AventureBoxExplore
Create your account
Pedalando na América Austral #18

Pedalando na América Austral #18

Dique Florentino Ameghino, precisamos correr!!!!

Bike Trip Rafting Camping

Como já foi dito, essa é a série de posts Pedalando na América Austral, uma cicloviagem que realizei entre 2015 e 2016, deixo aqui o link do post anterior e também deixo no final uma lista com todos os posts publicados até o momento.

Era ano novo e nós estávamos na estrada, deixamos nosso amigo Nicolas em Trelew e seguimos para nosso próximo destino que era o Dique Florentino Ameghino, como disse no post anterior esse era um dos lugares que eu queria conhecer e convenci o Oscar a me acompanhar, no primeiro dia pedalamos até Dolavon apenas 35 km de Trelew, lá encontramos um camping próximo à entrada da cidade, o camping não estava efetivamente aberto para campistas mas conversamos com o dono e ele concordou que poderíamos passar a noite lá.

Por-do-Sol chegando em Dolavon - Argentina

No dia seguinte enfrentemos um dia muito quente e 82km em uma estrada deserta até um lugarejo chamada Las Chapas que podemos resumir a um posto e meia dúzia de casas espalhadas no cruzamento da rota nacional 25 com a rota provincial 31, chegamos já estava escuro e em uma pequena venda pedimos permissão para acampar na varanda, claro após comprar alguma coisa, nos indicaram o barracão ao lado que servia de garagem e era bastante abrigado do vento, mas logo chegou uma família viajando de carro e também pediram um lugar para passar a noite então eu e o Oscar fomos realocados para a caçamba de uma caminhonete, por sorte ela tinha uma capota de fibra para nos proteger do vento que estava forte.

Estrada longa e muito sol

Pela manhã, eu e Oscar tomamos nosso café nos arrumamos e seguimos até o dique que estava próximo cerca de 15 km, a estrada desce cortando o morro e finaliza com um túnel escavado na pedra saindo em uma passagem sobre a represa, de um lado um imenso reservatório de agua e do outro uma pequena vila e muito verde encravado em um cânion no meio do deserto da patagônia.

Seguimos até o camping municipal que é gigantesco com uma estrutura para receber muitos turista e sim haviam muitos turistas, isso já era esperado pois ainda tinha gente aproveitando suas férias ou o feriado do ano novo, mesmo assim fiquei um pouco desapontado com a superlotação do camping, haviam muitos carros lá, barulho, as lixeiras não comportavam a quantidade de lixo produzida e por todo lado havia ossos das carnes assadas nas churrasqueiras espalhados no chão, demorou até que nós conseguíssemos achar algum lugar para montar nossas barracas e quando achamos e limpamos o local raspando o chão e tirando todo o lixo um sujeito veio querer nos tirar dali para colocar seu carro, enfim, após alguns minutos discutindo ele foi procurar outro lugar.

Após nos acomodar e garantir nosso lugar, fomos conhecer a vila, que ao contrário do camping estava bem tranquila, achamos uma pequena venda onde compramos só o necessário para nos abastecer, pois a média de preços era mais cara do que em outros lugares, e achamos um passeio de rafting, e chamo de passeio devido da tranquilidade do rio sem corredeiras. Passamos apenas uma noite acampados no Dique, apesar da beleza da paisagem não tínhamos muito mais o que explorar e como dito o camping municipal não era o lugar mais agradável para ficar, tanto eu quanto Oscar tínhamos o objetivo de chegar em Ushuaia antes do clima começar a esfriar e já estávamos atrasados em relação a isso.

Começamos a fazer alterações de roteiro e concessões nos conformando que nossos desvios e dias de pedal de grupo acumularam algum atraso, chegar em Ushuaia com o tempo mais frio seria muito duro e ainda estávamos longe, meu plano original era voltar para RN 3 encarando quase 80km de rípio pela RP 31, provavelmente uma estrada deserta que levaria uns dois dias para ser percorrida até o asfalto da RN 3 no meio do nada, levando isso em conta, as dificuldades que encontramos no rípio com o triciclo do Oscar e os preços altos para nos abastecer para enfrentar esse pedal decidimos voltar para Trelew e como já estávamos atrasados, encurtamos nossa volta indo de ônibus.

