AventureBoxExplore
Create your account
Circuito Dientes de Navarino

Circuito Dientes de Navarino

Trekking na cidade mais austral do mundo, Puerto Williams, Chile.

Trekking Mountaineering Camping

Prelúdio – Dientes de Navarino, Trekking do Fim do Mundo.

Sempre tive atração por locais remotos, me atraía a sensação de como era estar na última cidade do continente (Puerto William, não Ushuaia) e melhor ainda, qual seria a sensação de fazer um trekking remoto, inóspito e selvagem na Patagônia.

Foi lendo o Lonely Planet - Trekking In The Patagonian Andes que soube da existência do circuito de Dientes de Navarino e fiquei mais empolgado ainda com a publicação do roteiro nos guias de trekking do Guilherme Cavallari.

Sendo assim ainda consegui reunir bons amigos de caminhada, Ronald e LH e a minha esposa Roberta para encarar este desafio. Desafio sim, pois Dientes não tem nada a ver com Torres Del Paine, El Chalten, Refúgios de Bariloche (já fiz todos esses citados) onde, na maioria deles você conta com apoio, comida, cama, e até banho quente!

Já Dientes não, pela proximidade do Cabo de Hornos, mal tempo, frio, chuva e ventos antárticos são quase que uma garantia e não se tem para onde correr. Na trilha encontramos somente uma pessoa, a qual estava trabalhando na demarcação da mesma!

O circuito pode ser feito em 4 ou 5 dias (optamos por 4 dias) de caminhada e apesar das distâncias não serem longas e não haver grandes desníveis, o terreno é muito irregular e a caminhada não rende, pois sempre se caminha por pedras, encostas e sobe-desce de pasos de montanhas, bosques com inúmeras árvores tombadas e também muitas áreas de charcos enlameados. Em alguns trechos não há marcação alguma e o caminho não é tão óbvio assim.

Tem de estar bem preparado, encarar e também claro, desfrutar de suas magníficas paisagens, lagunas, montanhas e bosques multicoloridos.

Bom, abaixo segue o esquema relatado para se alguém quiser (e eu incentivo, não vão se arrepender) a repetir a viagem.

Dia 1 – Sexta-Feira, 9/3/2012 – São Paulo / Buenos Aires

Saímos Roberta, Ronald e eu do aeroporto de Guarulhos pela Aerolíneas com destino a Ezeiza, Buenos Aires. Chegando lá, fizemos câmbio (cotação horrível) e fechamos um taxi (Ar$ 250) para o Aeroparque de onde tomamos o primeiro voo do dia para Ushuaia.

Dia 2 – Sábado, 10/3/2012 – Buenos Aires / Ushuaia

Chegamos em Ushuaia quase 10 da manhã. O taxi para o hostel saiu por Ar$20. O hostel que escolhemos foi La Casa de Alba (http://www.lacasadealba.com.ar/), diária em quarto privado por Ar$300. O hostel é simples, mas é bem limpo, silencioso e tem um bom café da manhã. Fica a uns 10 minutos de caminhada do centro e a Dona Alba agiliza muita coisa para os hóspedes, desde táxi até passeios.

Neste dia fechei o barco para Puerto William com a agência Fernandez Campbell (http://www.fernandezcampbell.com/) (Us$125 ida + Us$8 taxas portuárias). A cabine de atendimento dele fica no porto de Ushuaia. São lanchas rápidas e muito confortáveis ao contrário dos botes infláveis da Ushuaia Boating. Além disso, a lancha nos deixaria direto na cidade de Puerto Williams, sem a necessidade de usar van, caso optássemos pela Ushuaia Boating. E outro detalhe, somente Fernandez Campbell possui saídas aos domingos.

No restante do dia, andamos pela cidade, pegamos um tempo ótimo, céu azul o tempo todo. Comemos empanadas nas casas de comida próxima a Rua Perón, longe do centro comercial. São as melhores e mais baratas, pois não é para turista e sim para os locais. Indicação da Dona Alba.

Ao fim do dia encontramos o LH que chegou o voo da noite e saímos para tomar umas e fechar os últimos detalhes da trilha.



Dia 3 – Domingo, 11/3/2012 – Ushuaia / Puerto Williams

Saímos de Ushuaia para Williams às 14h. O trajeto leva em torno de 1h30min. Demoramos mais na aduana chilena, pois não havia ninguém para recepcionar a gente! Imaginem esta cena... você chega num país e não há ninguém para carimbar seu passaporte, realmente chegamos no fim do mundo!

