AventureBoxExplore
Create your account
Parque Nacional Izta-Popo (Amecameca, México) - Set/16

Parque Nacional Izta-Popo (Amecameca, México) - Set/16

Parque que abriga uma rota histórica importantíssima (Paso de Cortés), aqui também é possível ver o vulcão Popocatepetl, lindo e ativo.

Caminhando e curtindo a Cidade do México desde uma semana antes, com seus incríveis museus e vida noturna agitada, eu e Drika nos deparamos com uma informação muito interessante de dois lugares nos arredores da cidade onde poderíamos estar em contato com a natureza e nos exercitar um pouco, fazendo uma trilha. Buscamos informações no mesmo dia, e o que achamos nos empolgou bastante. Decidimos alugar um carro e conhecer esses locais.

No dia 7/9 seguimos cedo para a cidade de Amecameca, a cerca de 1h30 da Cidade do México. Alugamos no dia anterior um Jeep Patriot, carro bacana e com "pegada" off road que ajudou bastante quando precisamos enfrentar as estradinhas de terra do Paso de Cortés. Chegando em Amecameca, pega-se uma estrada secundária até o povoado de San Pedro de Nexapa, e daí mais 23 km subindo até o ponto culminante do parque nacional. Altitude ali: 3600 metros acima do nivel do mar.

O Paso de Cortés é o ponto de passagem utilizado por Hernan Cortés quando ele se encaminhou para Tenochtitlan (capital do império azteca, onde atualmente está a Cidade do México), afim de destruir a cidade e seu imperador, Montezuma. O Paso está localizado entre dois vulcões majestosos, que dão nome ao parque: Popocatépetl e Iztlaccihuatl. Sim, o nome é quase impronunciável para quem não tem costume com a língua nativa azteca. Os próprio mexicanos reduzem o nome do parque somente para "El Popo". Muito mais fácil assim, vamos combinar...

A sede do parque fica bem no Paso de Cortés, uma prédio com cara de novo e administrado por policiais de montanha. Na real os caras não estão nem aí para dar qualquer info mais profunda sobre o local, e sim para evitar que algum montanhista mais ousado pense em tentar chegar muito perto do vulcão "El Popo". Chegam a ser até mal encarados. Por ali existem duas trilhas interpretativas, curtas e que se feitas na sequencia duram 40 minutos, onde placas explicativas informam sobre geologia, fauna e flora local. É interessante e vale a pena fazer.

Pegamos o carro e começamos a descer a estradinha de terra que sai logo depois do Paso de Cortés, em direção ao restaurante que se localiza 5 km adiante. Estradinha boa, com alguns pontos de lama que o Jeep passou e nem sentiu nada. Chegamos no restaurante e começamos a conversar com o atendente Juan, que nos explicou sobre o perigo que "El Popo" representa por estar ativo e "fumando" - que é como eles chamam a atividade de fumarola que o vulcão expele. Foi um papo bem instrutivo com uma pessoa nascida ali mesmo, e que convive com essa montanha / vulcão que encanta e assusta ao mesmo tempo. Só para constar: no restaurante comemos uma truta maravilhosa, pega na hora e feita no capricho. :-)

Com o Juan também pegamos uma dica muito boa: subindo por uma estradinha, cerca de 20 minutos (carro, caminhando se leva uns 40 minutos) encontramos uma ermida franciscana instalada na montanha. Chamada de Ermita del Silencio, o local é de uma tranquilidade impressionante!! Lá vive somente um franciscano, hermano Germano, que muito gentilmente nos recebeu e explicou o proposito da ermida. O local foi construido em 1982 para servir como retiro espiritual para um frei (chamado Jeroni), e paulatinamente foi aumentando sua área até o atual tamanho. O lugar é belíssimo e tem uma arquitetura dificil de explicar. Lindo mesmo.

Pegamos o carro e seguimos para conhecer a cachoeira do rio Apatlaco, em uma área que não era mais do parque nacional, uma vez que precisamos pagar $20 pesos por pessoa para ter acesso à tal cachu. Uma cachoeira bacana, mas comum. Mas valeu por poder ter acesso a mais uma trilha bacana, cercada de coníferas, vegetação bastante típica de altitudes da America do Norte.

Terminamos a visita ao parque nacional e nos despedidmos do "El Popo", aquela visão estupenda do vulcão fumando. Valeu muito a pena. O México é um país incrível e dotado de muitas atrações naturais.

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista

Published on 09/22/2016 00:47

Performed on 09/07/2016

1 Participant

Drika Bourquim

Views

2834

3
Bruna Fávaro
Bruna Fávaro 09/26/2016 23:34

Incrível, Marcelo!!

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista 09/30/2016 02:26

Bruna, coloca o México no teu radar! Vou voltar algumas vezes lá ainda, tem tudo de bom lá: montanha, história, telúrica, belas paisagens. Só a comida é que ferra um pouco, mas blz...kkkkk!

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro 10/01/2016 13:17

haahahaha Pelo jeito tem que ir pra ficar 1 mês heim

Marcelo Baptista

Marcelo Baptista

São Paulo

Rox
865

Montanhista, mochileiro, viajante, pai, conectado com as boas vibes do universo e com disposição ainda para descobrir os mistérios da vida.

Adventures Map
cantinhodogibson.blogspot.com.br/

297 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Fabio Fliess, Bruna Fávaro and 394 others support the Minimum Impact Manifest