AventureBoxExplore
Create your account
Trilha do Rio Branquinho (SP) - Mai/11

Trilha do Rio Branquinho (SP) - Mai/11

Descida pela Serra do Mar, a partir do extremo sul da cidade de São Paulo. Andando pela linha do trem, depois trilha, até Itanhaém (SP).

Nota sobre este relato:

Fiz essa trilha em companhia do Rafael, Sandro, Paulo Piacitelli e do Augusto.

Na época não fiz o relato, por isso me utilizo aqui do texto escrito pelo Rafael em seu blog (Raffa no Caminho), e com as fotos que fiz na trip, para dividir com vocês mais um momento importante na minha vida como montanhista. Valeu, Raffa, pela cessão do texto! Vamos ao relato:

Trilha Proibida - São Paulo à Itanhaém

Segunda tentativa de concluir a trilha Sampa x Itanhaém, através da Barragem, Zona Sul de Sampa até o litoral, via trilha do trem, Serra do Mar e finalizando na aldeia Indígena em Itanhaém.

Recentemente, fomos até o Rio Branco da Conceição, logo após o túnel 24 da linha férrea que passa pelo bairro da Barragem, zona sul de Sampa. Ali, tínhamos pouco tempo e não conseguimos encontrar o começo da picada que leva até o rio Branquinho no vale. Valeu a pena de qualquer forma. Deu para se refrescar nas cachoeiras.

Após uma discussão por e-mail, combinamos de descer a serra. Augusto, Gibson, Piacitelli, Sandro e eu.

Ponto de encontro: Metrô Vila Mariana. 20h. Após umas cervejinhas e lanches, pegamos o ônibus até Parelheiros. (20:30).

Encontramos com o Sandro no terminal Parelheiros, aonde pegamos outro ônibus, sentido Barragem, ponto final. Chegamos por volta da meia noite.

Caía uma chuva fraca. Colocamos nossas capas. Acomodamos as mochilas e seguimos a estradinha de terra sentido à linha férrea. No caminho paramos num buteco à esquerda para comprar água. 5 minutos depois já estávamos na estrada de terra, escuridão total, nenhum movimento. Só nós e a chuva fraca que não parava.

Depois de 1h30 caminhando, chegamos na linha do trem, pegamos o lado esquerdo. E nada da chuvinha dar uma trégua. Andamos paralelos à linha do trem até a estação Evangelista de Souza. Ali fizemos uma pequena pausa.

20 minutos depois continuamos pela linha do trem até o túnel 24, aonde seria nosso acampamento. Não andamos muito rápido porque estava bem liso.

Após o túnel 24, a direita, tem uma canaleta e dali desce uma trilha, só seguir ela até um pequeno descampado, aonde alguns anos atrás existia uma cabana (o índio João disse que o falecido tio dele morava ali). Cuidado na trilha a esquerda que existem alguns buracos gigantes!

Montamos a barraca na chuva. Ô delícia. rs

Dormimos por volta das 4:20 da madrugada. Ainda chovia e dentro da barraca bastante umidade por causa das capas, botas, mochilas molhadas e a chuva que caiu durante a montagem.

Sábado, tempo nublado, garoa fraca, acordamos as 11h da manhã. Mas o esforço valeu a pena, pois ali na altura da cachoeira do Jamil (após a evangelista de souza), tem o comando da policia que não deixa ninguém passar trilha do trem abaixo.

Tomamos café, desmontamos nossas barracas molhadas, e subimos pela pequena trilha até a linha do trem novamente. Continuamos descendo pelos trilhos, passamos o túnel 24, andamos mais uns 100/200m e do pé de uma bananeira, avistamos uma placa TERRA PROTEGIDA, área indígena. Ai sim, começava nossa trilha que dá ultima vez falhamos.


A trilha que desce é bem demarcada. É só seguir ela até uma arvore bem grande, a direita segue para a cabana do índio João e a esquerda leva até o rio. Descemos primeiro pela direita. Chegamos na cabana do João, índio bem simpático, nos deu dicas para seguir o caminho, só não foi junto porque a mulher dele estava fazendo a comida. Tambem deixamos alguns alimentos que estávamos levando (Cada um levava 2kg de comida não perecível para doação). Voltamos para a trilha, viramos agora a direita na grande arvore e agora a trilha seguia para baixo. Bastante lama, cada hora um revezava no tombo.

A trilha é bem demarcada. uma hora ou outra tem alguma bifurcação, mas sempre continue na maior e mais batida. Assim que termina a trilha você chega no Rio. Antes, passamos por um ponto de camping e na sequencia um poço. Ali no remanso do poço, você tem que atravessar e seguir pela trilha, acompanhando o rio.

Chegamos na confluência dos rios Branquinho e Capivari às 17:40h. Agora era hora de procurar uma área para o acampamento. Mais para frente da confluência havia um antigo acampamento. Não tivemos dúvidas e acampamos por ali, ao lado do rio (que estava forte devido as chuvas).


Cada um fez seu jantar, Augusto mandou miojão, Piacitelli uma massa, Gibson foi na sopa e depois uma lasanha, eu e o Sandro dividimos o clássico, arroz, feijão preto, farofa e linguicinha acebolada. 19:30 estavam todos capotados, úmidos e dormindo ao som do rio. Obs.: Nenhum dos acampamentos, comportavam mais que 6/7 barracas.