Enfim, após algumas ligações dos barqueiros vieram os agentes para fazer os trâmites de alfândega. Revistaram nossas mochilas para saber se havia algo orgânico e nos levaram até o prédio onde tivemos nossa entrada na cidade liberada.

Júlio do Hostel Akainij (http://www.turismoakainij.cl) já nos esperava lá para nos levar à casa dele, que por sinal fica próximo, aliás tudo é próximo lá. Gostei bastante do hostel, apesar da água quente não estar funcionando bem, mas tanto Gabi quanto Julio são pessoas muito simpáticas e o quarto privativo é bem aconchegante e o café da manhã é excelente. Tudo por Us$50 o quarto.

Nosso problema agora era encontrar algo para comer. Como era Domingo, todos os 2 restaurantes da cidade estavam fechados. Sorte encontrar um mercadinho aberto onde compramos pães, frios e cervejas. Além disso, a Roberta perguntou e descobriu que em frente ao mercado havia uma senhorita chamada Paty, Dona do Hostel Pusaki, que servia jantar mediante reserva e foi o que fizemos.

Antes do jantar eu e o Ronald saímos para bater perna na cidade, estava bem frio e ventando, prévia do que encontraríamos na trilha. Desde a cidade é possível avistar o Cerro Bandera e os picos de Dientes de Navarino, nosso destino para o dia seguinte. Fomos ao museu que conta a história dos índios Yaganes, visita que vale muito a pena, e lá conheci uns americanos que haviam concluído o circuito e nos alertam pela quantidade de charco na trilha e também sobra e temível descida do Paso Virginia.

Andamos mais um pouco pela vila, típica vila militar, casas idênticas, veículos militares a mostra como exposição, grandes navios, etc... povo muito simpático e que gosta de conversa. Já me sentia adaptado ao fim do mundo, ainda mais tomando uma cervejinha Austral.

De volta, compramos algumas bebidas no mercado e voltamos a casa de Paty para jantar. Estava excelente, ela preparou uma salada com King Crab e mais umas costelinhas de boi com arroz. Tudo por Us$ 20. Por coincidência os americanos estavam lá e conversamos mais um pouco sobre a trilha e conseguimos pegar algumas dicas valiosas.

Terminado o jantar, fomos aos Carabineiros para nos registrar para o Trekking. Lá você informa seus dados, passaporte, a data de ida e volta da caminhada. Além disso, ainda eu tinha mais um objetivo em Williams, o qual era conhecer o Micalvi Yatchi Club. Este lugar é sensacional, é um bar-barco onde claro, tomamos mais umas Austral e apreciamos o lugar. Viajantes do mundo inteiro, inclusive Amyr Klink, decoram o local com flâmulas de seus respectivos barcos, expedições ou países. Valeu muito a pena a visita.



Dia 4 – Segunda-Feira, 12/3/2012 – Trekking Dientes de Navarino – Laguna Del Salto – Dia 1

Enfim começamos a caminhada, passamos pela Plaza De La Virgem, continuamos pela estrada cercada por bosques até chegarmos ao começo da trilha para o Cerro Bandera, onde há uma placa com indicação do caminho.

A trilha inicia por um bosque, caminho aberto e fácil de caminhar até chegamos ao topo do Cerro Bandera, após vencer 600m de desnível. Paramos um pouco para descansar a apreciar o visual ali mas foi uma péssima ideia, muito vento e frio... quase congelamos. Tratamos de continuar a trilha que entrou por uma encosta muito íngreme de montanha e foi assim praticamente até o fim do dia.

Sempre acompanhando a Laguna Del Robalo à direita e o pico de Los Dientes à frente. Sempre na encosta, Chegamos até a Laguna Del Salto e descemos a pirambeira com o máximo de cuidado. O local foi excelente para acampar, pouco vento, bem protegido e água e muito visual.



Dia 5 – Terça-Feira, 13/3/2012 – Trekking Dientes de Navarino – Laguna Escondida – Dia 2

Já começamos o dia subindo uma piramba enlameada. Passamos pelo Paso Primero e depois Paso Austrália. Fizemos uma descida perigosa por gelo e enfim chegamos ao Paso de Los Dientes onde começamos a ter visão sul da ilha. Como o tempo estava ótimo, foi possível ver o arquipélago de Hornos. Seguimos a esquerda de uma linda lagoa até uma bifurcação que iria para Lago Windhond, outra opção de trilha que há por lá.

