo e depois fui para o hostal. Amanha acordo cedo para fazer o tour para o Cañon del Colca, e prometo para mim mesmo que será o último da viagem...(rsrs). Depois disso, é Lima e voltar para São Paulo.

Dicas: Arequipa é uma baita cidade. Bonita, barata, gente educada e simpática. Artesanato barato, se puder deixar para comprar aqui, você pode fazer bons negócios. Uma pena que não pude ficar mais tempo, é uma cidade a ser explorada, o pouco que eu andei já me surpreendeu bastante. Volto para Arequipa seguramente!

Valle del Colca (7/10)

Como de costume, quando se trata de acordar cedo para fazer tours, acordei sozinho, sem ninguém me despertar, às 6h15. Como já estava tudo pronto desde ontem, fiquei esperando o guia que viria me buscar, algo que aconteceu somente às 8h15. Eu e um norte-americano esperávamos pelo mesmo guia. Ficamos quase uma hora rodando atrás do resto do grupo, o micro passando e pegando o pessoal nos seus respectivos hotéis. Finalmente seguimos, grupo completo.

Porque Arequipa é bacana? Porque não andamos nem quinze minutos, e estávamos rodeados de paisagens de montanha. O vulcão El Misti domina o horizonte, assim como o Chanchan. Estes vulcões estão entre 15km e 20km de distância do centro de Arequipa. Percebem o risco que isso traz em caso de uma erupção?! Paramos para ver viçosas selvagens na Reserva Nacional de Salinas y Aguada Blanca, que é uma região de planalto, grandes áreas retas com alguns cerros quebrando a linha do horizonte. E várias viçosas selvagens andando livremente. Para o visitante é proibido passar do acostamento da estrada. A fiscalização existe mesmo, e começa pelos próprios guias!

Seguindo caminho, tudo vai ficando ainda mais bonito, com a estrada subindo até 4400m. Paramos algumas vezes para melhor adaptação de alguns (uma senhora quase desmaiou por causa da altitude). Numa dessa paradas, um cachorro mordeu um senhor peruano do grupo. A altitude deixa os cachorros meio malucos também...Chegamos em Chivay, a porta de entrada do cânion. Fomos almoçar. Logo depois seguimos para os hotéis, deixar as coisas. Escolhi um hotel dos mais simples, por uma noite só, tá valendo. Logo saímos de novo, fomos conhecer as termales de Caleras, águas vulcânicas a 39ºC, quente pra caramba! Mas relaxante.

Nesse lance de tour, tudo é muito corrido, teríamos somente uma hora ali. Preferi ficar mais, fui embora de táxi depois e abri mão do jantar em grupo, que seria em uma peña tradicional, com música típica da região (alguma coisa que eu comi no almoço não caiu bem; comida tem sido um tema meio indigesto para mim nesta viagem).

Fiquei dando um role na minúscula cidade, fui até a pracinha central. Simpática. Depois fui descansar um pouco, amanhã é dia de acordar muito cedo.

Dicas: O Valle del Colca, nome do rio que corta este vale, é incrível. Na verdade, sinto não ter mais tempo para poder explorar mais, acredito que existam muitas coisas para se ver, além das que eu consegui passar.

Valle del Colca - Arequipa - Lima (8/10)

5h da manha, e eu já de pé. Me sentia melhor do mal-estar. Na verdade, já estava acostumado com esses mal-estares...

Desayuno marcado para as 6h, e logo em seguida partimos para a finalização do tour. Desde que se sai de Chivay em direção ao cânion, o cenário é espetacular. Paramos em um povoado chamado Maca, e tive ali meu momento turistas: tirei uma foto com uma águia dos Andes domesticada nos meus braços. Dei umas moedas ao dono do pássaro. A águia era enorme, e pesava uns 8kg a 10 kg!

Seguimos, e o Cañon ficando mais profundo e mais extasiante. Em dado momento o guia informa que o Colca é o cânion mais profundo do mundo, com 4120m. A vista de diferentes mirantes é realmente de deixar de boca aberta qualquer um. Em alguns pontos os picos das montanhas estão com neve ainda, e compõe um cenário lindo. Chegamos ao Mirador Cruz del Condor por volta das 8h30. É deste mirador que se pode apreciar o vôo dos condores. E eles não decepcionam: aos poucos começam a aparecer um, dois, três...seis no final, e de lambuja um falcão! Havia uma multidão para ver os condores, e sem brincadeira, os bichos impressionam mesmo pelo tamanho e pela graça do seu vôo. Ficamos ali por uma hora. Acho que os condores sabem disso, já que logo após essa "apresentação" eles se refugiaram. Fizemos o caminho de volta, passando pelo povoado de Yanque, Chivay (parada para o almoço de novo, mas eu não comi!) e seguimos para Arequipa. O Cañon del Colca vai ficar na memória durante muito tempo.

Chegamos de volta a Arequipa às 16h50. Fui comer umas hojas de parra (o nosso famoso charuto de folhas de uva) no El Turco, e já me preparar para ir a Lima. Subi ao hostal Le Foyer para pegar minha mochila, que eu havia deixado no depósito deles, gratuitamente. Dei uma idéia no rapaz da recepção e ele me deixou tomar uma ducha, tirar a poeira das estradas. Tomei a ducha e arrumei a mochila para a viagem, tudo bem rapidinho.

Me despedi do pessoal do hostal, aliás um lugar que eu recomendo com toda certeza e que voltarei a ficar num eventual retorno a Arequipa. Muito bom serviço. Peguei o táxi até o terminal terrestre, já tinha decidido pegar a melhor cia de ônibus que houvesse, depois da experiência medonha com a Andoriña...(rs). Conversando com meus colegas peruanos de tour, todos foram unânimes em citar a Cruz del Sur como a melhor. Mais cara, mas a melhor. O que eu encontrei foi até mais impressionante do que eu imaginava. A Cruz del Sur parece uma cia aérea, desde a sala de espera, o despacho das bagagens, o serviço de bordo, tudo de primeira, muito atencioso. Paguei s/70 para ir a Lima, mas valeu cada centavo. Para se ter uma ideia, tem refeição, filmes, e até (pasmém!) um bingo dentro do ônibus, cujo prêmio é uma passagem, a ser usada em até trinta dias. Adorei! Depois do jantar, reclinei minha poltrona e fui dar uma descansada. Quinze horas de estrada, e estarei na ultima parada dessa trip louca: finalmente Lima!

Dicas: Primeiro, dizer qualquer coisa sobre o Cañon del Colca é pouco. Vá! E veja tudo com calma, uma alternativa é alugar um carro e ir rodando tudo aquilo sem pressa, sem TOUR!.. Bom, a segunda coisa é: depois que você conhece os serviços da Cruz del Sur, você só quer andar de Cruz del Sur. É a melhor cia de ônibus do Peru, e tô quebrando a cabeça aqui para lembrar algumas cia brasileira que tenha serviço igual...é, acho que não tem não!

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista

Published on 05/22/2017 02:21

Performed from 09/05/2010 to 10/10/2010

Views

2748

Marcelo Baptista

Marcelo Baptista

São Paulo

Rox
865

Montanhista, mochileiro, viajante, pai, conectado com as boas vibes do universo e com disposição ainda para descobrir os mistérios da vida.

Adventures Map
cantinhodogibson.blogspot.com.br/

297 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Renan Cavichi, Bruna Fávaro and 396 others support the Minimum Impact Manifest