Piacitelli, acho que sofreu um pouco mais, pois entrou muita água em sua barraca e molhou todo saco de dormir. A madruga foi tranquila, eu só ouvia o rio.

Domingão chegou e com ele o sol, pena que ali na mata fechada, dificilmente secaria todas as nossas coisas. Acordei por volta das 9h. fizemos o desjejum, desmontamos o acampamento. O dia estava lindo.

Por volta das 10:40 já estávamos prontos para seguir a trilha. Agora procurando a trilha, já que ali no acampamento terminava o caminho. Com certeza a trilha estava do outro lado do rio, que ali passava um pouco forte. Na altura da cintura. Fizemos algumas incursões na mata e nada na trilha. Certeza. a trilha estava do outro lado do rio. E lá fomos nós. O rio estava um pouco forte, resolvemos usar a corda por precaução pois um dos nossos amigos não sabia nadar. Todos do outro lado e lá estava a trilha. Bem demarcada também.

Era meio dia e seguimos a trilha, que boa parte do tempo era paralela ao rio e depois foi se afastando. Era bem demarcada. depois foi voltando em direção ao rio e prontos. 13:30 chegamos em uma parte da aldeia indígena. Ali fizemos o primeiro contato com o índio Henrique.

Henrique também foi bem simpático. Deixamos mais alguns alimentos (fica a dica, entregue mais para a frente). Perguntamos sobre a possibilidade de conseguir uma carona ou pagar por ela. Ele disse que havia um carro na parte principal da aldeia, para corrermos e falar com o índio Miguel.

Pegamos o caminho, atravessamos o rio novamente (bem tranquilo naquela parte) na altura dos joelhos.

Chegamos na área central da aldeia, todos estavam em uma reunião. Esperamos um pouco, observamos a aldeia, bastante construções de alvenaria, postes de luz e também algumas cabanas bem simples. Também conhecemos o cacique Arlindo, índio novo, aparentando ter menos de 35 anos, de poucas palavras.

Entregamos o restante dos alimentos e conversamos com o dono do caminhão que estava ali de visita para retirar alguns bambus e cipós para trazer para SP.

Foi nossa sorte. Economizamos uma pernada de 21 km até a rodovia. Passamos pelo bar do Zé Pretinho, aonde passa o ônibus circular que leva ate Itanhaém 2 vezes por dia. Não conseguimos a informação de horários.

Chegamos no posto ao lado da Breda, aonde as 14:40h o Sandro já conseguiu passagem para Osasco, às 15h o Piacitelli para SP e como não tinha mais passagem, eu, Augusto e Gibson, embarcamos no das 16h. Deu tempo até para a cervejinha.

18h todos estavam em SP !

Fim de semana com direito a trekking noturno, chuva, lama, atravessamos vários riachos, 2 rios e uma trilha que ninguém conhecia, só seguimos relatos (Beck e Jorge) e mapas.

Dá vontade de mandar este relato para o repórter que a classificou como "proibida", e para quem bota a culpa no GPS quando falta bom senso e responsabilidade em levar várias pessoas, sendo que em nenhum momento o meu GPS e o do Piacitelli perderam o sinal. Agora temos o tracklog. De "proibida", é só para pessoas sem noção e despreparadas.

Equipos que levei:

Mochila Alpina 43l trilhas e rumos
Saco de dormir Micron Lite (passei um pouco de frio)
Segunda pele quechua
Botas titã Nômade
Banqueta guepardo
Parka trilhas e rumos
Head lamp guepardo
Fogareiro nomad da Nautika
Barraca Falcon 2
Isolante inflável Therm a Rest
Facão 18 polegadas (só foi preciso da trilha do acampamento pós túnel 25)
Bastão ultralight Quechua
Calça climatic trilhas e rumos
3 pares de meia
3 camisetas
2 bermudas térmicas
Conjunto panelas backpacker
Câmera canon sx 120 (fotos borradas porcausa do vapor dentro da parka)
GPS hcx Etrex
2kg feijão/fubá para entregar aos índios
+ ou - 3kg de mantimentos

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista

Published on 10/04/2015 15:34

Performed from 05/04/2011 to 05/06/2011

Views

3506

2
Luís Felipe A. dos Santos
Luís Felipe A. dos Santos 12/10/2015 16:40

Olá, amigo! Muito bom o relato! Parabéns pela trilha! Disponibilize o tracklog da trilha, por favor!

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista 12/11/2015 15:19

Luís, boa tarde! Obrigado pelos elogios. Infelizmente, não tenho o tracklog dessa trilha, porque não uso GPS. Mas creio que entrando no Wikiloc você consegue encontrar com facilidade. Grande abraço!

Marcelo Baptista

Marcelo Baptista

São Paulo

Rox
865

Montanhista, mochileiro, viajante, pai, conectado com as boas vibes do universo e com disposição ainda para descobrir os mistérios da vida.

Adventures Map
cantinhodogibson.blogspot.com.br/

297 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Bruna Fávaro, Peter Tofte and 396 others support the Minimum Impact Manifest