Adentramos em um trecho de bosque colorido e vimos a Laguna de Los Dientes, por difícil decisão elegemos este lugar o mais lindo de toda a travessia. Descansamos por um bom tempo lá até retomar a caminhada por um bosque (trecho confuso, quase não há marcações), pois tínhamos que descer ao nível da lagoa e contornar o Cerro Gabriel e enfim chegar à Laguna Escondida.

Não vou me estender no relato para tentar detalhar a beleza do local, pois as fotos já o fazem. Acampamos num local meio exposto na Laguna e com poucos pontos de fixação. Resultado, noite mal dormida devido aos fortes ventos. A barraca do LH (que na verdade estava emprestada pelo Bob) teve suas varetas envergadas, tamanha era a força do vento.



Dia 6 – Quarta-Feira, 14/3/2012 – Trekking Dientes de Navarino – Laguna Martillo – Dia 3

Iniciamos o dia caminhando pela borda da lagoa e descobrimos pontos melhores para se acampar, mais ao fim da lagoa.

Cruzamos um rio por cima de uma castoreira e começamos a andar numa sucessão de bosques e rochas até iniciar a subida do Paso Ventarrón, onde encontramos a única pessoa durante a trilha toda. Fugiu-me o nome dele, mas era um guia local que estava trabalhando na demarcação da trilha. Por coincidência, mostrei uma foto do livro do Guilherme Cavallari e ele disse que era ele na foto e havia sido ele quem guiou o Guilherme na publicação do livro, que coincidência!

Muito solicito, nos forneceu dicas valiosas, pois pretendíamos avançar ao máximo o dia de hoje e conseguimos obter informações de onde acampar, mais próximo ao Paso Virgínia.

Após terminar a subida do Paso, demos de cara com um local belíssimo. Um vale com inúmeras lagoas e picos nevados ao fundo. Beleza cênica! O problema que para descer o paso teríamos que andar pela encosta íngreme novamente. Neste local devido aos fortes ventos, já li relatos de pessoas que despencaram morro abaixo e se quebraram inteiro. Ainda bem que não foi o nosso caso e conseguimos chegar inteiros ao vale.

Em outra bela lagoa paramos para fazer nosso almoço e descansar para encarar a subida do Paso Guerrico. Este subida na maior parte é por mata fechada e a descida bem mais tranquila. Fomos andando pela margem esquerda da “hermosa” Laguna Hermosa até enfim cruzar o riacho e chegar ao local de acampamento da Laguna Martillo.

Como nossa ideia era avançar o máximo possível e ainda tínhamos muito tempo, continuamos margeando a laguna por um trecho bem difícil de pedras e charco. A trilha sobe se afastando um pouco da laguna para contorná-la e em seguida descemos para acompanhar a margem de um rio.

Chegamos num bosque excelente para acampamento, bem protegido e o visual das montanhas estava magnífico naquele momento. A Roberta sugeriu pararmos por ali e como já havíamos avançado pelo menos umas 2h ficamos o resto do dia cozinhando e curtindo o visual.

Dia 7 – Quinta-Feira, 15/3/2012 – Trekking Dientes de Navarino – Paso Virgina – Dia 4



Como combinado, levantamos às 5h da manhã, em pleno breu tomamos nosso café a luz de lanterna, sorte que a chuva da noite e o frio nos deram uma trégua. O dia seria puxado e o mais difícil, por isso decidimos partir cedo a fim de terminar naquele dia a trilha.

Começamos a andar 7h em ponto e já pudemos ver a piramba da subida do Paso Virgina. Para chegar a sua base, andamos por charcos e por lagunas, uma delas era a Rocallosa que como o próprio nome diz é cheio de pedras que dificultam muito o avanço. Qualquer vacilo era um pé torcido.

Enfim chegamos à base do Virginia e pra variar mais lama. O trecho inicial é difícil, vamos tomando cuidado para não se afundar na lama e vamos ganhando altitude aos poucos, afinal eram quase 500m de desnível.

Após vencer o trecho do bosque enlameado, vem o que? Encostas de montanha que a Roberta tanto adora... porém o visual vai ficando cada vez mais magnífico. Pudemos observar Ushuaia, a estância Haberton e também o conjunto de montanhas conhecidas como Montes Lindenmayer.

Ao final da subida tem-se a impressão que estamos na Lua. Pedra por todos os lados e uma superfície plana por onde andamos por alguns KM, até enfim chegar à famosa descida do Paso Virgínia.

Aqui eu entendi o porquê que todo mundo recomenda utilizar bastões na trilha e também o porquê que eu lia frases do tipo “Mais assustadora do que perigosa”. Como a Roberta sofre com alturas já estava fazendo um psicológico nela e mostrando a “trilha” que deveríamos fazer.