E como falei nesse ponto da viagem pensamos em ganhar tempo pegando carona e ônibus, nossa ideia era recuperar algum tempo para não chegar tão tarde na Terra do Fogo, em Trelew voltamos fomos para o mesmo posto na beira da RN 3 onde passamos a noite na primeira passagem por lá e decidimos tentar uma carona, acabamos acampando no posto e só no dia seguinte conseguimos a carona até Caleta Olivia onde o Oscar tinha uma prima, ela não estava mas seu marido concordou em nos receber, até o Oscar ficou sem graça pois ele ainda não conhecia o marido da prima, no dia seguinte saímos o mais cedo possível da casa dele.

Nesses dias estava acontecendo uma paralização dos funcionários da empresa petrolífera da região e eles fizeram um bloqueio na estrada, quando nos demos conta que não iriámos conseguir uma carona na saída da cidade decidimos pedalar alguns quilômetros até o bloqueio, chegando lá a fila de caminhões era enorme, os manifestantes só deixavam passar carros pequenos particulares, caminhões e carros de empresas ficavam retidos, um caminhoneiro tinha acabado de deixar algumas caixas de sorvete para poder furar o bloqueio e claro que nós ganhamos um pouco de sorvete também..rs

Dique Florentino Ameghino

Após conversando com os manifestantes e explicando nossa viagem eles disseram que nos ajudariam a pegar uma carona e pararam uma caminhonete que estava passando, perguntaram ao motorista se ele podia nos dar carona, acho que o homem ficou com medo de ficar retido no bloqueio e concordou em levar eu o Oscar até um posto mais à frente da estrada, pois de lá ele seguiria outro caminho, nesse posto ficamos por horas perguntando por carona e também nos ônibus de viagem, mas nesses perguntávamos o valor da passagem e se poderia levar a bicicleta e o triciclo, vários nos negavam, teve até um motorista que concordou em nos levar mas ao ver a bicicletas e o triciclo disse que não levaria pois nossas coisas iriam ocupar muito espaço no bagageiro.

Enfim, já era madrugada quando um ônibus leito de dois andares parou, fomos falar com o motorista e mostramos nossas coisas, ele disse que daria um jeito de levar, logo chamou um ajudante abriram o bagageiro que já estava cheio e começaram a realocar as bagagens abrindo espaço para nossas coisas, como não tínhamos dinheiro suficiente para pagar pelos acentos leito combinamos que pagaríamos no guichê da próxima rodoviária onde aceitava cartão. Essa viagem ainda teve uma troca de ônibus no meio da estrada, pois no caminho passamos por outro ônibus quebrado e nosso iria voltar para resgatar os passageiros daquele ônibus.

Nosso destino final nessa viagem de ônibus era Rio Gallegos, mas alguns quilômetros antes da cidade paramos em um posto da polícia que entrou no ônibus e pediu os documentos de todos os passageiros e mais alguns quilômetros outra manifestação fechando a estrada, o ônibus iria ficar horas ali parado e já estávamos muito próximos a cidade, então pedimos ao motorista para abrir o bagageiro e pegar nossas coisas para seguir pedalando.

Estava chegando ao fim o nosso pulo de distância com carona e ônibus para economizar tempo, em dois dias andamos cerca de 1.150km, distancia que faríamos em aproximadamente 15 dias ou mais no nosso ritmo

Em Rio Gallegos ficamos alguns dias na casa do Guido, um velho amigo de faculdade do Oscar, aproveitamos o tempo que adiantamos para deixar nossas coisas na casa do Guido ir de carro até El Chaltén com o Guido e sua noiva Paula, mas essa primeira visita a El Chaltén fica para o próximo post.

Posts relacionados

Vídeo

André Lima
André Lima

Published on 11/03/2020 16:11

Performed from 10/05/2015 to 03/30/2016

Views

350

3
David Sousa
David Sousa 01/05/2021 19:07

O Ushuaia ainda tá na minha lista de sonho

André Lima
André Lima 01/07/2021 09:54

Olá David, Ushuaia é muito bonita e vale a visita, aliás toda a Terra do Fogo, ainda vou escrever mais alguns posts dessa viagem e claro vou escrever sobre minha passagem em Ushuaia.

David Sousa
David Sousa 01/07/2021 10:06

Top

André Lima

André Lima

São Paulo - SP

Rox
996

Ciclista, viajante e pai do Theo :) Autor do antigo blog PedalandoBicicletas e sempre planejando a próxima aventura!!! Instagram @andr.slima

Adventures Map
linktr.ee/andre.lima

1 Posts


443 Following



Minimum Impact
Manifesto
Rox

Fabio Fliess, Bruno Negreiros and 405 others support the Minimum Impact Manifest


Together
Inclusive Adventures
Rox

Peter Tofte, Renan Cavichi and 156 others support the Together page.