O Ronald arriscou ir à frente acompanhado pelo LH. Quando vi o Ronald sentando na trilha, logo no começo, escorregando e sem conseguir ficar de pé... pensei, “fudeu, vamos todos se arrebentar aqui!!!”.

Sorte que ambos se ajudaram e conseguiram vencer este trecho técnico e o LH foi me orientando como descer enquanto eu segurava a Roberta para não entrar em pânico da maneira que dava, tentando transmitir segurança para que ela desse um passo por vez. Na base da motivação consegui que ela vencesse seus medos e caminhasse, mesmo que devagar. Perguntava várias vezes se ela queria um banho e uma cama quente à noite, não havia outra opção, teríamos que descer!

Passado este trecho, o restante foi mais tranquilo e sem sustos até chegar a Laguna de Los Guanacos. Local onde fizemos mais uma parada para restabelecer o físico e principalmente o psicológico.

Contornamos a laguna e fomos seguindo o curso do rio até chegar a Laguna de Las Guanacas, onde seria o último ponto de acampamento para quem faz em 5 dias. Como estávamos de acordo com o planejamento por termos levantado cedo, decidimos continuar e cruzar o último trecho de bosque até o pesqueiro, fim da trilha.

Todas as informações que tínhamos sobre este bosque eram unânimes. Estava terrível, sem trilha, lamaçal e sem marcações, pois havia muitas árvores tombadas, nas quais estavam as marcações.

Pelo menos tínhamos uma direção, uma bússola e um mapa. Nosso objetivo era tocar sempre para Nordeste, contornado as árvores tombadas e tentando nos manter na encosta da montanha e não margear o rio, pois aí sim segundo informações teríamos vários problemas com obstáculos naturais.

Por sorte (ou competência de navegação, ou os dois) conseguimos identificar algumas poucas marcações que serviram de alento para nós. Continuamos sempre na direção por umas 3h de caminhada dentro do bosque, até enfim sairmos num pasto onde conseguimos ter uma navegação visual a partir daqui, pois a estrada já estava visível a nossa frente.

Nem bem chegamos à estrada, já conseguimos carona para o centro da cidade com duas senhoras em uma Van, parece que a sorte do dia não tinha fim mesmo. Percorremos os 7km restante até a cidade onde pegamos nossas coisas no Akainij Hostel (não continuamos lá pois não haviam mais vagas) e migramos para o Pusaki Hostel da Paty, a qual nos esperava com uma deliciosa janta de frutos do mar. Antes passamos nos Carabineiros para dar baixa de nossa retorno e também passamos no Shila Turismo para confirmar nossa passagem de volta para Ushuaia.

O hostel tem um ambiente legal, ela prepara a comida para todos os hóspedes e serve na mesma mesa. Muito legal a interação, havia chilenos, um austríaco, um lituano e nós. A Paty é muito simpática e gosta de beber um vinho com a galera e também gosta de música brasileira, pois a Roberta teve que explicar qual o sentido do “Ai Se eu Te Pego” para ela depois de uns vinhos e outros. Parece que a onda Michel Telló chegou até ao fim do mundo também! Nesta Babel no fim do mundo, bebemoramos a noite toda o sucesso da travessia.



Dia 8 – Sexta-Feira, 16/3/2012 – Puerto Williams / Ushuaia

Acordei na ressaca brava, mas não me impediu de dar mais umas voltas na cidade de Puerto Williams. Desocupamos o hostel e fomos para a Shila Turismo por volta do meio-dia para fazer os trâmites de alfândega e pegar nosso barco de volta para Ushuaia.

Em Ushuaia voltamos para a Casa de Alba e fomos comer no El Turco (fuja dessa merda!)



Dia 9 – Sábado, 17/3/2012 – Ushuaia - Glaciar Martial

As montanhas amanheceram brancas, resultado na nevasca da noite anterior e da manhã de sábado. O céu azul deixou o tempo perfeito para uma visita ao Glaciar Martial (pelo teleférico, claro... nada de andar!). Em pleno verão, Ushuaia chegou a marcar -5º ! Era tudo o que desejávamos pra aproveitar o Glaciar. Comemos no Bodegon Fueguino, gostei bastante da comida, preço e do atendimento.



Dia 10 – Domingo, 18/3/2012 – Ushuaia - PN Tierra del Fuego

Logo pela manhã nos despedimos do LH. Enrolamos mais um pouco no hostel e fomos para o Parque Nacional Tierra de Fuego. O clima não estava lá grande coisa, muito vendo e a chuva se alternava com as nuvens cinzentas. De qualquer modo fizemos a Senda Costera, tomamos umas Quilmes no Lago Roca e depois voltamos para a cidade para enfim, degustar um Tenedor Libre de Cordero Fueguino no restaurante La Terraza (é bom dar uma gorjeta antes para o parrilheiro, gentileza gera gentileza!). Como já havia visitado Ushuaia anos atrás, estava mais focado em desfrutar a culinária mesmo!


Dia 11 – Segunda-Feira, 19/3/2012 – Ushuaia

O Ronald ainda se arriscou a caminhar, foi subir o Jaraguá com neve de Ushuaia, conhecido também como Cerro Guanaco. Teve sorte pois o tempo estava bom, aberto. Eu e a Roberta continuamos nossa epopeia etílica, visitamos o bar mais antigo de Ushuaia, o Bar Ideal. Aqui acho que presenciei uma das cenas mais globalizadas da viagem. Estávamos em Ushuaia, em um típico pub irlandês, o qual estava tocando Bossa Nova. Comemos hamburgers americanos, bebendo a Quilmes Argentina e de repente toca o celular de uma portenha ao lado com o ringtone de “Ai Se Eu Te Pego” (de novo ela).

À noite fomos comer uma truta no restaurante Tante Nina, muito bom também.

Dia 12 – Terça-Feira, 20/3/2012 – Ushuaia

O Ronald partiu logo cedo. Nós ainda tínhamos o resto do dia pois nosso voo só sairia a noite. A Roberta fez questão de me surpreender e reservar um almoço no Cerro Castor, no restaurante La Morada Del Aguila (http://www.cerrocastor.com/). Sim, lá só atende por reserva. Por ser bem afastado da cidade, a comida é preparada por demanda e na ocasião estávamos a sós no restaurante.

O local é bem aconchegante e foi a melhor comida que provei na viagem e também não achei caro, Ar$100 pelo Cordeiro Fueguino, à vontade.

No local há algumas cabanas para alugar, fiquei com vontade de retornar lá em uma outra ocasião, a região do Cerro Castor é magnífica, cercada de boques coloridos e de montanhas, além claro, da excelente comida.

Voltamos para a cidade, fizemos algumas compras finais, arrumamos a mala e deixamos Ushuaia debaixo de uma chuva gelada, quase virando neve. Não tivemos problemas com os voos e chegamos em Sampa na quarta-feira, pela manhã.



Tracklog do Circuito Dientes de Navarino:

http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=2674988

Rodrigo Schemes
Rodrigo Schemes

Published on 10/09/2015 23:20

Performed from 03/09/2012 to 03/12/2012

Views

2664

7
Willian Fae
Willian Fae 10/10/2015 13:45

Parabens pelo relato e pelas fotos. Realmente não tinha ouvido falar neste lugar e fiquei bem empolgado em conhecer.

Fabio Fliess
Fabio Fliess 10/13/2015 10:32

Muito bom Rodrigo! Parabéns! Esse está na minha lista (pena que meu bolso não acompanha kkk)

Rodrigo Schemes
Rodrigo Schemes 10/14/2015 12:14

Recomendadíssimo, realmente o preço das travessias dos barcos encarece um pouco a viagem. Se grana não for o problema dá pra chegar em Puerto William pelo cruzeiro que passa nos glaciares e fiordes Chilenos saindo de Punta Arenas senão me engano... deve ser magnífico.

Fabio Fliess
Fabio Fliess 10/14/2015 13:42

Show!!! Só tem que sobrar grana para as brejas... :)

Bruna Fávaro
Bruna Fávaro 10/14/2015 17:15

Perfeito, Rodrigo! Tenho muita vontade de fazer essa. Vamos ver, quem sabe ano que vem. Seu relato será de grande ajuda! :)

Alan Rodrigues Villarta
Alan Rodrigues Villarta 11/12/2015 14:29

Espetacular, estive em Ushuaia esse ano, mas como tinha pouco tempo , acabei optando pelo trekking em Torres del Paine...mas esse deu vontade agora rs

Keila Beckman
Keila Beckman 11/20/2015 23:49

Esse lugar é espetacular. Muito bom seu relato e belíssimas fotos.

Rodrigo Schemes

Rodrigo Schemes

São Caetano do Sul

Rox
61

Minha maior viagem hoje é viajar com o Raulzinho!

Adventures Map
www.flickr.com/photos/rodrigoschemes/albums

102 Following